Grande Prémio da Austrália: mais uma para Marquez.

João DuarteOutubro 31, 20194min0

Grande Prémio da Austrália: mais uma para Marquez.

João DuarteOutubro 31, 20194min0

A 17ª e antepenúltima etapa do mundial de motovelocidades de 2019, o Grande Prémio da Austrália, realizou-se de 25 a 27 de Outubro, no cicuito Phillip Island.

Com o título de campeão conquistado por Marc Marquez, o título de rookie do ano ganho por Fabio Quartararo e o prémio de construtores entregue à Honda, mantinham-se em aberto a luta pelo piloto e equipa, de entre as equipas independentes, do ano.

Num fim-de-semana onde as condições não estiveram propriamente favoráveis, com rajadas de vento a empurrar pilotos para fora de pista, um início de etapa com piso molhado e muita humidade, foram muitos os pilotos que não realizaram sessões de treinos livres, que não alinharam para a corrida e outros que não a terminaram.

Na primeira sessão livre e com o piso molhado, todos os pilotos saíram para pista e Maverick Viñales foi quem se destacou ao realizar o melhor tempo.

Na segunda sessão, esta já com pista seca e boas condições, Maverick Viñales voltou a ser o mais rápido em pista e a estabelecer o melhor tempo das sessões de treinos livres com quase meio segundo de vantagem para Andrea Dovizioso, o segundo melhor.

Foi feita uma sessão de testes dos pneus antes das duas últimas sessões livres, onde os pilotos puderam experimentar e preparar os pneus de corrida, onde Marc Marquez se apresentou em força e realizou o melhor tempo da sessão.

A terceira e quarta sessões de treinos foram marcadas pelo forte vento que se fez sentir, com apenas 12 pilotos a realizaram voltas para tempo na terceira sessão e sem melhorias de tempos em relação à segunda sessão livre.

Na qualificação, Fabio Quartararo e Andrea Ianone foram os dois pilotos mais rápidos, passando para a qualificação 2, a sessão dos pilotos com os tempos mais rápidos e que determinam os 12 primeiros lugares da grelha de partida.

A pole position acabou por ser conquistada por Maverick Viñales a mais de meio segundo de Fabio Quartararo, o segundo da grelha, e a mais de 7 décimas de Marc Marquez, o último da primeira linha da grelha de partida.

Na corrida, Valentino Rossi teve o melhor arranque da grelha de partida, assumindo a liderança nas 3 primeiras voltas.

Com uma corrida muito equilibrada e disputada, na 4ª volta foi a vez de Cal Crutchlow passar a linha de meta na liderança e que se iria manter até à 10 volta.

À 10ª volta foi a vez de Maverick Viñales tomar a dianteira e marcar o ritmo. Foi-se distanciando do resto dos pilotos, levando consigo apenas Marc Marquez, o único com capacidade para acompanhá-lo.

Viñales esforçou-se em tentar descolar-se de Marquez, mas este manteve-se perto do homem da Yamaha à espera de um erro ou do desgaste que o ritmo de Viñales ia provocando na sua mota.

Na última volta e quando já se esperava o ataque por parte de Marquez, este ultrapassou Viñales, que por infortúnio acabou por sofrer uma queda e não terminou a corrida, deitando por terra todo o trabalho até ali realizado.

Marquez venceu mais uma corrida de MotoGP, mostrando que apesar de já consagrado campeão, não alterou a sua estratégia e que se algum adversário quiser vencer alguma corrida, terá certamente luta por parte desde.

Em segundo e tirando partido da queda de Viñales, ficou Cal Crutchlow que ainda se conseguiu distanciar dos restantes pilotos.

Em terceiro terminou Jack Miller, numa luta até ao fim pelo lugar do pódio com Francesco Bagnaia.

Miguel Oliveira

Miguel Oliveira que na primeira sessão de treinos livres até foi o 10º melhor tempo, mostrando-nos mais uma vez que é dos pilotos que melhor se adapta a condições de pista molhada, acabou por sair de pista devido a uma rajada de vento na quarta sessão de treinos livres e sofreu uma queda a cerca de 300km/h, ficando com algumas mazelas físicas, que apesar de não serem graves, o afastaram da qualificação e da corrida.

Capacete de Oliveira após queda. (Foto: Jornal de Notícias)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter