Antevisão da 1ª divisão masculina

João BastosAbril 12, 201910min0

Antevisão da 1ª divisão masculina

João BastosAbril 12, 201910min0
Aí está a maior prova de clubes de natação a nível nacional, a primeira divisão do campeonato nacional de clubes. No sector masculino o Sporting tentará chegar ao 8º título consecutivo.

O Jamor acolhe nos dias 13 e 14 de Abril o Campeonato Nacional de Clubes da 1ª divisão. O Fair Play antecipa a prova e lança as suas previsões para o primeiro escalão da competição colectiva


Está aí a primeira divisão masculina e o Fair Play faz a antevisão da prova rainha por clubes da natação portuguesa. Apesar da start list ter sido divulgada, muitas alterações poderão ocorrer e os treinadores terão um papel chave no êxito das 12 equipas em competição.

Seriamos as equipas em três “secções” – luta pelo título, tranquilidade e luta pela manutenção. Esta é a antevisão Fair Play aos campeonatos nacionais de clubes da 1ª divisão masculina:

Luta pelo título

Sporting

A turma leonina irá procurar chegar ao octa e parte na pole position para chegar ao título. Mesmo considerando que os seus principais adversários se reforçaram, o Sporting é uma equipa com qualidade e versatilidade suficiente para defender a posição que ocupa há 7 anos consecutivos.

A homogeneidade da equipa comandada por Carlos Cruchinho torna difícil identificar os pontos mais fortes e os pontos mais fracos, mas previsivelmente será nas provas de fundo (considerando os 400 e 1500 metros livres) com Guilherme Pina, Rafael Gil e Tiago Costa, nas provas de costas com Alexis Santos, Francisco Santos e João Vital e nas provas de estilos com Alexis Santos, João Vital, Diogo Dantas e Pedro Pinotes que o Sporting criará os maiores fossos pontuais em relação aos seus adversários.

Nas provas de bruços poderá ser onde o Sporting perderá mais pontos para os seus rivais (nomeadamente o FC Porto).

Em relação ao ano passado, o Sporting não conta com Juan Tolosa, mas conta com Rafael Gil, um nadador com marcas muito próximas das do espanhol, e também com André Carvalho vindo do Colégio Monte Maior, um nadador que já se mostrou em boa forma nos nacionais de Coimbra.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Benfica

O clube da Luz é cada vez mais candidato de ano para ano e este ano volta mais forte do que no ano passado. Sem baixas significativas, o Benfica vê reforçar as suas fileiras com Leonardo Schilling, José Carvalho e Rodrigo Rosa, para além de ter nadadores jovens que este ano já darão um contributo mais significativo à equipa como Rafael Aires, Diogo Lebre (também reforço para este ano), João Carneiro e Ricardo Pereira.

Nas provas de sprint os comandados de Ricardo Santos são fortíssimos com nadadores como Miguel Nascimento, Luiz Pedro Pereira, Leo Schilling e Guilherme Dias, assim como nas provas de mariposa com os mesmos protagonistas, mas, em comparação com os rivais da segunda circular, prevê-se que nas provas de bruços e estilos percam alguns pontos que poderão ser decisivos.

FC Porto

Este ano com José Manuel Borges aos comandos da equipa azul e branca, os dragões apresentam fortíssimos argumentos para se baterem com os rivais da capital, sobretudo pela evolução dos nadadores “internos” como Pedro Santos, recentemente apurado para os Europeus de Juniores nos 200 e 400 metros livres, João Sousa e Gabriel Aguiar, para além da adição de Porfírio Nunes e Diogo Nunes.

Mas as grandes estrelas da companhia continuarão a ser os espanhóis Juan Francisco Segura, Jaime Plaza e o português Alexandre Amorim. Do lado das baixas contam-se os nadadores Rafael Lino, Antonyn Bonel e Alvaro Lopez.

Como já referimos, o Porto é muito forte nas provas de bruços com Alex e Plaza, mas nas provas de mariposa será mais difícil ombrear com os seus rivais.

Tranquilidade

Algés

De entre os clubes que prevemos que venham a ter um campeonato tranquilo, consideramos que Algés e Belenenses estão num sub-grupo que terá uma aguerrida disputa pelo 4º lugar.

No que diz respeito à equipa treinada por Miguel Frischknecht, praticamente não sofre alterações da época passada para esta, registando-se apenas a ausência de Roberto Gomes.

A dupla de costistas composta por Carlos Almeida e Miguel Bate pode ser preponderante no desfecho do embate com os azuis do Restelo. Nas provas de bruços a turma algesina também tem uma forte dupla (Hugo Pon e Renato Frischknecht) mas aí será muito difícil suplantar a qualidade da equipa da cruz de Cristo.

Belenenses

Os Belenenses foram 6ºs classificados na época passada, mas esta época podem aspirar a uma classificação mais acima na tabela. Isto porque vêm chegar um nadador de grande valia nas provas rápidas – Guilherme Teixeira – e têm jovens nadadores que evoluíram bastante desde a época passada como Rodrigo Cabrito, Rodrigo Dias, Rafael Jacinto e António Carvalho.

A equipa de Fernando Couto tem em bruços – com Guilherme Teixeira, Francisco Quintas e Rodrigo Cabrito – e em mariposa – com Nuno Quintanilha, Guilherme Teixeira, Bruno Ramos e Rodrigo Dias – os seus maiores trunfos, mas nas provas de fundo apresentará nadadores ainda muito jovens que terão maior dificuldade em obter classificações cimeiras.

Braga 

A equipa de Luís Cameira foi 5ª classificada no ano passado mas este ano não tem o contributo de alguns nadadores essenciais na manobra da equipa minhota da época passada, tais como Ricardo Machado e Rodrigo Albuquerque. No entanto o núcleo duro da equipa mantém-se com o protagonismo a ser assumido por José Paulo Lopes, Rafael Simões e Jorge Silva, daí que os objectivos para, pelo menos, repetir a classificação do ano passado se mantêm intactos.

Destaque na equipa do Braga para as provas de bruços, com Rafael Simões, Jorge Silva e José Melo, assim como as provas de estilos com José Paulo Lopes, Rafael Simões e Pedro Mendes.

Nas provas curtas o Braga poderá perder alguns pontos para os rivais mais directos.

Famalicão

Os sétimos classificados do ano passado vão à procura de subir na tabela. Os argumentos da equipa aos comandos de Pedro Faia são basicamente os mesmos do ano passado, no entanto não conta com Luís Vaz, um nadador que mesmo não tendo feito os seus melhores tempos, foi importante no clube famalicense na temporada passada.

O Fama apresenta um forte trio de mariposistas composto por Matheus Carvalho, João Silva e Pedro Fernandes que podem fazer a diferença em relação aos adversários. Também em costas a equipa nortenha está muito bem servida com Adriano Niz, João Tinoco e Afonso Cunha.

Os brucistas terão de lutar para não perder muitos pontos (sobretudo para o Braga e Náutico).

Náutico de Coimbra

A equipa orientada por José Marques Pereira praticamente não mexe do ano passado para este.

O líder continuará a ser Tomás Veloso, bem secundado por Mário Pereira que volta a vir nadar pelo CNAC a 1ª divisão. A melhoria da época passada para esta poderá ser esperada pela evolução de nadadores mais jovens como Lucas Bastos, que fez um excelente nacional individual e Rui Marques, sendo que Francisco Gonçalves e Tiago Dinis serão preponderantes para a classificação final do Náutico.

As provas de bruços com Tomás Veloso, Tiago Dinis e João Marques serão claramente o ponto forte do CNAC, enquanto as provas de mariposa serão mais complicadas.

Luta pela manutenção

Colégio de Monte Maior

No ano passado o CIMM salvou-se por 11 pontos e entretanto viu abandonar o clube dois nadadores que foram muito importantes no ano passado: André Carvalho e Rodrigo Rosa.

No entanto o Colégio de Monte Maior continua a ter nadadores de elevado nível como Pedro Silva, Diogo Cardoso e Diogo Costa que tentarão carregar a equipa comandada por Alexandre Dias rumo a nova manutenção.

Nas provas de costas com o jovem Diogo Costa, Diogo Rebelo, Tiago Nogueira e Tiago Trombinhas, o CIMM poderá conseguir vantagem sobre os seus adversários directos. Já nas provas curtas de livres – 50, 100 e 200 metros – as coisas poderão ser mais complicadas.

Vilacondense

De volta à primeira divisão, o clube liderado por Fábio Pereira terá uma desafiante jornada à sua frente para lá se manter. Para isso conta com a ajuda do seu treinador também dentro de água. Ele que, a par de Adriano Niz, são os únicos presentes que venceram a primeira divisão não nadando pelo Sporting.

As três equipas que subiram da 2ª divisão deverão encontrar muitas dificuldades para se manterem no escalão primodivisionário. E esta circunstância deve-se ao facto de a primeira divisão exigir um plantel com maior mais opções que a segunda.

O campeão nacional da segunda divisão da época transacta tem nadadores de grande nível como Filipe Ramos, Rúben Morim e David Lima mas perdeu Porfírio Nunes e Diogo Ramos, dois nadadores importantes na ascenção.

As provas de bruços com Filipe Ramos e Diogo Fangueiro prometem garantir muitos pontos para a equipa de Vila do Conde, que nas provas de estilos terá de minimizar danos.

Leixões

Paulo Nascimento estreia-se aos comandos do Leixões na primeira divisão com a difícil tarefa de manter a equipa leixonense no convívio com os grandes.

Sem Diego Saez-Illobre a tarefa será mais complicada, mas a equipa nortenha conta com nomes como Sergio Arroyo, André Santos, Sérgio Travanca e Dário Santos que procurarão dar conta do recado.

As provas de estilos com Sergio Arroyo e Diogo Ribeiro oferecem garantias à equipa leixonense. Já os costistas terão de se superar.

Fluvial Portuense

A equipa de Rui Borges chega à primeira divisão desfalcada de muitos dos nadadores que ajudaram a equipa a ser segunda classificada da segunda divisão em 2017, tais como Diogo Nunes, Gonçalo Paquete, Rui Vilar, Ivan Amorim e Sérgio Travanca. O nadador de maior estatuto da equipa portuense é José Sampaio. Terão o protagonismo muitos nadadores juvenis.

Por isso, a tarefa de assegurar a manutenção adivinha-se espinhosa, mas o CFP vai à luta, contando amealhar muitos pontos nas provas de mariposa onde terá a nadar José Sampaio, Sérgio Dias e David Borges. Já as provas menos ao jeito do Fluvial serão as de fundo (400 e 1500 metros livres).

Prognóstico Fair Play

  1. Sporting
  2. Benfica
  3. Porto
  4. Algés
  5. Belenenses
  6. Braga
  7. Famalicão
  8. Náutico Académico
  9. Colégio de Monte Maior
  10. Vilacondense
  11. Leixões
  12. Fluvial Portuense

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter