Fim de semana de decisões na Taça de Portugal de hóquei em patins

José NevesJunho 15, 201812min0

Fim de semana de decisões na Taça de Portugal de hóquei em patins

José NevesJunho 15, 201812min0
Depois do campeonato que terminou no passado sábado, eis que chega a decisão na Taça de Portugal. FC Porto, SC Tomar, AD Valongo e Riba d'Ave HC entram em campo este fim de semana com o troféu em mira.

Com o campeonato nacional da I Divisão a chegar ao seu final no passado sábado, as atenções do hóquei em patins português viram-se agora para as importantes decisões na II Divisão e na Taça de Portugal. No dia 23 deste mês, AD Oeiras e AD Sanjoanense entram em campo para os derradeiros 50 minutos da temporada no segundo escalão, num jogo que irá apurar a equipa que irá fechar o elenco da I Divisão na próxima temporada. Mas antes, já neste próximo fim de semana, FC Porto, AD Valongo, SC Tomar e Riba d’Ave HC, disputam a final-4 da Taça de Portugal.

O Pavilhão Municipal Cidade de Tomar será o palco dos 3 jogos que irão decidir qual o vencedor da 45ª edição da prova rainha do hóquei em patins português. Pela 5ª vez nas últimas 7 épocas um conjunto do segundo escalão chega a esta fase decisiva da competição, depois de HC Turquel em 2011-12, AD Sanjoanense em 2012-13, S Alenquer e Benfica em 2013-14, e AE Física D na temporada passada, desta vez é a turma do Riba d’Ave o representante da segunda divisão, clube que 20 anos depois volta a esta fase da taça.

A 45ª edição da Taça de Portugal será pela primeira vez decidida na cidade de Tomar, e conta com duas formações que procuram a sua primeira final da história. História essa que é dominada por dois conjuntos, FC Porto e SL Benfica venceram 31 das 44 edições da Taça já disputadas, com os dragões a colecionar 16 troféus e os encarnados 15, para além deles, OC Barcelos e Sporting CP venceram a prova por 4 ocasiões, UD Oliveirense por 3, e com uma conquista no historial aparecem HA Cambra e os moçambicanos do CD Malhangalene, no já longínquo ano de 1964.

Mas voltando a 2018, o Riba d’Ave, que está a meio de uma eliminatória frente à equipa b do SL Benfica com o título de campeão da II Divisão em disputa, para chegar a esta final-4 bateu três formações do seu campeonato, a II Divisão Zona Norte, e duas equipas primodivisionárias com destaque para a goleada ao HC Turquel por 6-1, uma goleada que haveria de custar o lugar de Jorge Godinho no comando técnico da equipa de Alcobaça. Para além de Turquel também o Valença caiu no reduto do Riba d’Ave, este com um resultado de 5-4 num jogo que apenas foi decidido com tempo extra.

Olhando para o trajecto da equipa minhota, a primeira vítima foi a AD “Os Limianos” na 2ª eliminatória, primeira com equipas da 2ª Divisão, o derbi minhoto terminou com uma escassa vitória do Riba d’Ave no terreno dos Limianos por 6-5 num jogo pautado pelo equilíbrio. Equilibrado também foi o jogo da eliminatória seguinte em casa do HA Cambra, numa partida em que a equipa da casa vencia por 1-0 a 9 minutos do final, mas que haveria de ver o treinador-jogador dos minhotos Hugo Azevedo a assumir o papel de herói, marcando por 2 ocasiões, o segundo já no prolongamento.

Nos 16-avos de final, a primeira ronda que contou com formações da 1ª Divisão, o Riba d’Ave recebeu o Turquel obtendo o resultado mais dilatado da sua travessia até chegar à final-4, um jogo dominado pela equipa da casa praticamente desde o seu início, frente a um Turquel incaracterístico e apático que apenas marcou a cerca de 2 minutos do fim, numa altura em que já perdia por impensáveis 6-0. Destaque nesta partida para Bruno Pinto que com marcou metade dos tentos da sua equipa, com um hat-trick marcado em remates da marca de penalti.

Avançando para os oitavos os minhotos visitavam a equipa sensação da 2ª Divisão Zona Norte, a Académica de Coimbra, que ainda estava na luta por um lugar de acesso à primeira divisão. Ainda assim a formação dos estudantes foi incapaz de deixar pelo caminho os líderes da sua divisão que sairia vitorioso por 5-2, com 3 golos marcados nos derradeiros 3 minutos da partida.

Por fim o Riba d’Ave recebeu o Valença nos quartos de final em mais um derbi minhoto, e com nova passagem adquirida no prolongamento. Apesar da equipa da casa ter partido para os últimos 3 minutos da partida em vantagem por 4-2, permitiu à formação valenciana chegar ao empate e forçar o prolongamento onde, à entrada do último minuto e já com o desempate por penaltis à vista, Bruno Pinto desempatou a partida e carimbou o passaporte do Riba d’Ave para a final-4 da prova.

Marcando presença na segunda final-4 da sua história, o Riba d’Ave tenta agora melhorar o registo e chegar pela primeira vez à final, mas pela frente terá uma missão hercúlea. O adversário neste sábado é o FC Porto, vencedor da prova nas últimas duas temporadas e recordista de títulos com 16 conquistas.

Hugo Azevedo leva 11 golos nesta edição da Taça (Foto: Arquivo Pessoal)

Para chegar a nova final-4, a sua terceira consecutiva, os dragões bateram todos os outros principais candidatos à conquista da Taça. Começando numa vitória caseira diante da UD Oliveirense por 4-3, numa partida que teve indecisão no resultado até final muito por culpa de Xavier Puigbi, o guardião oliveirense que travou 3 livres directos de Hélder Nunes, mas que apesar disso foi insuficiente para garantir a passagem è equipa, então ainda treinada por Tó Neves.

Nos oitavos seguiu-se uma viagem ao Pavilhão João Rocha para um emotivo embate frente ao Sporting CP que só ficou decidido no desempate por penaltis. Com um final de jogo regulamentar e de prolongamento de loucos e impróprio para cardíacos, a decisão nos penaltis foi favorável aos azuis e brancos, com Gonçalo Alves, Hélder Nunes e Reinaldo Garcia a conseguirem bater o guarda-redes leonino Ângelo Girão, e Carles Grau a ser decisivo na sua baliza parando os três remates de jogadores verde e brancos.

Para a ante-câmera da final-4 estava agendado novo embate grande, desta vez de volta ao Dragão Caixa, frente ao SL Benfica. Um encontro que seria uma reedição dos quartos de final da Liga Europeia, que na semana anterior ao embate para a Taça tinha sido decidido pelos dragões com uma estrondosa goleada por 9-2. No mesmo palco, com os mesmos protagonistas, mas a contar para uma prova diferente, a expectativa era de que o jogo fosse de maior equilíbrio , algo que se verificou, apesar do claro domínio portista que mais uma vez levou de vencida as águias de uma competição a eliminar, desta vez com um resultado de 5-2.

O FC Porto chega a esta final-4 com o estatuto de claro favorito a vencer a competição pela 3ª época consecutiva, algo que não acontece desde que o Benfica venceu a prova entre 1999-2000 e 2001-2002. Tendo deixado pelo caminho os restantes três conjuntos com maior favoritismo à vitória da Taça, uma possível conquista do Porto virá repleta de mérito pelo trajecto até agora realizado pelos dragões. Nas meias o adversário será o Riba d’Ave, que já garantiu o seu regresso ao primeiro escalão do hóquei em patins nacional, e cuja presença nesta final-4 já é vista como uma vitória para a turma minhota.

Hélder Nunes pode levantar a taça pelo 3º ano consecutivo (Foto: Catarina Maria)

Na segunda meia-final encontram-se a AD Valongo e a equipa da casa, o SC Tomar. O conjunto nabantino realizou uma temporada soberba a todos os níveis, com o 8º lugar final no campeonato, tendo lutado pelo 6º até à última jornada, chegando aos quartos de final da Taça CERS onde apenas caiu aos pés da equipa que haveria de vencer a prova europeia, o CE Lleida, e com repetição da presença na final-4 da Taça de Portugal, sendo que na temporada passada chegou mesmo à final da prova.

A caminhada do Tomar até esta fase começou com o mesmo adversário da temporada passada, os leões de Tomar voltaram a ser o carrasco do Infante Sagres nos 16-avos de final da prova, avançando para os oitavos com uma vitória caseira por inequívocos 5-1.

Nos oitavos o Tomar voltou a jogar diante do seu público, no palco que agora se prepara para receber a final-4 da prova, em um de apenas dois jogos desta eliminatória entre equipas da 1ª Divisão, tendo o outro sido o já referido Sporting vs Porto. O adversário do Tomar foi o OC Barcelos, e a partida terminou com um 4-3 final favorável aos ribatejanos, tendo a equipa da casa inaugurado o marcador logo nos segundos iniciais da partida mas, e apesar de nunca ter estado em posição de desvantagem, apenas venceu o jogo nos derradeiros 60 segundos, quando João Sardo desfez o empate a 3 bolas que se verificava até então.

Nos quartos de final veio o adversário teoricamente mais acessível e o resultado mais dilatado para a turma de Nuno Domingues. Frente ao HC Maia do 3º escalão, o SC Tomar goleou por expressivos 7-2, em partida que já vencia por uma margem considerável de 3 golos aos 10 minutos de jogo. Apesar da tentativa do Maia de voltar a surpreender, desta feita frente a uma equipa da 1ª Divisão, depois de deixar pelo caminho a AD Oeiras da 2ª Divisão, a diferença de ritmo foi uma constante ao longo de grande parte do jogo e o resultado demonstra-o.

Capitão Ivo Silva espera levar Tomar a nova final (Foto: HóqueiPT)

Em nova final-4, desta vez disputada no seu pavilhão, a expectativa é de nova presença na final para o conjunto ribatejano, mas o adversário nas meias finais não é de todo fácil.

A equipa do Valongo chega a esta fase da competição sem ter ainda defrontado equipas do primeiro escalão, e tendo por isso averbado 3 vitórias da condição de visitante nas eliminatórias anteriores.

Nos 16-avos a equipa liderada por Miguel Viterbo deslocou-se à cidade do Estoril para defrontar a Juventude Salesiana, naquele que foi o melhor resultado da equipa do Valongo na prova. Vitória esclarecedora por 9-3 numa partida em que a equipa da casa chegou mesmo a estar a vencer por 3-2, mas foi incapaz de travar a resposta valonguense que se fez sentir a partir do meio do primeiro tempo.

Nos oitavos de final nova deslocação, esta bem mais curta ao terreno do CRPF Lavra, líder da 3ª Divisão Série A, que entretanto já garantiu a subida ao segundo escalão do hóquei em patins nacional. Neste jogo a equipa do Lavra deu boa conta de si, apesar de ter estado sempre atrás no marcador. O resultado foi de 4-2 para o Valongo, que evitou uma grande surpresa muito graças a Leonardo Pais, o guarda-redes do Valongo travou 2 livres directos nos últimos 10 minutos de jogo que poderiam ter levado o jogo para prolongamento.

Nos quartos de final o adversário voltou a ser do segundo escalão, mas desta vez a tarefa não se adivinhava nada fácil já que pela frente estava o SC Marinhense, equipa da 2ª Divisão Zona Sul que lutava por um lugar no primeiro escalão, que acabaria mesmo por alcançar. Apesar da excelente réplica oferecida pelos Leões da Embra na primeira metade, tendo levado o jogo para intervalo empatado a uma bola, as situações de bola parada acabariam por ditar a vitória forasteira, com o segundo e o terceiro golos valonguenses a surgirem de penalti e livre directo. Nos segundo finais o Valongo acabaria por fazer o 4-1 final que confirmava a presença dos valonguenses na final-4, fase onde já não chegava desde 2013.

Uma segunda meia-final que promete ser equilibrada e promete fazer história, independentemente de qual das equipas saía vitoriosa. De um lado estará uma equipa do Tomar que pela primeira vez recebe a decisão da prova e que procura a sua 2ª final da sua história, e a 2ª consecutiva. Do outro estará um Valongo que apesar de já ter no seu palmares um título de campeão nacional, nunca chegou ao jogo decisivo da Taça de Portugal, e parte à procura da sua primeira final.

Leonardo Pais é uma das figuras do Valongo na Taça (Foto: HC Turquel)

O hóquei em patins ao mais alto nível despede-se de 2017-18 com um fim de semana de decisões, e com 3 jogos de grande qualidade. Com apenas um dos quatro conjuntos em prova a contar com vitórias na competição, irá a cidade de Tomar assistir ao coroar de um novo vencedor da Taça, ou irá o FC Porto aumentar o seu número de vitórias para 17?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter