Arquivo de CGA - Fair Play

SCP.jpg?fit=960%2C640&ssl=1
João BastosDezembro 20, 201612min1

Os Campeonatos Nacionais da 1ª e 2ª divisão tiveram lugar a 17 e 18 de Dezembro na piscina olímpica da Póvoa de Varzim. O filme da 1ª divisão masculina foi um remake das últimas 5 edições. Já na feminina, o filme foi inédito

1ª Divisão Masculina

Ao contrário da 2ª divisão, começamos a análise pelo sector masculino, onde o Sporting venceu pela 6ª vez consecutiva.

Apesar de ter sido a vantagem pontualmente mais folgada, o rival Benfica ainda “bateu o pé” numa fase inicial da competição.

Sporting é hexa!

Foto: Luís Filipe Nunes

A equipa masculina do Sporting ascendeu à primeira divisão em 2010 e, a partir daí, nunca conheceu outro lugar que não o primeiro.

São seis anos a vencer, de uma geração que marcará indelevelmente a História da natação verde e branca.

Dos seis títulos, este foi aquele conquistado com maior margem, das 19 provas venceu 12. Conquistou 89% dos pontos em discussão e apenas ficou de fora do top 3 em uma prova.

O reforço Francisco Santos esteve em evidência ao vencer as três provas de costas. O internacional por Moçambique, Igor Mogne, também venceu as suas três provas (50, 100 livres e 50 mariposa).

Alexis Santos venceu os 200 livres e os 200 estilos, mas foi superado por Miguel Nascimento nos 100 mariposa.

Guilherme Pina venceu os 1500 livres e João Vital os 400 estilos, juntando o segundo lugar aos 200 mariposa.

Guilherme Dias, António Mendes e Miguel Cruchinho ficaram cada um com um terceiro lugar.

Nas estafetas, a turma de Alvalade venceu os 4×200 livres (onde participaram Mário Bonança e Pedro Pinotes) e os 4×100 estilos. Nos 4×100 livres ficou no 2º posto.

O Sporting totalizou 152 pontos.

Houve derby

Foto: FPN

Após a subida da época transacta, o Benfica veio disputar o título da primeira divisão com o rival Sporting.

Os reforços Miguel Nascimento e Rafael Gil vieram dar argumentos a uma equipa já bastante apetrechada.

Nascimento “levou” as provas dos 100 e 200 mariposa, e ficou no segundo lugar nos 200 estilos. Gil venceu os 400 livres, ficou com o segundo lugar nos 1500 livres e com o terceiro nos 400 estilos.

O brucista Guilherme Teixeira chegou em primeiro na prova dos 50 bruços e em terceiro nos 100 bruços.

O Benfica teve um bom desempenho nas provas de 50 metros: ficou em segundo nos 50 livres por João Santos e nos 50 mariposa por Luiz Pereira e em terceiro nos 50 costas, também por Luiz Pereira.

Nas estafetas, o SLB venceu a que o Sporting ficou em segundo (4×100 livres) e ficou em segundo nas que o Sporting venceu (4×200 livres e 4×100 estilos).

A equipa da Luz totalizou 126 pontos.

Nadaram ainda João Correia, Martim Alves e André Farinha.

Novos galácticos conservam o pódio

O Estrelas de São João de Brito tem sido o principal “challenger” do Sporting nos últimos dois anos, perdendo o título por apenas 4 e 5 pontos, respectivamente nas últimas duas edições dos CNC da 1ª divisão.

Este ano, o ESJB teve de se reestruturar com o final de carreira de Pedro Oliveira, as saídas de Miguel Nascimento e Artiom Poliakov e com as entradas de Frederico Riachos e António Carriço.

E os reforços deram boa conta de si. Carriço venceu os 100 bruços e ficou em 2º nos 200 bruços. Riachos ficou em terceiro nos 50 livres.

De entre os “veteranos” foi Diogo Sousa a destacar-se com o 2º lugar dos 50 costas e o 3º dos 100 costas.

A estafeta de 4×100 estilos composta por Diogo Sousa, António Carriço, João Gigante e Frederico Riachos ficou com o terceiro lugar.

Nadaram também pelos Estrelas os nadadores Hugo Ribeiro, Jaime Correia e Nuno Martins.

Manutenção de diferentes perspectivas

Para os menos familiarizados com o formato da 1ª divisão, participam 8 clubes. Uma vez que os dois últimos descem de divisão e que já falamos da carreira dos três primeiros, no capítulo da manutenção vamos falar dos três clubes restantes: Náutico de Coimbra (CNAC), União Piedense e Futebol Clube do Porto.

O CNAC teve uns campeonatos bastante tranquilos. Sob a batuta de Tomás Veloso e Mário Pereira, a orquestra do Prof. Marques Pereira tocou afinada para o 4º lugar final com 75 pontos.

A União Piedense foi a equipa mais regular em prova (excluindo o Sporting) classificando-se em mais de metade das provas entre o 4º e o 7º lugar, acabando no 5º lugar final com 72 pontos.

O FCPorto passou por uns calafrios que, provavelmente, não contava passar. A única equipa masculina que participou em todas as edições destes campeonatos, esteve até à penúltima prova abaixo da linha de água mas “salvou-se no gongo”, ficando no 6º lugar com 68 pontos.

Famalicão e Monte Maior descem à 2ª

O Colégio de Monte Maior e o GDNVNFamalicão não conseguiram a permanência no escalão maior da natação portuguesa.

Noutros tempos, uma equipa com Luís Vaz, Adriano Niz e Jorge Maia seria candidata ao título, mas só Niz nadou próximo do que tem feito nesta sua fase da carreira. O Famalicão ficou em 8º e último lugar com 60 pontos.

Já o CIMM lutou “taco a taco” com o FCP pela permanência na 1ª divisão, mas acabou por não resistir à ponta final mais forte dos portistas. Foi 7º com 65 pontos.

Recordes dos campeonatos

O FairPlay fez o levantamento das melhores marcas de sempre feitas nos CNC da 1ª divisão. Convém esclarecer vários pontos:

  • O formato de nacionais em piscina olímpica disputava-se até 2003 e depois só voltou em 2014, sendo que durante 11 anos foram nadados em piscina curta;
  • A análise ficou limitada aos anos posteriores a 2002, uma vez que não estão disponibilizados resultados anteriores;
  • Em 2015 foram disputados dois campeonatos: em Abril, em Oeiras, relativo à época 2014/2015 e em Dezembro em Coimbra, respeitante à época 2015/2016.
Fonte: FairPlay

* Tempo feito na abertura da estafeta 4×100 estilos

Em termos de marcas, este não foi a edição mais profícua.

Registou-se apenas um novo máximo por Guilherme Pina (SCP) nos 1500 livres, apagando o tempo do seu, agora, colega João Vital do ano passado.

É de salientar a presença de dois recordes que datam do ano de 2003 de Pedro Silva (SAD) aos 50 livres e Simão Morgado (CNA) aos 100 mariposa. Tendo em conta a brutal evolução que a natação tem sofrido é notável que estes dois recordes se mantenham há 11 anos, revelador da grande valia dos dois nadadores.

1ª Divisão Feminina

Quebrou-se a invencibilidade de uma das equipas mais vitoriosas do desporto nacional. O FCPorto ia tentar chegar aos 9 títulos consecutivos, 17 no total da sua História, mas foi a equipa do Algés que levou o ceptro

O fim de uma era. O início de outra?

Foto: Luís Filipe Nunes

O Sport Algés e Dafundo já venceu a 1ª divisão feminina em três ocasiões. Mas a última foi há 21 anos, com uma equipa que contava com Ana Barros e Petra Chaves (duas das melhores costistas de sempre da natação nacional). Por sinal, o SAD volta a ser campeão com outro naipe de excelentes executantes de costas.

O FairPlay avisou que as algesinas iam ameaçar a hegemonia do FCP e assim foi. 143 pontos (24 a mais que as portistas) deram o título às senhoras do Algés.

Rita Frischknecht e Raquel Pereira confirmaram as excelentes indicações que já tinham dado uma semana antes, nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores e venceram três provas, cada uma.

Rita venceu os 100 e 200 livres e os 200 costas. Raquel venceu os 100 e 200 bruços e 200 estilos (nos 100 bruços e 200 estilos com recordes dos campeonatos). As irmãs Azevedo também conseguiram uma vitória cada: Francisca nos 200 costas e Madalena nos 400 estilos.

As algesinas ainda venceram as 3 estafetas (todas compostas pelas 4 nadadoras já referidas).

Bárbara Barata ainda juntou um 2º lugar nos 50 bruços e um 3º nos 200 mariposa e a mais nova das Azevedo, Rafaela Azevedo, foi 3ª nos 50 costas.

Octocampeãs não resistiram às perdas

Foto: Luís Filipe Nunes

O FCP partia para estes campeonatos com as ambições intactas, mas com um forte revés: Diana Durães mudou-se para o Benfica, Adriana Castro para o Aquático Pacense e Marta Abreu não nadou este ano.

Ainda assim, as portistas contavam com a “eterna” Sara Oliveira, que continua a ser intocável nos 50 e 100 mariposa (conheceu pela primeira vez numa prova nacional o sabor do 4º lugar nos 200 mariposa).

Paula Oliveira também esteve em destaque ao vencer os 50 bruços, sendo segunda nos 100 e 200 bruços. Maria Teresa Amorim já tinha tido uns nacionais de piscina curta muito positivos e voltou a estar bem, vencendo os 400 livres e ficando em 2º lugar nos 200 e 800 livres.

Rosa Oliveira foi 3ª nos 50 livres e Ana Rita Faria nos 100. Nas estafetas de 100 metros o FCP foi 2º, enquanto na de 200 foi 3º.

Nadaram ainda as juniores Maria Cabral e Isabel Pego e as juvenis Mariana Barbosa e Ana Rita Ramos.

O FCP é, assim, vice-campeão com 119 pontos.

No pódio com o 2º lugar à vista

Durante a competição, mais do que disputar o título com o Algés, o FCPorto teve de se preocupar com a oposição do Sporting que ficou no lugar mais baixo do pódio mas com uma diferença de apenas 5 pontos (114).

Com o título masculino e o pódio feminino, o Sporting teve uns campeonatos perto da perfeição.

Beatriz Ranito (nos 800 livres) e Carolina Guedes (nos 200 mariposa) deram as únicas vitórias ao Sporting, que teve muitos lugares no top-3.

Beatriz ainda fez 2º lugar nos 400 livres, e a sua irmã Raquel, 3º nos 400 estilos.

Inês Fernandes, outra nadadora que esteve em destaque nos nacionais de curta, foi 2ª classificada nas suas três provas – 50 e 100 costas e 100 mariposa. Mafalda Beleza foi 3ª nos 200 livres, assim como Sofia Dionísio nos 50 e 100 bruços.

Nas estafetas, o Sporting fez #2 (4×200 livres) e #3 (4×100 livres e 4×100 estilos).

Nadaram também pelas sportinguistas: Maria Belo e Maria Monge.

De Tavira a Vila Real, passando pela Cova da Piedade

O Tavira Natação Clube estreou-se na 1ª divisão e deu muito boa conta de si! O objectivo era a manutenção, mas essa nunca esteve em causa. A recordista nacional Beatriz Viegas e a italiana Giulia D’Innocenzo lideraram a equipa até ao 4º lugar com 83 pontos.

A equipa feminina da SFUAP já foi muitas vezes apontada à descida, mas já que as previsões nunca se concretizaram, ninguém arrisca apostar contra ela.

À semelhança do naipe masculino, as nadadoras da União Piedense obtiveram classificações muito homogéneas e imitaram os homens ficando no 5º lugar final, com 69 pontos.

O Ginásio Clube de Vila Real, liderado pelas recordistas nacionais Ana Leite e Ana Guedes (mas este ano sem Joana Pinto), teve um campeonato com altos e baixos em termos de classificações. O que importa é o 6º lugar final, com 65 pontos.

EDV e Galitos irão competir na 2ª

À Escola Desportiva de Viana calhou o cenário mais desolador de todas as equipas presentes nos CNC da 1ª e 2ª divisão: descer da 1ª para a 2ª divisão por apenas um ponto é duro golpe. 7º lugar e 64 pontos para a equipa de Viana do Castelo.

A equipa do Galitos de Aveiro segue a equipa da EDV para a 2ª divisão, um ano depois de ter ascendido ao escalão máximo. Quedou-se pelo oitavo lugar com 45 pontos.

Recordes dos campeonatos

Fonte: FairPlay

Raquel Pereira foi a única a inscrever o seu nome na lista de melhores marcas, este ano. A júnior do Algés melhorou o record dos campeonatos aos 100 bruços e 200 estilos.

Assim como em masculinos, esta esteve longe de ser a edição mais forte ao nível das marcas obtidas. Nesse capítulo, claro destaque para a edição da época 2014/2015 em Oeiras.

No sector feminino, só o record de Ana Rita Santos (CFB) perdura há mais de 13 anos.

Veja também a análise à 2ª divisão.

Podio.jpg?fit=960%2C640&ssl=1
João BastosDezembro 19, 201610min1

Os Campeonatos Nacionais da 1ª e 2ª divisão tiveram lugar a 17 e 18 de Dezembro na piscina olímpica da Póvoa de Varzim. A 2ª divisão teve em compita 16 clubes masculinos e 16 clubes femininos. Saiba tudo sobre o escalão secundário da natação nacional

2ª Divisão Feminina

Iniciamos esta análise, como convém, pelas senhoras. Num campeonato disputado até ao fim, o primeiro lugar esteve sempre controlado pelas nadadoras do Benfica. Já a luta pelo segundo esteve ao rubro até à última braçada.

Confira os destaques da prova:

SLB para além de Diana

Equipa do Benfica | Foto: FPN

Na antevisão da 2ª divisão, o FairPlay colocou o Benfica como um dos dois candidatos à subida de divisão mas na verdade, as nadadoras do Prof. Mário Madeira dominaram e controlaram o escalão secundário, de tal forma que as bases da candidatura ao título da 1ª divisão do próximo ano parecem estar lançadas.

O Benfica mostrou logo ao que vinha, com duas vitórias nas duas primeiras provas do programa por intermédio dos dois principais reforços desta época. Diana Durães venceu os 400 metros livres com novo record dos campeonatos (ver mais à frente neste artigo) e Jéssica Brito venceu os 50 metros mariposa.

Diana Durães venceu mesmo as três provas (máximo permitido por nadador) que nadou: 400 livres, 200 livres e 400 estilos, fazendo o pleno de recordes dos campeonatos.

Mas não foi a única no lado dos encarnados. Cláudia Borges dominou as provas de bruços, vencendo os 50, 100 e 200 bruços. Nos 50 e nos 100 também foi a mais rápida de sempre da 2ª divisão.

O Benfica fez ainda mais dois lugares nos três primeiros, nas estafetas de 4×100 livres e 4×100 estilos.

Para além das citadas, nadaram ainda pela equipa da Luz: Sofia Rolão, Maria Beatriz Lopes, Ana Graveto, Ana Luísa Santo, Sara Loureiro, Filipa Grilo, Ana Raquel Ferreira e Joana Martins.

O Benfica concluiu o conjunto das 19 provas com 252 pontos.

Os Belenenses de volta ao topo

Equipa do CFB | Foto: Luís Filipe Nunes

A equipa feminina do Clube de Futebol “Os Belenenses” é uma equipa histórica da 1ª divisão. Desde 2008 que não participa neste escalão, mas chegou a disputar o título quando contava com uma equipa com nomes como Ana Rita Santos, Patrícia Conceição, Daniela Inácio, Harrieth Smith ou Sara Amaral.

Com o abandono da piscina do Restelo, a equipa passou por momentos de menor fulgor, mas agora está de volta ao escalão maior da natação portuguesa (quer em femininos, quer em masculinos).

Sob a liderança dos primeiros lugares de Jéssica Vieira nos 50 e 100 livres e integrando a estafeta vencedora de 4×100 livres, e bem coadjuvada pelos segundos lugares de Laura Rodrigues nos 50 e 100 mariposa e da estafeta 4×100 estilos, as nadadoras de Belém alcançaram ainda outro top-3 nos 4×200 livres.

Para além de Jéssica e Laura, compuseram a esquadra azul as nadadoras Margarida Pimenta, Ana Pereira, Ana Rita Martins, Luana Rodrigues e Rita Costa.

Os Belenenses foram vice-campeãs da 2ª divisão com 235 pontos.

Marinha Grande, Fluvial e Braga sempre na luta

Muita da animação da 2ª divisão feminina esteve na luta pelo 2º lugar. Durante a competição, foram muitas as alterações no lugar de acesso à 1ª divisão.

O Desportivo Náutico da Marinha Grande fechou o pódio a apenas 3 pontos da subida. O FairPlay já tinha colocado a equipa marinhense no pelotão da frente, mas as jovens do DNMG tiveram um excelente fim-de-semana de superação.

Giovanna Vargas venceu os 200 mariposa, Ana Costa fez terceiro nas três provas de bruços, assim como Mónica Domingos nos 200 costas, Bruna Simões nos 100 mariposa e a estafeta 4×200 livres (Bárbara Teodósio, Giovanna Vargas, Ana Elói e Mónica Domingues).

Tendo em conta a idade média da equipa, estará aqui, certamente, uma das mais fortes candidatas à subida em 2017.

A equipa feminina do Clube Fluvial Portuense em 2013 estava a disputar a fase de qualificação da 4ª divisão. Há 3 anos que vem subindo patamares. No ano passado já militava na 2ª divisão e ficou em 9º. Este ano em 4º.

Para além da mariposista Madalena Machado que fez um 1º e dois 3ºs nas provas de mariposa, as nadadoras de águas abertas também se destacaram fora do seu “habitat natural”. Angélica André nadou bruços (100 e 200) e estilos (400) e foi 2ª nas três provas. Vânia Neves nadou 200 livres (3ª), 200 costas (1ª) e 200 estilos (4ª). Nas estafetas, as portuenses fizeram 1º lugar nos 4×200 livres e 4×100 estilos e ainda 3º nos 4×100 livres.

O Sporting Clube de Braga era apontado pelo FairPlay como a equipa favorita a vencer. E de facto, as minhotas tinham (e terão, certamente, em edições futuras) argumentos para chegar à primeira divisão. Para além da olímpica Tamila Holub, o Braga conta com nadadoras como Maria Madalena Silva e Juliana Freixo.

Nos lugares de pódio, nas provas em disputa, apenas ficou Tamila Holub (1ª nos 800 livres, 2ª nos 200 livres e 2ª nos 400 livres) e Juliana Freixo nos 50 e 100 costas.

Relegadas para a 3ª

Na parte inferior da tabela ficaram as equipas do FOCA de Felgueiras (que desce um ano após ter subido), do Fluvial Vilacondense (privado de Ana Catarina Monteiro), do Clube de Natação da Amadora (que ainda no ano passado disputou a 1ª divisão) e o Clube de Natação da Maia (de onde saíram várias nadadoras esta época, juntamente com o anterior treinador).

Recordes dos campeonatos – 2ª divisão feminina

O FairPlay fez o levantamento das melhores marcas de sempre feitas nos CNC da 2ª divisão. Convém esclarecer vários pontos:

  • O formato de nacionais em piscina olímpica disputava-se até 2003 e depois só voltou em 2014, sendo que durante 11 anos foram nadados em piscina curta;
  • A análise ficou limitada aos anos posteriores a 2002, uma vez que não estão disponibilizados resultados anteriores;
  • Em 2015 foram disputados dois campeonatos: em Abril, em Oeiras, relativo à época 2014/2015 e em Dezembro em Coimbra, respeitante à época 2015/2016.
Fonte: FairPlay

As nadadoras benfiquistas estiveram em evidência também neste parâmetro ao estabelecerem novos recordes dos campeonatos nos 200, 400 livres e 400 estilos (Diana Durães) e nos 50 e 100 bruços (Cláudia Borges).

Também o Fluvial Portuense estabeleceu um novo máximo, na estafeta de 4×100 estilos.

2ª Divisão Masculina

Nos homens, a grande luta foi para o título. Os “vizinhos” Sport Algés e Dafundo e Clube de Futebol “Os Belenenses” protagonizaram um duelo de alto nível. A vitória final sorriu aos algesinos, que tiveram um fim-de-semana memorável, com a vitória na 2ª masculina e na 1ª feminina.

Algés superior

Equipa do SAD | Foto: FPN

O Algés é um clube histórico da natação portuguesa e sempre teve equipas masculinas que marcaram gerações. A última grande equipa do Algés, que foi tetra-campeã nacional da 1ª divisão masculina, contava com nadadores como Nuno Laurentino, Pedro Silva, Hélder Lopes ou Egas Bastos.

No passado fim-de-semana escreveu-se outra página dourada da História do SAD com o regresso à 1ª divisão.

Com uma equipa em renovação, o Algés superiorizou-se à concorrência e levou o título com o total de 270 pontos.

O “capitão” Pedro Santos esteve em destaque ao vencer os 100 mariposa e os 200 estilos (esta última, pela 4ª vez consecutiva) e ao ser 3º nos 50 mariposa.

O júnior Roberto Gomes abriu a competição logo com a vitória dos 400 livres e ainda foi terceiro nos 200 mariposa, enquanto o brucista Hugo Pon fez segundo nas três provas de bruços (50, 100 e 200).

Francisco Machado fez dois segundos lugares, aos 50 e 100 livres, e os irmãos Miguel e Afonso Bate contribuíram com um segundo lugar cada um (Miguel nos 1500 e Afonso nos 200).

Os algesinos venceram a estafeta de 4×100 livres e ficaram em 2º lugar nas outras duas (4×200 livres e 4×100 estilos).

Para além dos citados, nadaram ainda Filipe Félix e Carlos Almeida.

CFB segue para a 1ª com as duas equipas

Equipa do CFB | Foto: Luís Filipe Nunes

Os homens do Restelo imitaram as senhoras, ficando também com o 2º lugar e a consequente subida.

O FairPlay indicava os azuis como a equipa que partia na pole-position, mas por apenas 5 pontos de diferença “Os Belenenses” quedaram-se pelo segundo lugar.

O clube do Restelo até teve mais primeiros lugares que o Algés (6 vs 4), por intermédio de Francisco Quintas (50 e 100 bruços), Bruno Ramos (200 livres e 200 costas) e as estafetas (4×200 livres e 4×100 estilos) mas a homogeneidade de resultados da equipa algesina ditou o resultado final.

Nuno Quintanilha encontrou um Pedro Santos e um Diogo Carvalho intransponíveis e fez 2º nas suas 3 provas (100 mariposa e 200 estilos contra Pedro Santos e 200 mariposa contra Diogo Carvalho). André Gonçalves imitou-o nos 400 livres e 400 estilos e também fez segundo lugar em ambas as provas.

Francisco Quintas fez 3º nos 200 bruços, assim como a estafeta 4×100 livres.

Completaram a equipa os nadadores Fábio Figueira e Filipe Silveira.

SCBraga no pódio, Galitos quase lá

A luta pelo pódio foi uma verdadeira luta de gerações: de um lado o Sporting Clube de Braga com dois nadadores juniores em evidência (José Paulo Lopes e Jorge Silva) e do outro os Galitos de Aveiro, liderados pelo incontornável Diogo Carvalho e que voltou a contar com o nadador menos jovem em prova: Gonçalo Pereira (37 anos).

Levou a melhor a juventude, com o Braga a pontuar 215 pontos contra os 209 dos Galitos.

José Paulo Lopes venceu os 1500 livres e ficou em 3º nos 100 e 200 costas. Jorge Silva foi o 3º dos 200 estilos.

Do lado dos Galitos de Aveiro – e como já é tradição na 2ª divisão – Diogo Carvalho venceu as três provas individuais que nadou (200 bruços, 200 mariposa e 400 estilos). João Laranjeira ficou em 2º nos 100 costas e em 3º nos 50, assim como a estafeta de 4×100 estilos.

O amargo sabor da descida

Académico de Viseu (despromovido por apenas 1 ponto), Bairro dos Anjos, Naval Amorense e Pimpões foram os infelizes contemplados com a descida à terceira divisão do próximo ano.

Recordes dos campeonatos – 2ª divisão masculina

Os únicos novos recordes dos campeonatos nacionais de clubes da 2ª divisão masculina estabelecidos na edição de 2016 vieram por intermédio do mesmo nadador: o brasileiro do FOCA, Gláuber Silva.

Foram nos 50 costas e nos 50 mariposa.

Confira o quadro total:

Fonte: FairPlay

* Tempo feito no primeiro percurso de estafetas.

 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS