3 Destaques da 10ª ronda do Super Rugby AU 2021

Francisco IsaacAbril 24, 20216min0

3 Destaques da 10ª ronda do Super Rugby AU 2021

Francisco IsaacAbril 24, 20216min0
A Western Force fez o impossível e está nas meias-finais do Super Rugby AU 2021. Como é que conseguiram? Tudo explicado neste artigo de Francisco Isaac

Houve surpresa no apuramento para a meia-final, e essa “surpresa” é a Western Force, que pela primeira vez na sua história foi capaz de se apurar para uma fase-final desta liga de franquias (agora em formato AU), depois de ter sido a pior equipa do Super Rugby AU em 2021. Os nossos principais destaques da última ronda de jogos da fase-regular da competição explicados nestes 3 pontos.

O DESTAQUE: WESTERN FORCE

Quem diria que a Western Force estaria apurada para a meia-final do Super Rugby 2021, conseguindo ficar à frente de NSW Waratahs e Melbourne Rebels? A franquia sediada em Perth foi capaz de bater um recorde seu, atingindo as três vitórias consecutivas numa só temporada, sendo que os 4 pontos conquistados nesta última jornada foram frente aos líderes Reds, que até aqui não tinham perdido qualquer encontro para a competição, o que aumenta só mais o mérito dos vencedores.

Num duelo previsto como improvável de terminar com a Western Force a festejar, a verdade é que a equipa comandada por Tim Sampson acabou por ter ao mesmo tempo mérito e alguma sorte, pois nos últimos dois minutos os visitantes tiveram duas penalidades para transformar em pontos, optando por ir à formação-ordenada invés de garantir três pontos e um empate, uma decisão algo discutível do ponto de vista dos Melbourne Rebels (torciam por uma vitória dos Reds ou, no mínimo, um empate). Contudo, se olharmos da perspectiva da perseverança, espírito de sacrifício e do acreditar, a Force mostrou mais, pois mesmos perante uma FO temível como é a dos primeiros-classificados do Super Rugby não cederam, garantindo estabilidade e coesão para depois terem tido a frieza de segurar o adversário no “ar” e garantir uma FO com introdução própria, colocando um ponto final num jogo emocionante e totalmente decisivo para as aspirações de uma equipa que poucos sonhariam ver chegar às meias-finais.

Não foram extraordinários na disciplina (16 penalidades cometidas…), revelaram problemas com a oval em suas mãos (pouca segurança no breakdown em situações de maior expansão no campo) e cometeram algumas falhas de placagem pouco admissíveis, como foi no ensaio de Taniela Tupou, mas no fim de contas tiveram crença que seria possível chegar a uma situação que nunca antes tinham conseguido, tendo derrotado os Reds por 30-27, a primeira derrota dos homens de Brad Thorn em toda a época.

O “DIAMANTE”: JORDAN OLOWOFELA (FORCE)

Hattrick para o ponta inglês de 23 anos, consagrando assim uma grande exibição com o feito inédito da Western Force ter chegado pela primeira vez na sua história à fase final de uma competição de franquias. O jogador formado pela academia dos Leicester Tigers tem tido um tempo médio de jogo nesta temporada, uma vez que nas alas da franquia de Perth costumam morar Byron Ralston e Toni Pulu, conseguindo ganhar alguns argumentos para manter a titularidade na meia-final e na competição Trans-Tasman que está prestes a chegar, nomeadamente no poder de aceleração e de se escapar por entre as linhas adversárias, de perseguir pontapés ou de um apoio competente ao portador de bola, aparecendo no local certo quando a situação o exige.

Os números rubricados na recepção aos Queensland Reds foram de nível com 135 metros de conquista territorial, duas quebras-de-linha, cinco defesas batidos, uma intercepção, dois offloads e dois tackle-busts, assumindo-se como um finalizador de boa qualidade e um aproveitador de oportunidades incisivo, como se viu no último ensaio que ajudou a selar o caminho para a Force chegar às eliminatórias do Super Rugby AU. Com 4 ensaios marcados esta temporada, Jordan Olowofela está em 3º lugar na tabela de melhores marcadores, apesar de não constar em nenhum top-10 de outro tipo de estatísticas, e provou que a Western Force tem um plantel de qualidade e com capricho técnico para lutar (até a um certo ponto) contra os principais dois candidatos.

O “DIABRETE”: REDS ENTRE A VILANIA E O HEROÍSMO

Deveriam ter os Reds escolhido “postes” naquela penalidade aos 78 minutos ou a opção por ir à formação-ordenada é de aplaudir? Como dissemos anteriormente, na opinião dos adeptos, jogadores e staff dos Melbourne Rebels, os líderes do Super Rugby AU 2021 deviam ter optado pelos três pontos e esperar pelo pontapé de recomeço para irem atrás de uma vitória, mesmo que nada lhes garantisse nova incursão até à área de validação da Western Force, assegurando, no entanto, um empate e a invencibilidade na fase-regular da temporada.

Em defesa dos Queensland Reds, o lutar pela vitória naqueles três minutos finais num jogo em que não tinham nada a perder é um caminho aceitável e que merece elogios, mesmo que esse cenário representasse assumir um risco total de não transformarem a tal formação-ordenada em ensaio conseguindo nova reviravolta final num jogo emocionante e, por vezes, demasiado caótico para as pretensões de Brad Thorn, já que o treinador dos koalas gosta de controlo físico e de manter o adversário agrilhoado.

Não há dúvidas que esta situação vai merecer atenção de toda a parte, seja dos Brumbies que vêem o seu principal adversário pelo título “magoados” com o facto de não terem sido capazes de manter a invencibilidade, seja da Western Force que ganha outra confiança e força para a difícil meia-final, ou para os próprios Reds, pois terão de rever algumas questões de definição de movimentações e jogadas em momentos decisivos de um encontro. É, portanto, ao mesmo tempo criticável e admirável a decisão da equipa já apurada para a final do Super Rugby AU 2021, tendo tirado aos Rebels a oportunidade de discutir o acesso a esse encontro que vai selar o destino desta temporada, conferindo à Western Force um feito inédito histórico de chegarem a uma fase a eliminar, motivando-os a procurar agora uma vitória sob os Brumbies, algo pouco esperado, mas com uma taxa de possibilidade de acontecer.

OS STATS DA JORNADA

Melhor marcador de pontos (jogador): Matt To’omua (Rebels) – 16 pontos
Melhor marcador de pontos (equipa): Melbourne Rebels – 35 pontos
Melhor marcador de ensaios (jogador): Jordan Olowofela (Western Force) – 3 ensaios
Melhor placador: Angus Scott-Young (Reds) – 17 placagens (nenhuma falhada)
Maior diferencial no ataque (jogador): Jordan Olowofela – 130 metros conquistados, 3 ensaios, 2 quebras-de-linha, 5 defesas batidos


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter