Algarve 7’s: Aí vêm as estrelas e lendas dos Sevens!

Francisco IsaacAbril 17, 201814min0

Algarve 7’s: Aí vêm as estrelas e lendas dos Sevens!

Francisco IsaacAbril 17, 201814min0
Quem é que não gosta de ver umas boas estrelas e lendas dos 7's a jogar?Então entre 2 e 3 de Junho poderão assistir a algumas delas no Algarve 7's! Quando e quem no artigo!

Nos dias 2 e 3 de Junho começa um dos maiores eventos de rugby na Península Ibérica: o Algarve 7’s. Mas o que tem de tão especial um torneio desta variante realizado no Algarve? Para começar vêm algumas das maiores lendas do rugby Mundial, alguns com vários títulos mundiais nas World Series ou Mundiais de 7’s.

Dificilmente conseguiriam ver nomes como de DJ Forbes em Portugal em outra ocasião e será uma oportunidade extraordinária para ver um dos maiores jogadores de 7’s de sempre.

Em segundo lugar, há quatro tipos de competições a decorrer durante esses dois dias, algo que vai colocar Vila Real de Santo António num frenesim total com mais de quase 100 jogos.

E quais são essas competições? Elite (12 selecções nacionais/selecções mistas que estiveram/estão no Circuito Mundial das HSBC World Series ou que são uma mix de internacionais), Men’s Open e Women’s Open (reservado para clubes e equipas de uma dimensão menor) e Vets13-a-side (competição reservado para jogadores acima dos 35 anos), sendo que a EliteWomen Open já não têm mais “lugares” disponíveis.

Em terceiro lugar, esta competição dos 7’s estreia uma nova selecção-equipa portuguesa, iniciada pela Sports Ventures e Academia Pedro Leal: os Navigators. Carregada com internacionais portugueses que estiveram nas World Series ou que até participaram no Mundial 2007, será, sem dúvida, um dos focos principais do torneio de Elite.

Esta mistura de sucesso foi construída, como já dissemos, pela Sports Ventures e a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António. A administração actual da CM, que tem como presidente Conceição Cabrita, apostou fortemente em apoiar um evento desportivo que vai dar ainda mais significado às suas estruturas desportivas.

Mas vamos “mergulhar” no torneio e o que há para saber em cada um destes pontos!

LENDAS PARA DAR E VENDER… E VER A JOGAR!

Quando falávamos que estarão cá alguns jogadores que dificilmente verão noutra ocasião, referíamos-nos a uma grande variedade atletas conhecidos, sendo que apresentamos aqui 5. Quem?

Comecemos com um “barbudo” neozelandês como DJ Forbes antigo capitão dos All Blacks 7’s, com uma série de recordes desde de presenças nas World Series ao, que ainda hoje é lembrado por ter, hand-off mais longo num jogo de 7’s.

Se a vossa preferência vai para uma “americanice” então há um senhor dotado de uma possante juba: Todd Clever. Um dos jogadores mais conhecidos dos Estados Unidos da América, que jogou não só XV mas também 7’s, sendo facilmente reconhecido pelo público pela paixão que impunha no jogo.

Há ainda o scottish F16 Nyle Godsmark internacional escocês pela equipa de 7’s. Jogou nos Glasgow Warriors durante um pequeno período.

Frazier Climo, também internacional pela variante de 7 da Nova Zelândia, com passagens pelos Scarlets de Gales e Ayr da Escócia é outro dos que vai estar em Portugal e será um dos “suspeitos” do costume na hora dos ensaios.

E, claro, Pedro Leal o português continua a constar na tabela dos melhores pontuadores das World Series, mesmo não tendo jogado nas últimas duas edições.

Mas trazer cá estas estrelas vale de alguma coisa, poderá questionar o leitor? De forma peremptória, sim. A vinda de um jogador como DJ Forbes a Portugal demonstra que há actividade na variante em solo Nacional, colocando o país (mais uma vez) no mapa do rugby mundial.

Mesmo que tenha existido uma queda a nível do XV sénior, os subsequentes grandes eventos realizados em Portugal impõem que estejamos sempre nas “bocas do Mundo”, como diz a expressão.

O Algarve é uma localização mais que conhecida e reconhecida pelo seu valor turísitco, com praias, cidades preparadas para receber (vastas) multidões de turistas que só querem vir para cá relaxar. Contudo, para os que estranham mais, o Algarve também é o spot nº1 em Portugal para o qual equipas profissionais de várias modalidades se dirigem para realizar estágios de pré-temporada ou para preparar alguma competição importante.

A Inglaterra já montou o seu quartel-general no Algarve por mais que uma dezena de vezes… Irlanda, Austrália, Munster, Ulster, Saracens também já cá estiveram a estagiar e aproveitar as excelentes condições para ultimarem processos.

Ora, a Sports Ventures agora “monta” um super evento no qual todos saem a ganhar, em especial o Algarve (que aproveita para dizer “presente” em termos de localização ideal para realizar torneios internacionais em Portugal), o rugby português (desde o Lisboa 7’s que não há um evento da variante destas dimensões a nível sénior) e o público português (fica com a possibilidade de assistirem as jogos que nunca mais pensaram ser possível de ver, pelo menos, em Portugal).

Este trabalho “hercúleo” de todas as partes só vai gerar riqueza económica, social e desportiva para Portugal, continuando a instalar-se uma cultura de realizar grandes eventos (seja o Rugby Youth Festival, o Lisbon Junior 7’s, o Torneio Internacional do Direito, o JP Rugby, a Bulldog Cup, etc) com um excelente dose de espectáculo, magia e “carregados” de espectadores, jogadores, treinadores e outros curiosos da oval.

Mas realmente, como se vai passar o Algarve 7’s?

A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR… AOS 7’S O QUE É DOS 7’S

E o que é dos 7’s? Espectáculo, emoção, jogadas mirabolantes, velocidade sem parar e um show de ensaios e offloads. No Algarve 7’s terão o prazer de ver isso tudo em três divisões diferentes (a dos veteranos aqui é excluída porque não vai entrar na variante de 7 mas sim de 13).

A Elite com equipas entre o profissionalismo, recheada de estrelas mundiais ou composta por selecções nacionais. Aqui terão o prazer de ver a selecção nacional da Rússia, Hong Kong, Portugal, Alemanha todas elas participantes em torneios internacionais e, no caso da Rússia, nas World Series.

A juntar-se a estas 4 formações há ainda os Samurai Internationals (uma das melhores equipas a nível mundial da categoria, capitaneada por Pedro Leal), os Worcester Warriors (a equipa XV está na Premiership, a primeira divisão inglesa, e a sua variante de 7 é uma das melhores), New Zealand Metro (uma equipa de kiwis comandada por DJ Forbes), os French Frogies (para quem acompanha o Beach Rugby, esta é a equipa do qual vêm todos aqueles fantasistas e “mágicos”), Susie 7’s, Durham University e o Edinburgh.

A surpresa é a inclusão da tal inclusão da super-equipa da Sports Ventures, os Navigators. Em 2018 só será composta por portugueses como podem ver pelo seu alinhamento: 1. Gonçalo Foro; 2. Tomás Appleton; 3. David Mateus; 4. Francisco P. Magalhães; 5. Diogo Miranda; 6. Banana; 7. Simões; 8. Tomás Noronha; 9. José M. Vareta; 10. José Rodrigues; 11. Vasco Poppe. O treinador? Tomaz Morais, auxiliado pelo TM Francisco Martins!

A larga maioria destes escolhidos jogaram nas World Series e serão um dos candidatos a disputar a cup, ao lado da Rússia, Samurai Internationals, Alemanha e os New Zealand Metro.

12 equipas de algo “gabarito” que trazem alguns dos melhores jogadores a Portugal e que fará da competição de Elite uma autêntico showdown de skills! Mas há muito mais para além disso, já que temos duas competições que vão se realizar ao mesmo tempo e que merecem o mesmo destaque: a Men OpenWomen Open.

Men Open já tem confirmação de oito equipas: os portugueses da AEIS Agronomia, GD Direito, SL Benfica (será que o CDUL, CF “Os Belenenses” e o GDS Cascais, equipas com ADN de 7’s?) já deram o check de entrada. Depois as universidades de Edinburgh, o Edinburgh College (o colégio escocês com mais títulos de rugby a nível escolar), o Guiness RFC, a equipa da Catalunha (será interessante perceber o talento desta região nos 7’s).

Existem ainda 8 vagas para cumprir o requisito mínimo das 16 formações mas até final de Maio esta divisão deverá ficar esgotada. Contudo, a competição Open que nos cativa mais é a dos femininos. Se nos XV ainda existe uma diferença de qualidade a nível de jogo (mais pelo poder no contacto e agilidade), já nos 7’s a situação fica equiparada.

Apesar da HSBC não dar a mesma importância à categoria feminina, ela tem de ser respeitada como tal já que tem todo o espectáculo, velocidade, magia e “agressividade” que existe nos 7’s masculinos. No evento organizado pela Sports Ventures, podem contar com as presenças de Strathclyde e Dundee (ambos da Escócia) e a Universidade de Durham (Inglaterra), Portugal, Hong Kong e Catalunha em termos de selecções e os clubes portugueses do GDS Cascais e SL Benfica.

As águias têm sempre uma “fome insaciável” de conquistar troféus em torneios internacionais de 7’s (já foram conquistar competições privadas na Holanda, Bélgica ou França) e vão tentar arrebatar o título de campeãs do Algarve 7’s. Contudo, Strathclyde, Hong Kong e a selecção Nacional deverão ter uma palavra a dizer na disputa pela final da Cup.

A divisão de Vet’s vai contar com a presença de dos veteranos do Algarve, Agronomia, GD Direito, Benfica e Lousã. Para os que acham que uma competição de veteranos é desinteressante, então enganam-se redondamente. Pode já não existir a mesma velocidade, explosão, agressividade do nível de séniores, mas vão ver uma vontade e paixão ainda maior de jogar rugby, aliados a um espírito divertido e combativo que dá outra forma a estes jogos mais “experientes”.

Por isso, de forma resumida: neozelandeses com a magia dos offloads, uma equipa novinha em folha com sotaque português, umas ultra-campeãs do SL Benfica com olho em mais um título, os letrados de Durham e um par de selecções estrangeiras que têm apostado nos 7’s com olho não só no Mundial da variante (Rússia e Hong Kong vão lá estar) mas nos Jogos Olímpicos de 2020.

A divisão de Elite vai funcionar com três grupos de quatro, sendo que passam para a Cup os primeiros e segundos classificados, com os dois melhores 3º’s a seguirem também para essa fase. As últimas classificadas ficam numa divisão de Challenge, enquanto que os perdedores dos quartos-de-final da Cup seguem para a divisão Plate.

Men Open vai funcionar exactamente igual como as HSBC World Series com quatro grupos de quatro, com a luta aberta pelos títulos da Bowl, Plate e Cup. A Women Cup como só terá a presença de 8 equipas, funciona com dois grupos de quatro, com passagem dos dois primeiros e uma disputa fácil em meias e final.

ALGARVE 7’S: O PRINCÍPIO DE UMA CULTURA DIFERENTE

Após a explicação de quem vai estar no Algarve 7’s, de como vai funcionar a competição basta agora dar-vos o mais importante: calendário, horário e localização.

Num espectacular complexo no Estádio de Vila Real de Santo António, as equipas de Elite vão jogar no Estádio Municipal, enquanto que todas as outras divisões vão actuar no Campo 1 e 2 durante o primeiro dia, 2 de Junho (sábado). As meias-finais e finais serão todas realizadas no principal reduto de Vila Real de Santo António, que tem uma taxa de ocupação máxima de 3000 lugares.

Com estacionamento e os melhores acessos garantidos, será fácil para o entusiasta da oval chegar ao complexo e ficar completamente mergulhado num ambiente de 7’s que só é possível de conhecer e viver nas World Series ou o DHL Oktoberfest 7’s (numa dimensão inferior, mas mesmo assim são 4000 pessoas envolvidas durante esse fim-de-semana).

O Algarve 7’s tem todo o potencial para se tornar não só uma marca da Sports Ventures de forma permanente, como do rugby nacional… se há equipas e academias que já marcam nas suas agendas a vinda a Portugal para jogar no Figueira Beach Rugby ou no Rugby Youth Festival, o Algarve 7’s deverá encaixar-se também nessa mesma agenda internacional.

Não deverá ser entendido como um substituto do Lisbon 7’s, mas sim um novo torneio que vai mexer com o rugby português e europeu de uma forma total… ter cá DJ Forbes, Todd Clever, os New Zealand Metro, selecções que vão estar no próximo Mundial de rugby de 7’s, a primeira aparição dos Navigators são marcos espectaculares para o rugby português.

Se vale a pena ir ao Algarve, gastar algum dinheiro, ficar o dia todo na(s) bancada(s), não ir à praia (se o tempo permitir) e ficar em casa a descansar? Vale e bastante. O leitor poderá pensar que “mas se vocês estão a escrever um artigo de antevisão é normal que vão só falar bem do torneio”, poderia ser verdade.

Porém, e o artigo já vai longo, é necessário que quem leia esta “antevisão” que perceba o impacto que tem um evento desta dimensão em Portugal, numa região “esquecida” pelo desporto português (à excepção do Portimonense na Liga NOS ou o sucesso internacional do Clube Roller Lagos é raro o Algarve estar na rota do desporto português) e que tem todas as condições para conferir uma dimensão muito superior com instalações de qualidade ao nível do que se encontra em Lisboa.

Já foi referido logo ao início da vontade e abertura da CM de Vila Real de Santo António em apoiar, uma aposta que revelou acertada pois os hotéis do município já beneficiaram de mais de 2500 dormidas para o evento, para além de diversas equipas estarem acertar (ou, entretanto já acertaram) estágios de inverno ou durante a próxima temporada no complexo desportivo de Vila Real.

Pelo que o Fair Play apurou, esta parceria tem sido bastante proveitosa para todos os lados, especialmente para o turismo-desportivo que vai sair ainda mais reforçado nesta localidade, sendo o rugby cabeça-de-cartaz com o Algarve 7’s.

Sigam para o Algarve na sexta-feira dia 1 de Junho, fiquem por lá entre o dia 2 e 3 e vivam aquilo que 12 cidades têm o direito de viver nas World Series. Estará lá DJ Forbes, Pedro Leal, Tomaz Morais, Todd Clever, equipas francesas irritantes que não param quietas com a bola nas mãos com um portefólio de fintas inesgotável, uns neozelandeses que devem ter uns quantos fijianos com jeito para o malabarismo, com bancadas cheias, todo um complexo dedicado não só aos atletas mas também aos fãs.

Este é o Algarve 7’s… o melhor torneio de 7’s da Península Ibérica em 2018 e, quem sabe, ombreará com o DHL Oktober Fest 7’s já em 2019.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Se quiserem inscrever uma equipa vossa no Open masculino ainda vão a tempo! Contactem a organização, Sports Ventures, nos seguintes links:
Facebook: https://www.facebook.com/AlgarveSevens
Site: http://www.algarve7s.com
Instagram: https://www.instagram.com/algarvesevens/
Twitter: https://twitter.com/Algarve7s
Horário dos Jogos: Elite – Sábado e Domingo das 13h00 às 20h00 | Open Men & Women: Sábado e Domingo das 09h00 às 16h00 | Finais às 20h00 no estádio municipal | Veteranos: Sábado das 09h00 às 16h00

Vila Real de Santo António e o seu complexo desportivo (Foto: Sports Ventures)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter