MotoGP: Highlights dos GPs do Qatar e da Argentina

João DuarteAbril 3, 20193min0

MotoGP: Highlights dos GPs do Qatar e da Argentina

João DuarteAbril 3, 20193min0
Depois dos testes oficiais as primeiras etapas do MotoGP deram lugar aos circuitos vazios e ao silêncio. No Qatar e na Argentina os circuitos encheram-se de apoiantes e fizeram-se ouvir os motores das máquinas guiadas pelos pilotos que as dominam.

GP do Qatar

Aquela que foi a etapa inaugural do campeonato mundial de motovelocidade realizou-se no Circuito Internacional de Losail, no Qatar, de 7 a 10 de Março.

Na primeira sessão de treinos livres o destaque foi para Valentino Rossi, que conseguiu o melhor tempo na abertura deste GP, deixando o Maverick Viñales, o segundo melhor, a quase meio segundo de distância.

Na segunda sessão o pentacampeão de motogp, Marc Marquez, realizou o tempo mais baixo das quatro sessões de treinos livres, dando indicações de estar pronto para a primeira corrida da época.

Na qualificação foi Maverick Vinãles a estabelecer o melhor tempo e a conquistar a pole position, com Andrea Dovizioso a ser o segundo e Marquez a não conseguir repetir o tempo dos treinos livres e a ser o terceiro.

A primeira corrida da época estava carregada de nervosismo, ansiedade, incerteza quanto às melhores motas e condição física dos pilotos, apesar das indicações que tínhamos dos testes oficiais, e ainda a vontade dos pilotos de demonstrarem o trabalho que tinham desenvolvido ao longo da pré-época.

Foi assim uma corrida muito competitiva, renhida e com muitas reviravoltas. Se à partida podíamos pensar que as Suzukis não estariam à altura das Hondas, Yamahas e Ducatis, esse pensamento ficou logo invalidado, com Alex Rins a juntar-se à disputa da liderança.

No final o mais forte foi Andrea Dovizioso, não deixando que Marc Marquez lhe retirasse a vitória na última curva da corrida. Cal Crutchlow conseguiu terminar em terceiro e fechar o pódio, relegando Alex Rins para a quarta posição e Valentino Rossi para a quinta.

No que diz respeito a Miguel Oliveira, qualificou-se na 17ª posição, mas por ter deixado a mota ir abaixo na volta de aquecimento começou em último. Protagonizou uma recuperação incrível, tendo estado em 13º lugar durante a prova, mas devido ao desgaste dos pneus não conseguiu ir além do 17º lugar no final, terminando fora dos pontos.

GP da Argentina

Esta segunda etapa do MotoGP teve lugar no Circuito das Termas do Río Hondo, na Argentina, entre os dias 29 e 31 de Março.

Se na primeira etapa Miguel Oliveira não tinha conseguido chegar aos pontos, nesta segunda esse seria o seu principal objectivo, objectivo esse estabelecido desde o início da época.

Os treinos livres foram dominados pelos suspeitos do costume, Marc Marquez e Andrea Dovizioso, com o melhor tempo das quatro sessões a pertencer ao espanhol. Jack Miller e Cal Crutchlow conseguiram intrometer-se e foram mesmo o segundo e terceiro melhor tempo dos treinos livres.

Na qualificação Marquez fez a volta mais rápida do fim-de-semana e garantiu a pole position, com Maverick Viñales e Andrea Dovizioso a fecharem a primeira linha da grelha de partida a menos de 2 décimas da pole.

Já a corrida foi completamente dominada por Marc Marquez que ganhou vantagem sobre os restantes pilotos até ao último quinto da mesma e depois geriu-a apenas para terminar à vontade em primeiro.

Mais para trás a luta pelo segundo e terceiro lugares era mais intensa, com Valentino Rossi a usar a experiência para garantir a segunda posição. Andrea Dovizioso fechou o pódio logo atrás.

Para Miguel Oliveira foi um fim-de-semana excepcional depois da primeira etapa onde não conseguiu pontuar. Saiu da 14ª posição da grelha e conseguiu ascender ao 13º lugar ao longo das primeiras voltas, mas a sorte estava à espreita e um choque de Franco Morbidelli e Maverick Viñales na última volta deram-lhe a 11ª posição e os primeiros 5 pontos do português na categoria máxima do MotoGP.

Miguel Oliveira (Foto: Renascença)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter