Um “review” à época 2021 do Futebol de Praia português

Tiago PelicanoDezembro 28, 20218min0

Um “review” à época 2021 do Futebol de Praia português

Tiago PelicanoDezembro 28, 20218min0
Campeões da Europa, finalistas na EuroWinners Cup, entre outras competições revistas por Tiago Pelicano sobre o futebol de praia português em 2021

2021 foi mais um ano atípico com as condicionantes da Covid-19, felizmente o futebol praia teve competições por todo o mundo, disputando-se campeonatos nacionais, taças, qualificações para o Mundial, o Mundial obviamente e as competições continentais. Neste artigo vamos passar a época em revisão focando na nossa seleção, competições nacionais e clubes portugueses.

UM MUNDIAL AMARGO E UMA LIGA EUROPEIA DE GLÓRIA

Começando pela nossa mágica seleção, foi talvez o ano mais complicado para a nossa seleção num passado recente, muitas ausências por lesões, ficamos órfã do símbolo máximo e lenda viva do futebol praia mundial, foi de facto um ano estranho para os lusitanos da areia.

A 1ª competição disputada foi a Qualificação para o Mundial, que passamos a fase de grupo em 1º, só com vitórias, sobre o Cazaquistão, Turquia e Ucrânia, nos 1/4 final batemos a seleção do Azerbaijão, tendo depois sido derrotado nas 1/2 finais frente a Ucrânia por 1-0 no tempo extra, acabaríamos qualificados em 3º lugar depois de derrotarmos a Bielorrússia por 6-5. A Espanha foi a vencedora da Qualificação derrotando a Ucrânia na final por 5-2.

De seguida a nossa seleção disputou a fase regular da Euro Beach Soccer League, ficando em 1º do grupo e apurando-se para a SuperFinal, batendo as seleções do Azerbaijão, Alemanha e Ucrânia.

Em Agosto, disputamos o Mundial, uma competição com muita infelicidade para nós onde não conseguimos alcançar a fase a eliminar, tendo ficando pela fase de grupos. Este Mundial completamente fora do normal para Portugal, não contamos com a nossa estrela maior o “Notarious” Jordan Santos e que falta nos fez!

Não contamos com o nosso “Imperador” Rui Coimbra, ambos por lesões no joelho e durante a competição perdemos também por lesão no joelho o capitão da nossa seleção, o “Mago” Nuno Belchior, a juntar a isto tudo Elinton Andrade foi expulso e não jogou o derradeiro jogo da fase de grupo frente ao Uruguai que ditaria o nosso afastamento do Mundial. Este foi também o primeiro Mundial sem Madjer, o melhor jogador de sempre marcou presença mas com funções administrativas. Ainda assim tivemos um Leo Martins em destaque com 8 golos em 3 jogos, sendo 4º melhor marcador da competição.

De 9 a 12 de Setembro, disputamos a SuperFinal da Euro Beach Soccer League, e já com Jordan Santos na convocatória ficamos todos a pensar se não poderia ter ido ao Mundial e se não teria feito toda a diferença na competição… Apresentou-se numa forma física monstruosa e foi sem dúvida o desequilibrador da seleção rumo à conquista da Euro Beach Soccer League e fez 7 golos em 4 jogos, quem teve em grande destaque mais uma vez foi Leo Martins, ganhou o prémio de MVP da competição e foi o 2º melhor marcador com 9 golos em 4 jogos.
A fechar o ano, participamos na Intercontinental Beach Soccer Cup, não foi mais uma vez uma competição bem conseguida da nossa parte e acabamos mesmo por terminar a competição em 4º lugar após derrota com o Senegal.

A FPF deu também este ano um grande passo no desenvolvimento da modalidade em Portugal, tendo criado o campeonato nacional de futebol praia feminino, criou também a seleção de futebol praia feminino, seleção esta que iria ser orientada por uma lenda da modalidade de seu nome Alan Cavalcanti e disputaram a SuperFinal Woman’s Euro Beach Soccer League.

As lusitanas da areia alcançaram um honroso 5º lugar na estreia numa grande competição internacional, depois de perder os dois primeiros jogos frente à Inglaterra e Suíça, venceram a Republica Checa por 5-2 e a Seleção Ucraniana por 2-1. Para primeira participação e uma seleção construída em pouco tempo dão garantias que num futuro próximo teremos uma seleção capaz de fazer coisas bonitas pelo nosso país.

SC BRAGA NO PATAMAR MÁXIMO DA ELITE EUROPEIA

Para fechar o capítulo internacional, passamos em revista as duas competições internacionais de clubes com presenças portuguesas. Começando pela Eurowinners Cup vencida pelos Russos do Kristall BS, houve finalmente um desempate de finais entre os vencedores e o SC Braga, infelizmente para nós os russos levaram a melhor, mas o histórico fala por si, após duas finais entre os mesmos que terminariam na decisão de grandes penalidades, a terceira caiu para solo russo, com o SC Braga a perder a chance do tetra consecutivo perdendo o jogo 6-3.As equipas portuguesas que participaram também foram a ACD O Sotão equipa A e B, o CF Belenenses, os Nazarenos, o Sporting CP, o Varzim, o Caxinas, o Chaves, o Buarcos, o Vila Flor, o GRAP, o CD Nacional, a CB Caldas da Rainha, o Sesimbra, a CB Loures e o Porto Mendo.

Em destaque de todas elas esteve a CB Loures, que após ficar em 1º no grupo K, eliminaram o Rosh Haayin nos 1/32 de final, perdendo depois com o Kristall BS nos 1/16 final, por 1-0, num jogo envolto de polémica com um golo limpo a ser invalidado à CBL.

A outra competição foi o Mundial de Clubes, que se realizou em Moscovo, uma competição que foi alterada em cima do momento competitivo devido às restrições de Covid-19 que iriam entrar em vigor na altura da competição, era suposto existir uma fase de grupos e depois a fase a eliminar, mas devido a este imprevisto e à alteração dos moldes da competição, existiram apenas 2 dias de jogos, iniciando logo os 1/4 final e no dia seguinte as 1/2 finais e final.

O SC Braga foi a equipa lusa na competição e era também detentora do trofeu, venceu até à final onde depois acabou derrotada pelo Lokomotiv de Moscovo por 6-4, num jogo que fica manchado pela fraca arbitragem, que retiraram muitas possibilidades ao SC Braga de renovar o título novamente.

E EM “CASA” O QUE SE PASSOU?

Olhando agora para as competições internas, a Divisão de Elite foi vencida pelo SC Braga numa final épica frente à CB Loures que terminaria 6-5, A CBL que chegou pela 1ª vez à final da competição batendo o Sporting CP na 1/2 final por 4-2, a outra semi finalista foi o Buarcos que terminou em 4º classificado depois de perder na 1/2 final frente ao SC Braga por 2-1 e no 3º e 4º lugar frente ao Sporting CP. O GRAP e o Chaves foram despromovidos.

Na Divisão Nacional de futebol de praia, os vencedores da competição foram o Leixões, garantindo a subida à Divisão de Elite, venceram a surpreendente equipa do S. Domingos, liderados por Pedro Queijeira, ex-jogador do SL Benfica nos primórdios do campeonato nacional, liderou a equipa do sul à final e consequente subida de divisão.

Na Taça de Portugal, reedição da final da Elite, com SC Braga e CB Loures e irem à final, mas desta vez o Braga superiorizou-se à equipa do concelho de Loures e venceu por 7-2.

AS MULHERES DOS AREAIS: O 1º CAMPEONATO NACIONAL FEMININO

Destaque para a realização do 1º campeonato nacional de futebol praia feminino, foi dividido em duas zonas, Norte e Sul e a fase final disputada na Nazaré, à semelhança daquilo que são os moldes da Divisão Nacional masculina.

As equipas participantes foram, na zona Norte, o Paredes, o Macedense e o Santo Cristo, com as duas primeiras a qualificarem-se para a fase final. E na zona Sul, a participar o Sotão, AD Pasteis, CB Caldas da Rainha, Nazarenos, A-dos-Francos e GD Ilha, qualificando-se para a fase final as duas primeiras da lista.

Na fase final a AD Pasteis venceu o Macedense por 14-2 e na outra 1/2 final, o Sotão venceu o Paredes por 8-2. Na final a equipa da Nazaré, que jogava em casa sagrou-se a 1º equipa a vencer o campeonato nacional de futebol feminino, ao derrotar a AD Pasteis por 3-2 numa boa réplica da modalidade. O jogo de 3º e 4º lugar ditou o Paredes em 3º e o Macedense em 4º após o Paredes vencer o jogo por 8-3.

Foi assim então o ano 2021 da nossa modalidade no que toca à nossa amada pátria. Esperemos que 2022 venha sem grandes restrições e que se vença a pandemia mundialmente por uma goleada de uma vez por todas. Aos nossos leitores desejar boas entradas e um próspero ano de 2022 e continuem a acompanhar a nossa página e o futebol de praia português e internacional.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter