Contra a quarentena e contra as saudades da NBA

João FerreiraAbril 17, 20203min0

Contra a quarentena e contra as saudades da NBA

João FerreiraAbril 17, 20203min0
É indiscutível que é difícil ficar em casa e arranjar algo para nos entretermos. É nesse sentido que trazemos três jogos e começaremos a propor mais jogos. Contra as saudades da NBA.

Vivemos tempos muito difíceis para todos. É indiscutível que nunca a nossa sociedade viveu algo semelhante àquilo que está a acontecer. Os heróis existem e sobressaem nestas ocasiões. Neste casa, começo este artigo por agradecer aos profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, auxiliares, bombeiros, condutores de ambulância) e a todos os que são necessários para manter a sociedade a funcionar quase nos serviços mínimos (almeidas, senhoras da limpeza, polícias, caixas de supermercado). Em nome do FairPlay, um grande agradecimento.

Nós, que estamos em casa, à espera que o pior passe, só temos que encontrar maneiras de nos distrair e de vermos um lado positivo em tudo.

Neste caso, e para quem tem saudades de ver a NBA como nós, para quem tem saudades de imaginar que podia ver os Lakers serem campeões este ano, para quem não se cansava de ver o Giannis a afundar na cara dos adversários, ou de ver boas surpresas como os Miami Heat, trazemos alguns jogos que nos ficaram na memória e outros que sempre ouvimos falar como grandes clássicos da NBA.

Los Angeles Lakers vs Boston Celtics, NBA Finals 1985, Game 6

Este é daqueles jogos que não vi em direto. Falhei o meu nascimento por cerca de 10 anos.

A verdade é que esta é daquelas finais icónicas, onde encontrávamos os melhores jogadores de sempre dos dois lados do court. Jogadores como Magic Jonhson e James Worthy (Lakers) ou Larry Bird e Danny Ainge (Boston) estavam no pico da sua carreira e mostravam porque, mais tarde, deviam ser recordados por todos os adeptos.

No entanto, esta final ficou marcada por outro jogador. Um jogador que entra, sem dúvida alguma, no top 5 de melhores jogadores de sempre da NBA: Kareem Abdul-Jabar.

Vale a pena ver aquilo que perdemos.

Chicago Bulls vs Utah Jazz, NBA Finals 1997, Game 5

Outro jogo que infelizmente não pude assistir em direto por vicissitudes da vida.

Mas jogo mais inspirador não existe. Ah, este jogo é commumente chamado de o Jogo da Gripe. Porquê? O melhor jogador de sempre (sim é!) Michael Jordan apresentou-se no court e pela sua equipa, os Bulls, com gripe e com febre.

Esta condição, notória desde o início de jogo, acabou por não comprometer a prestação de Jordan que fez na mesma 38 pontos, 7 assistências e 5 ressaltos.

Uma das imagens mais icónicas deste jogo é quando, no final, Jordan colapso dos braços do seu companheiro, Pipen.

Um jogo para ver e para nos inspirar.

Los Angeles Lakers vs Toronto Raptors, 22/01/2006

Este ano já foi muito difícil para todos quando, no final de Janeiro, vimos Kobe Bryant partir. Alguém que incutiu nos adeptos da NBA uma mentalidade completamente diferente e competitiva que até então não existia.

É nesse sentido que trago um dos melhores jogos de Kobe, não é uma final, é um jogo normal de época regular, mas mostra aquilo que é não parar e não desistir até alcançarmos a glória e aquilo que queremos.

Mamba Mentality.

 

E para vocês, que jogos é que deviam fazer parte desta lista? 

Nos próximos dias apresentaremos mais algumas sugestões, mas até lá, fiquem com estas verdadeiras relíquias da NBA, e aproveitem para, dentro do possível, matarem saudades da NBA.

 

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter