March Madness 2019: A “febre” voltou e tem calor português

Tiago MagalhãesMarço 18, 20197min0

March Madness 2019: A “febre” voltou e tem calor português

Tiago MagalhãesMarço 18, 20197min0
O melhor mês do ano para os aficionados do basquetebol universitário norte americano esta de volta com o March Madness, neste caso 2019. Apôs a “Selection Sunday” Já temos perfiladas as 68 equipas (64 com entrada direta e mais 4 que irão lutar nos confrontos no “First Four” com vista as duas vagas finais do bracket).

O bracket é dividido em 4 regiões distintas, com 16 equipas em cada região, escolhidas por um comité com base em varias categorias como as vitorias de cada universidade, contra quem foram essas vitorias, a forca do seu calendário e os matchups entre essas faculdades.

 

Os jogos a sério iniciam-se em Dayton, Ohio nos dias 19 e 20 Março com o “First Four” sendo que a competição já dentro do bracket do March Madness tem inicio nos dia 21, 22 e 23 de Março. Num sistema de “perde é eliminado” a competição vai-se desenvolvendo em todas as regiões, com o culminar na Final 4, que este ano será disputada em Minneapolis, de 6 a 8 de Abril.

 

Vamos agora a todas as regiões e as equipas de maior interesse ate ao momento nos jogos que realizaram durante a fase regular e no torneio de conferencia:

 

Região SUL

Região Sul com destaque para Virginia

 

Os VIRGINIA CAVALIERS foi a maior desilusão do torneio o ano passado com a primeira eliminação de sempre de um #1 seed na primeira ronda de competição, porem este ano os orientados de Bennett não deverão cair tão cedo. Um conjunto bastante experiente com um backourt com jogadores extremamente sólidos, faz deste conjunto um dos a evitar nas fases mais avançadas.

TENNESSEE VOLUNTEERS tem em Grant Williams a grande referencia deste conjunto que tem vindo a dar que falar recentemente com os seus bons resultados e com nomes a aparecer como Schofield no seu backourt. São um dos conjuntos mais atléticos da NCAA este ano e uma maquina de fazer pontos difícil de parar.

Nesta conferencia temos tambem a faculdade do primeiro portugues a qualificar-se para o March Madness deste ano, com Francisco Amiel e a Colgate University a ter um confronto extremamente complicado frente aos Volunteers.

 

Região ESTE

Zion Williamson e Duke são os alvos a abater

 

DUKE BLUE DEVILS de Zion Williamson, RJ Barrett e Cam Reddish. So estes três nomes são mais que suficientes para este conjunto de Duke ser o alvo a abater este ano certo? Juntamos a isto a experiência de Coach K e uma equipa com capacidade de lançamento exterior acima da media e temos os ingredientes para um candidato a final4.

MICHIGAN STATE SPARTANS com um Tom Izzo que não esperava que a equipa deste ano fosse tão forte como a de anos anteriores mas a liderança do base Winston acabou por fazer toda a diferença para uma fase regular extremamente solida por parte dos Spartans finalizado com o titulo de conferencia. Ward e Langford estão a realizar temporadas muito interessantes, equilibrando bem o jogo interior e exterior deste conjunto.

LSU TIGERS, a equipa de Louisiana volta aos holofotes da competição sendo que a ultima vez que tomamos atenção a esta equipa aqui ainda estava Ben Simmons, e estes nem no March Madness entraram. São um dos conjuntos mais sólidos e a ter em conta, com um dos rosters mais profundos da competição este ano.

 

Região OESTE

Hachimura e Clarke tornam Gonzaga uma “powerhouse”

 

GONZAGA BULLDOGS – O conjunto de Mark Few continua a ser dos mais regulares de sempre na competição, numa conferencia que na verdade não é das mais fortes, conseguem vencer com relativa facilidade o seu torneio e durante a fase regular ter bons resultados frente a outras equipas de topo. Destaques para o japonês Rui Hachimura, o atlético Brandon Clarke e o francês Kim Tillie.

MICHIGAN WOLVEVERINES foram “beneficiados” pelo comité, e acabaram com o #2 da sua região apesar de terem perdido na final da conferencias frente aos rivais dos Michigan State. São uma equipa muito homogénea com a experiência de um jogador como Jordan Poole que ficou no “spotlight” por esta altura o ano passado.

MARQUETTE GOLDEN EAGLES – Marcus Howard, este é o melhor jogador do ano de quem provavelmente nunca ouviram falar. O electrico base teve performances fantásticas esta temporada tornando-o um dos melhores marcadores da competição. Apesar de ser uma universidade considerada “one man show”, possuem uma dupla de irmãos nos Hauser, muito interessante.

Os Bulldogs tem aqui uma enorme oportunidade de retornar a final4 numa regiao sem equipas extremamente dominantes mas com nomes como Nevada e Texas Tech que podem ser equipas complicadas.

 

Região CENTRO OESTE

Coby White e os Tar Heels querem voltar a Final4

 

O destaque aqui tem de ser dado aos Aggies de Utah State com Neemais Queta, o português sensação que esta nas bocas do mundo depois das brilhantes performances no seu primeiro ano na NCAA que o estão a por no radar dos olheiros da NBA. Não esquecer a presença do poveiro Diogo Brito que no papel de sexto homem tem trazido enorme consistência a partir do banco, numa dupla inédita para o nosso pais nesta competição.

NORTH CAROLINA TAR HEELS – Luke Maye é o típico jogo de North Carolina que ninguém gosta de enfrentar. Muito solido fisicamente, capaz de finalizar perto e longe de cesto este é provavelmente o Naishmith Player of the Year. A juntar a este jogador, Roy Williams possui jogadores interessantes como Coby White, Nassir Little e o atirador Johnson.

KENTUCKY WILDCATS – O recrutador John Calippari nao possui um conjunto com uma estrela demarcada como em anos anteriores em que conseguiu meter os seus atletas nas primeiras posições do Draft. Esta e uma equipa muito mais nivelada em talento e onde Washington, Tyler Herro e Keldon Johnson dividem o protagonismo, na ausência de Quade Green.

HOUSTON COUGARS – Esta é uma universidade de quem não ouvimos falar normalmente a rondar o top 10 da competição mas os Cougars com um conjunto com vários jogadores de terceiro e quarto ano, são uma das equipas mais solidas este ano com destaque para o “veterano” Carl Davis Jr. Acabaram por ter um dos melhores recordes da competição com vários matchups interessantes.

 KANSAS JAYHAWKS de Bill Self serão sempre uma equipa a ter em atenção, mesmo que acabem a fase regular com um recorde abaixo do normal. Esta é uma universidade com grandes pergaminhos na historia da NCAA e que este ano conta com um 5 inicial muito nivelado com destaques para os veteranos Dedrick Lawson, Lagerald Vick e o interior Azubuike.

 

O March Madness é famosamente conhecido pelo facto de existirem competições online (algumas delas com prize money na casa do 1 milhão de dólares) para quem acertar todo o percurso das equipas durante toda a competição num bracket. Aqui fica o bracket deste ano, e vemo-nos no “One Shinning Moment”!!

 

O bracket, para 1 milhão de dólares

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter