17ª etapa de MotoGP – GP da Austrália 2018

João DuarteOutubro 30, 20183min0

17ª etapa de MotoGP – GP da Austrália 2018

João DuarteOutubro 30, 20183min0
A 17ª etapa de MotoGP realizou-se de 26 a 28 de Outubro no circuito de Phillip Island, na Austrália. Com o título de MotoGP já entregue a Marc Marquez, o vencedor da etapa foi Maverick Viñales. Em Moto2 a luta pelo título ficou-se pelos 11º em 12º lugares, com o vencedor a ser Brad Binder. E em Moto3 o vencedor foi Albert Arenas, com Jorge Martin a aproveitar para se distanciar de Marco Bezzechi.

Mais uma prova de Moto GP, agora na Austrália onde se deram algumas surpresas! Infelizmente, Miguel Oliveira não foi uma delas mas na categoria principal houve novidade com Marc Marquez a deixar o 1º lugar a escapar-se para outro espanhol!

Moto3

Em moto3 Aron Canet foi o mais rápido das sessões de treinos livres, tendo estabelecido o seu tempo na segunda sessão, onde aproveitou as condições de pista seca, uma vez que a terceira sessão foi feita com piso molhado e não foi possível melhorar os tempos.

Na sessão de qualificação o mais rápido foi Jorge Martin, o líder da categoria à partida para esta etapa, conquistando assim a pole position e a possibilidade de se distanciar dos seus rivais.

A corrida, como já é habitual, foi bastante disputada, com vários pilotos a passarem pela frente da corrida e com a mesma a ser marcada por várias quedas, entre as quais a de Marco Bezzechi, que desperdiçou uma oportunidade para passar para a frente do campeonato.

O vencedor foi Albert Arenas da Angel Nieto Team Moto3, com Fabio di Giannantonio a terminar em segundo e Celestino Vietti a fechar o pódio.

Na luta pelo título, Jorge Martin, apesar de ter terminado a corrida em 5º, conseguiu aumentar a vantagem da liderança sobre Marco Bezzechi para 12 pontos. Já Fabio di Giannantonio entrou de novo na luta do campeonato, encurtando a vantagem do espanhol para 20 pontos.

Moto2

Em moto2 a luta pelo título continua também em aberto, apesar da diferença pontual ser superior que em moto3.

O colega de equipa de Miguel Oliveira, o sul africano Brad Binder, continua em clara ascensão e mostrou-o logo nas sessões de treinos livres com a realização do melhor tempo das 3 sessões.

Na qualificação o protagonista foi Mattia Pasini que conquistou a pole position e deixou os adversários a mais de 2 décimas. Miguel Oliveira tinha feito apenas o 20º melhor tempo e Francesco Bagnaia o 16º, uma surpresa para todos e que abria todas as possibilidades para a corrida de domingo.

Na corrida tanto um como outro fizeram uma prestação de recuperação, com o português obrigado a fazer melhor que o italiano e com este último a ter apenas de gerir a sua corrida em função de Oliveira, perdendo o menor número de pontos possível.

O vencedor da corrida acabou por ser Brad Binder, numa luta pela vitória com Joan Mir que terminou apenas na linha de meta. Oliveira acabou em 11º e Bagnaia em 12º, tendo o português recuperado apenas 1 ponto, o que o deixa a 36 pontos do italiano e com a vida para o título dificultada.

MotoGP

Com o título de MotoGP já atrubuído, as equipas aproveitam para fazer algumas experiências e testes para a próxima temporada. Mas há disputas que ainda continuam bastante intensas, nomeadamente as de equipas independentes.

Das quatro sessões de treinos livres, o piloto mais rápido foi Andrea Iannone que conseguiu realizar a sua melhor marca na segunda sessão. Na qualificação Marc Marquez, apesar de já coroado como vencedor deste ano, não quis dar hipóteses aos adversários e conquistou mais uma pole position.

Já na corrida acabaria por ter mais azar e não terminar a corrida, realizando apenas 4 voltas da mesma. O vencedor acabou por ser Maverick Viñales, que conquistou assim o seu primeiro grande prémio da época.

Em segundo terminou Iannone e em terceiro Andrea Dovizioso.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter