Ronda 1: o que já foi e o que será da 1ª ronda dos playoffs

João FerreiraAbril 26, 20184min0

Ronda 1: o que já foi e o que será da 1ª ronda dos playoffs

João FerreiraAbril 26, 20184min0
Os playoffs estão aí e com ela uma breve análise daquilo que foram os playoffs até agora.

Os playoffs chegaram e os adeptos da NBA estão ao rubro com a melhor altura do ano. A verdade é que esta 1ªRonda já trouxe algumas surpresas, muitas desilusões e outras tantas surpresas. Neste artigo analisamos aquilo que tem sido os playoffs da NBA até à altura.

Como o melhor fica para o fim comecemos com o pior. Existe uma equipa desilusão e um jogador desilusão.

Desilusões:

Portland Trail Blazer

Como? Não fossem os Pelicans uma das equipas do momento e os playoffs dos Trail Blazers poderiam ter sido diferentes. São a equipa desilusão porque não é normal, de todo, a equipa que ficou 3º da Conferência Oeste serem verdadeiramente varridos pela equipa que ficou em 6º. 4-0 foi o resultado da série.

Esta série só veio trazer algumas certezas em relação à equipa de Portland: apesar de uma ótima época regular, Damian Lillard, quando apertado pela defesa contrária, não consegue jogar. Aquilo que Lillard fez na única série que disputou este ano nos playoffs foi desastroso e isso teve reflexo na manobra ofensiva da equipa; Portland não possui um banco consistente, não da forma como havia aparentado ao longo da época regular. É uma equipa perigosa, sim, mas muito fraca nos momentos de decisão.

Russell Westbrook

É incrível o que Russell Westbrook fez ao longo da época regular. Aliás, foi histórico aquilo que Russell Westbrook fez ao longo da época regular. Se o ano passado, acabar com média de triplo duplo foi admirável, então fazer um back-to-back no que diz respeito à média de triplo-duplo. Isso ninguém lhe tira.

No entanto, esta 1ª Ronda dos playoffs vieram denegrir um pouco aquilo que foi a época do MVP do ano passado. Westbrook é o pior jogador da equipa dos Oklahoma City Thunder no que diz respeito à percentagem de lançamento com 39% de lançamento de campo. É verdade que Westbrook apresenta 26 pontos por jogo, 12 ressaltos por jogo e 8 assistências por jogo. Mas a verdade é que a sua influência em campo tem sido quase sempre negativa para a equipa que se tenta “desembrulhar” da equipa de Utah que tem dado muito trabalho.

Irá Westbrook passar esta ronda?

Surpresas

New Orleans Pelicans e Jrue Holiday

Se os Portland Trail Blazers estiveram mal na série, então os Pelicans estiveram extremamente bem levando o seu jogo a todo um novo nível nunca antes visto nem mesmo com Cousins no court. A verdade é que a equipa, que o ano passado nem foi aos playoffs, teve em Anthony Davis e Jrue Holiday um duo quase impagável a nível ofensivo e em Jrue Holiday e em Rajon Rondo um duo extremamente eficaz na defesa da C.J. McCollum e a Damian Lillard.

O nome mais sonante, neste último parágrafo, é, sem dúvida, Jrue Holiday. Provavelmente o jogador mais underrated da NBA, neste momento, Jrue Holiday teve dois jogos com 40 pontos e foi exímio na defesa a McCollum, o que dificultou, em muito, o trabalho do SG de Portland.

Estes Pelicans têm muito para dar e vender. Veremos se na 2ªronda conseguem fazer frente aos super-poderoso Golden State Warriors.

Será que para o ano, a manter esta equipa, e a acrescentar DeMarcus Cousins (que será Free Agent) os Pelicans conseguirão estar entre o Top 3 da Conferência Oeste?

Outras Notas

Donovan Mitchell

Cada vez mais, uma certeza entre os novos jogadores da NBA como o jogador do futuro da liga. O jogador que tem comandado, junto de um fantástico Ricky Rubio (o espanhol tem mostrado aos Timberwolves que, se calhar, o futuro passava mesmo por ele), os Utah Jazz a uma série muito bem disputada contra Oklahoma City Thunder.

Manu Ginobili

O quarentão, de San Antonio pode ter feito o seu último jogo nos playoffs mas ninguém tira a esta verdadeira lenda da NBA, o que ele foi capaz de fazer aos 40 anos contra os bi-campeões Golden State Warriors. Uma lenda argentina que, mais tarde, ou mais cedo, irá parar ao seu merecido lugar: no Hall of Fame, com a sua camisola retirada pelos Spurs.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter