Antevisão do campeonato nacional da primeira divisão. Parte 2

José NevesOutubro 10, 201920min0

Antevisão do campeonato nacional da primeira divisão. Parte 2

José NevesOutubro 10, 201920min0
No próximo fim de semana inicia-se o campeonato nacional da primeira divisão de hóquei em patins, e tal como sucedeu nas épocas anteriores, o Fair Play antevê a competição, e os 14 emblemas que a irão disputar.

Depois da primeira parte onde deitámos um olhar a 7 das 14 equipas que compõem o elenco da 80ª edição do campeonato nacional da primeira divisão de hóquei em patins (pode ver essa primeira parte aqui), regressamos dos balneários para a segunda parte desta antevisão ao “melhor campeonato do Mundo”

Clube Desportivo Paço de Arcos

2018/19: 7º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 68 (9ª consecutiva)
Melhor Classificação: 1º lugar (8 vezes)
Treinador: Luís Duarte
Jogador-Chave: Rafael Lourenço

O histórico Paço de Arcos passou em 2018/19 por uma época de altos e baixos, com algumas lesões graves, e tendo passado grande parte da época próximo, ou mesmo abaixo da linha de água, a equipa da linha pareceu em alguns momentos condenada à despromoção. Mas alguns resultados surpreendentes como foram as duas vitórias frente ao Sporting, e uma grande capacidade de superação, levaram o Paço de Arcos a suplantar as adversidades e a alcançar a melhor classificação desde 2012/13.

Em 2019/20 o Paço de Arcos volta, à semelhança do que tem acontecido em épocas recentes, a apostar na juventude, com a chegada de mais um jogador que trabalhou com o técnico Luís Duarte no período em que este foi seleccionador nacional de sub20. Pedro Batista, avançado formado no HC Turquel que na temporada passada representou o clube da “Aldeia do Hóquei” por empréstimo do Benfica, volta a ser cedido pelos encarnados mas desta vez ao Paço de Arcos, sendo a única cara nova no plantel principal do Paço de Arcos.

Uma equipa que viu partir o jogador que mais se destacou na época transacta, Tomás Moreira, que marcou 31 golos ao longo das 26 jornadas que compuseram o campeonato de 2018/19, e que por motivos académicos se viu forçado a abandonar o histórico clube da linha e viajar para França, onde vai conciliar os estudos com o hóquei ao serviço do Noisy le Grand.

Com esta baixa importante, à qual se junta a de um dos mais experientes elementos da equipa na temporada passada, Paulo Jesus, Rafael Lourenço será um dos jogadores que terá a tarefa de liderar a equipa em pista na temporada que agora se inicia.

Um jovem avançado que, juntamente com Moreira, foi um dos destaques do Paço de Arcos em 2018/19, tendo apontado 19 golos no campeonato, deverá esta época aumentar esse número e tornar-se na grande arma ofensiva de Luís Duarte para atacar a manutenção.

O Paço de Arcos parte para a nova temporada novamente com o objectivo da manutenção, com jovens valores do hóquei português no ataque, e com elementos mais experientes no equilíbrio defensivo da equipa, como são os casos de Pedro Vaz ou Diogo Silva, o Paço de Arcos pode ter aqui a receita para mais uma vez chegar ao seu objectivo e alcançar a 10ª temporada consecutiva entre a elite do hóquei nacional.

Rafael Lourenço será um dos destaques do Paço de Arcos em 2019/20 (Foto: CD Paço de Arcos)

Hóquei Clube de Braga

2018/19: 6º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 12 (3ª consecutiva)
Melhor Classificação: 5º lugar (2010/11)
Treinador: Rui Neto
Jogador-Chave: Danilo Rampulla

O HC Braga foi uma das surpresas da temporada, com o objectivo principal de alcançar a manutenção, o 6º lugar final acaba por ser demonstrativo da boa temporada realizada pela equipa de Rui Neto. Para 2019/20 o Braga não muda muito, mas adiciona dois jogadores que garantem mais qualidade, e deverão estabelecer o Braga como equipa de meio da tabela, deixando a batalha da manutenção para trás.

Da temporada passada saem Tomás Castanheira e Pedro Silva, ambos para representar equipas do segundo escalão, o primeiro junta-se aos irmãos Bernardo e Renato no Infante Sagres, o segundo sai a título de empréstimo para o Famalicense. Para os substituir chegam a Braga João Guimarães, hoquista de 23 anos que representou o OC Barcelos nas últimas 5 temporadas, e Danilo Rampulla, que com apenas 20 anos é considerado uma das maiores promessas do hóquei mundial, e que em 2018/19 foi a maior revelação do hóquei europeu, tendo liderado os italianos do Sarzana a uma época histórica.

Danilo Rampulla poderá mesmo ser o jogador mais indiferenciado do HC Braga para a nova temporada, contratado pelo Benfica após a excelente época de estreia na Europa, o jogador argentino chega a Braga a título de empréstimo, mas como já mostrou na temporada passada em Itália, não precisa de muito tempo para mostrar o que vale. Com uma técnica refinada e uma aptidão para os  golos, herdada do tio Panchito, Rampulla poderá, depois dos tios Panchito e Mariano, ser o próximo membro da família Velázquez a deixar o seu legado no hóquei português.

Em Braga, Rampulla vai reencontrar Constantino Acevedo, guarda redes internacional argentino de 22 anos, que é igualmente uma das peças fulcrais deste Braga, e com o qual partilhou balneário na Argentina ao serviço do Concepcíon, um dos maiores emblemas do hóquei em patins sul-americano.

Com o êxito da época passada, e a adição de dois jogadores de grande qualidade ao plantel, o HC Braga deverá deixar a luta pela manutenção para trás, podendo mesmo repetir o 6º lugar conquistado em 2018/19. E com participação europeia, este pode ser um Braga a ter em conta para chegar à fase decisiva da Taça WSE.

Danilo Rampulla chega a Braga por empréstimo do Benfica (Foto: SL Benfica)

Óquei Clube de Barcelos

2018/19: 5º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 34 (34ª consecutiva)
Melhor Classificação: 1º lugar (3 vezes)
Treinador: Paulo Pereira
Jogador-Chave: Luís Querido

É um Barcelos de cara lavada aquele que se apresenta para a temporada 2019/20, com o regresso de um jogador importante na história recente do clube, e dois jovens talentos da nova geração de jogadores argentinos, prontos para levar o OC Barcelos cada vez mais próximo do top4.

No que diz respeito a saídas, alguns elementos que colocaram o seu nome na história do clube deixaram Barcelos, como foi o caso de Rúben Sousa, que após três temporadas ao serviço do clube minhoto rumou a Tomar; e de Hugo Costa, jogador formado no clube e que por apenas uma temporada (2010/11), não havia representado o emblema da sua cidade natal. Também João Almeida e João Guimarães abandonaram o clube, o primeiro com destino a Oliveira de Azeméis, e o segundo a Braga. Por fim, também André Almeida, guarda redes habitual suplente de Ricardo Silva, abandonou o clube para relançar a sua ainda curta carreira, e mudou-se para o Carvalhos, da 2ª divisão nacional.

Com meia equipa a deixar os barcelenses, outra meia entrou, para a baliza chegou João Ferreira “Joka”, que na temporada passada defendeu a baliza do Famalicense; do Benfica chegou Miguel Rocha, jogador que passou 6 épocas na Luz, ainda que nem sempre tenha recebido grandes oportunidades de se mostrar; do recém despromovido Oeiras chegam duas promessas argentinas, Franco Ferruccio foi uma das revelações da temporada passada ao marcar 33 golos no campeonato, apenas Lucas Ordoñez e Gonçalo Alves marcaram mais; Ezequiel Mena foi igualmente uma das figuras do Oeiras em 2018/19, e ainda que não tenha sido suficiente para garantir a manutenção, as exibições do jovem de 21 anos garantiram-lhe a mudança para Barcelos, e a chamada à seleção para o Mundial deste ano, onde a Argentina terminou com a medalha de prata.

A outra contratação é a de um jogador que conhece bem os cantos à casa, natural de Barcelos, Luís Querido jogou 5 temporadas pelos minhotos antes de se transferir para o Amatori Lodi, de Itália. Nessas 5 épocas Querido contribuiu decisivamente para o sucesso Europeu do clube, tendo sido um dos pilares da dupla conquista da Taça CERS, actual Taça WSE, em 2015/16 e 16/17.

Um defesa/médio competente nas várias vertentes do jogo, não é apenas no aspecto defensivo que Querido será importante para a equipa em 2019/20, ainda que as principais ameaças ofensivas sejam jogadores como Alvarinho, Gonçalo Nunes, ou Miguel Rocha, Luís Querido é um dos defensores do hóquei português que mais golos marca por temporada, e o seu remate de meia distância pode fazer mossa nas defensivas adversárias.

O OC Barcelos irá mais uma vez competir na sua própria categoria, não sendo candidato ao título, apresenta-se com mais qualidade que qualquer outro não candidato, e tudo o que seja menos que o 5º lugar traduz-se numa má campanha no campeonato. Com o foco colocado em nova conquista europeia na Taça WSE, o Barcelos poderá “morder os calcanhares” ao top4, e uma má temporada de algum deles pode levar o Barcelos a sonhar com um lugar na Liga Europeia.

Luís Querido é um dos grandes reforços do OC Barcelos (Foto: HoqueiPT)

Sport Lisboa e Benfica

2018/19: 4º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 71 (51ª consecutiva)
Melhor Classificação: 1º lugar (23 vezes)
Treinador: Alejandro Dominguez
Jogador-Chave: Eduard Lamas

O Benfica vem de uma das piores prestações no campeonato no seu histórico recente, desde a época 2009/10 que os encarnados não ficavam de fora do pódio, sendo que nessa temporada os encarnados fizeram mesmo pior, terminando o campeonato na 5ª posição. 2018/19 foi a terceira pior prestação do Benfica neste século, batida apenas por essa temporada de 2009/10, e pela de 2003/04, onde as águias terminaram num atípico 7º lugar.

Apesar de uma fraca época, não só nas provas nacionais como na Europa, o Benfica é, dos quatro candidatos ao título aquele que menos mexe no plantel, com apenas uma saída e duas entradas.

Miguel Rocha é o único atleta que não transita da época passada, deixando o clube da Luz após 6 temporadas, e mudando-se para Barcelos. Em sentido contrário, Alejandro Dominguez dá as boas vindas a Gonçalo Pinto, avançado de 22 anos que em 2018/19 jogou pelo Valongo a título de empréstimo, e que, apesar de ter realizado uma época uns furos abaixo do esperado, acabou por receber a confiança do técnico encarnado para incorporar o plantel principal nesta temporada.

A outra entrada é a de um hoquista que se pode afirmar rapidamente como a peça mais importante na equipa do Benfica. Edu Lamas, internacional espanhol de 28 anos, foi um dos atletas imprescindíveis de Alejandro Dominguez enquanto este foi seleccionador espanhol, e poderá desempenhar o mesmo papel no Benfica.

Numa equipa onde o talento individual abunda, e que nas últimas temporadas se fazia valer dele através da arte e do engenho de jogadores como Carlos Nicolia, Jordi Adroher ou Lucas Ordoñez, descurando muitas vezes o colectivo, Edu Lamas pode ser o jogador fundamental no equilíbrio da equipa em pista. E a verdade é que, ao longo da pré temporada, e em especial na Elite Cup, foi possível ver um Benfica mais cerebral no processo ofensivo, e menos dependente de individualismos.

Após ter chegado à Luz a meio da temporada passada, Alejandro Dominguez terá agora, com uma época planeada e preparada desde o seu início, a primeira oportunidade de criar um Benfica com a sua identidade, e tentar com isso levar os encarnados às decisões nas várias provas que disputam, algo que falhou em 2018/19.

Edu Lamas é um dos mais sonantes reforços do hóquei português esta época (Foto: SL Benfica)

Sporting Clube de Portugal

2018/19: 3º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 38 (8ª consecutiva)
Melhor Classificação: 1º lugar (8 vezes)
Treinador: Paulo Freitas
Jogador-Chave: Ângelo Girão

A nível interno a época do Sporting não foi a melhor, vindo da conquista do seu 8º título de campeão nacional 30 anos depois da conquista do 7º, o terceiro lugar final em 2018/19 foi curto para a ambição leonina. No entanto, a época acabou por ser de sucesso, já que a nível internacional o Sporting conquistou a 2ª Liga Europeia do seu historial, 42 anos depois de se ter tornado na primeira equipa portuguesa a conquistar o mais desejado troféu de clubes da Europa.

Para a nova época o Sporting opera três alterações no plantel, com as saídas de João Pinto para o Amatori Lodi, Vítor Hugo e Henrique Magalhães, ambos para a Oliveirense. Para os seus lugares chegam Telmo Pinto, defesa/médio ex. FC Porto, que após 5 épocas na invicta troca dragões por leões; João Souto, um dos mais completos avançados do hóquei português que em 2018/19 defendeu as cores do Valongo na primeira metade da época, e do HC Turquel na segunda; e Alessandro Verona, avançado de 24 anos, uma das grandes referências do hóquei italiano que chega proveniente do Amatori Lodi.

Num plantel composto por 12 atletas de elite, é difícil realçar algum que seja mais importante em caso de sucesso, mas para que o Sporting volte a repetir as recentes conquistas necessitará sempre de um Ângelo Girão ao mais alto nível. Vindo de uma época memorável a nível pessoal, Girão foi peça fulcral no título europeu dos verde-e-brancos, e no Campeonato do Mundo conquistado pela seleção portuguesa, e as exibições fenomenais, algumas mesmo a roçar a perfeição, que efectuou pelos ursos e pelos leões, valeram-lhe a distinção de melhor jogador do Mundo da época 2018/19.

Em 2019/20, se Ângelo Girão voltar a mostrar-se ao mesmo nível que na temporada transacta, o Sporting ficará muito mais próximo de conquistar títulos importantes, nomeadamente o de campeão nacional que perdeu na temporada de 2018/19 para o FC Porto.

O Sporting começou a temporada da melhor maneira ao conquistar a Taça Continental, no Pavilhão João Rocha diante do FC Porto, numa reedição da final da Liga Europeia da temporada passada. E esperam os adeptos do clube leonino ter mais razões para festejar ao longo da época.

Com a prestação no Mundial, Ângelo Girão é uma das grandes estrelas do desporto nacional (Foto: Pedro Rocha/Global Imagens)

União Desportiva Oliveirense

2018/19: 2º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 48 (45ª consecutiva)
Melhor Classificação: 2º lugar (2018/19)
Treinador: Renato Garrido
Jogador-Chave: Marc Torra

A UD Oliveirense vem de uma temporada que ficou para a história, para além de conquistar a 4ª Taça de Portugal do seu historial, a formação de Oliveira de Azeméis conseguiu no campeonato nacional a sua melhor classificação de sempre, com a obtenção do 2º lugar. Ainda assim, e com o forte investimento que tem sido feito, este é um 2º lugar que sabe a pouco, e o objectivo para 2019/20 é, mais uma vez, a conquista do título.

Em relação a época passada, a Oliveirense regista quatro trocas. Deixaram Oliveira de Azeméis o guardião Domingos Pinho, habitual suplente de Xavier Puigbi, que reforçou os vizinhos da Escola Livre, recém promovidos à 2ª divisão; Pedro Moreira, sem espaço nas opções de Renato Garrido, seguiu por empréstimo para a Física; o espanhol Pablo Cancela voltou a Itália para reforçar o Follonica; e Emanuel Garcia, após apenas uma época na Oliveirense, mudou-se para o Trissino, formação italiana treinada por Sérgio Silva, e onde militam os portugueses Reinaldo Ventura e Diogo Neves.

Em sentido contrário chegam à Oliveirense Nelson Filipe, experiente guarda redes de 34 anos que após 13 épocas no FC Porto reencontra em Oliveira de Azeméis Renato Garrido e Edo Bosch; quem também tem passado em comum nos dragões com a dupla que agora lidera a Oliveirense é Vítor Hugo, o experiente avançado representou o Sporting nas últimas duas temporadas tendo contribuído para o regresso dos leões aos principais títulos nacionais e internacionais, regressa à Oliveirense onde esteve na temporada de 2011/12, juntando-se a Jorge Silva como opção para o jogo interior; igualmente do Sporting chega Henrique Magalhães, jogador importante da manobra defensiva do Sporting nas últimas duas temporadas, o defesa português irá formar com Xavier Barroso uma das melhores duplas defensivas do campeonato português; por fim, João Almeida, o jogador mais jovem do plantel, chega do Barcelos, onde se mostrou a bom nível nas últimas duas temporadas como um dos jogadores de melhor técnica dos barcelenses.

A figura da Oliveirense para esta temporada deverá ser a mesma da temporada passada, Marc Torra. Num plantel de craques, Torra foi o que mais brilhou ao longo de 2018/19, tendo inclusive sido o principal artilheiro da equipa do campeonato com 31 golos apontados. Seja de meia distância, dentro da área, de penalty ou de livre directo, Marc Torra é perito na arte de fazer golos, e podemos esperar mais uma época com bastantes no registo pessoal do catalão.

A Oliveirense volta a apostar no título de campeão que teima em fugir para os rivais, cada vez mais próximo desse objectivo, e após um inédito segundo lugar, poderá em 2019/20 continuar a subir na tabela e terminar o campeonato no único lugar do top4 no qual nunca conseguiu finalizar, no primeiro.

Sucesso da Oliveirense passa pelo stick de Marc Torra (Foto: Tony Dias/Global Imagens)

Futebol Clube do Porto

2018/19: 1º lugar
Presenças na 1ª Divisão: 56 (53ª consecutiva)
Melhor Classificação: 1º lugar (23 vezes)
Treinador: Guillem Cabestany
Jogador-Chave: Carlo Di Benedetto

Em 2018/19 o FC Porto voltou, pela 23ª vez no seu historial, ao lugar mais alto do hóquei em patins nacional, recuperando a coroa de campeão que havia perdido em 2017/18 para o Sporting. Com algumas mexidas importantes no plantel, Guillem Cabestany prepara-se para apresentar um FC Porto diferente daquele que nos habitou em épocas recentes.

Com a saída do capitão Hélder Nunes para Barcelona, o Porto perdeu não só uma das maiores referências do hóquei nacional, como um dos motores do jogo da equipa portista, e com a natural dificuldade de substituir um dos melhores hoquistas do Mundo, os dragões irão ao longo da época apresentar um estilo de jogo diferente daquele que lhes valeu dois títulos de campeão nas últimas três épocas.

Para além de Hélder Nunes, outros três elementos saíram do Dragão Arena após a conquista do título, Telmo Pinto, e os dois guarda redes Carles Grau e Nelson Filipe.

Na porta de entrada para suprir estas saídas estão Sergi Miras, defesa/médio espanhol ex. Liceo, que conta com uma curta passagem pelo Sporting em 2016/17, e que se destaca como um dos melhores marcadores de penaltys do hóquei em patins actual; Tiago Rodrigues, um dos mais promissores guarda redes portugueses, oriundo da Sanjoanense onde alinhou por empréstimo da Oliveirense; e anda Xavier Malian, consagrado guardião catalão que defendeu as balizas do Liceo da Corunha nas últimas 9 temporadas.

O reforço mais sonante vem igualmente dos galegos do Liceo, e trata-se do internacional francês Carlo Di Benedetto. O líder de uma geração de ouro francesa que vai fazendo história a cada grande competição que disputa, tem apenas 23 anos mas é já um dos grandes nomes do hóquei mundial. Um avançado completo, capaz de marcar golos de todas as formas e feitios, tem numa das suas grandes armas a sua altura, com mais de 1.90m e um grande alcance de braço, é um dos jogadores mais difíceis de defender no hóquei em patins mundial actualmente, como provam os 87 golos apontados no campeonato ao longo das três temporadas em que jogou na Corunha.

Com a chegada de um avançado com as características de Di Benedetto, são já notórias algumas diferenças no estilo de jogo da equipa, com a maior procura do jogo interior, e o recuo no terreno de Gonçalo Alves, que nas partidas já realizadas esta época pelos azuis-e-brancos tem jogado mais longe da baliza adversária.

Com o FC Porto a partir para 2019/20 com a responsabilidade de defender o título conquistado na temporada passada, esperam os seus adeptos que este novo FC Porto consiga fazer algo que desde 2010/11, o ano em que completou o histórico deca-campeonato, não consegue, revalidar o título de campeão. Para já a época começou com uma primeira conquista, a da Supertaça António Livramento, uma competição que os portistas dominam tendo conquistado a 23ª supertaça em 37 edições da prova.

Carlo Di Benedetto pode ser determinante no futuro do hóquei portista (Foto: FC Porto)

Os dados estão lançados, e é já no próximo sábado que a bola volta a rolar para mais uma edição do campeonato nacional da primeira divisão. A stickada de abertura será dada na casa emprestada do campeão, no Pavilhão de Fânzeres, às 15h00, com o FC Porto a iniciar a defesa do título perante a Juventude de Viana.

Serão 26 jornadas, 182 jogos de grande emoção e incerteza, que certamente levarão ao rubro os amantes da modalidade, e os adeptos das 14 equipas participantes nesta edição do campeonato.

 

(Foto de Capa: Paulo Novais/Lusa)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter