EHF Champions League 21/22: as hipóteses de Porto, Benfica e Sporting

Tiago BotelhoSetembro 8, 20216min0

EHF Champions League 21/22: as hipóteses de Porto, Benfica e Sporting

Tiago BotelhoSetembro 8, 20216min0
Tiago Botelho explica como foi o sorteio para os clubes portugueses que vão participar na EHF Champions League e quais as hipóteses que têm

Este ano, Portugal, voltou a ter 4 equipas nas competições europeias de andebol. Aos já habituais FC Porto, Sporting CP e SL Benfica, juntou-se Águas Santas que, ocupou o lugar a que o Belenenses teve direito, na época transacta. Se o Porto já está integrado na fase de grupos da Champions League, as outras três teriam/terão que passar uma, ou duas, fases de qualificação, para chegarem à fase de grupos da European League, a 2ª competição europeia do mundo do andebol.

Benfica e Águas Santas, entraram em acção 1ª ronda de qualificação, enquanto que, o Sporting CP, devido à sua posição no ranking, entra só na 2ª ronda e logo, como cabeça de série!

Na 1ª ronda, os clubes portugueses tiveram sortes diferentes. O Benfica “despachou” os suíços do HC Kriens-Luzern, da Suíça, com duas vitórias “gordas” por 24-31 e 29-18. Os encarnados confirmaram o seu favoritismo, rumo à 2ª ronda, num ano de forte investimento na equipa, para piscar um olho ao título nacional e outro às fases mais adiantadas da European League.

Já o Águas Santas, teve pela frente a forte equipa espanhola da BM Logroño La Rioja, tendo empatado o jogo em Portugal, a 26 pontos, e perdido, em Espanha, por 34-28. Os nortenhos deixaram boa imagem e conseguiram, a espaços, discutir a eliminatória, frente a uma equipa de uma das melhores ligas do mundo e com um orçamento muito superior ao conjunto português.

Esta terça-feira, dia 7 de Setembro, realizou-se o sorteio da 2ª ronda de qualificação, a última antes da fase de grupos. Se o Sporting estava no pote 1 e evitava assim, alguns adversários mais indesejáveis, o Benfica encontrava-se no pote 2, havendo maior probabilidade de ter um sorteio menos favorável. Já se sabia que esta edição da European League seria fortíssima, com várias equipas de nível superior (Champions League), mas a sorte, voltou a não querer nada com os clubes portugueses…

Logo a abrir, o Benfica conheceu o seu adversário. Nada menos, nada mais que o powerhouse alemão, Rhein-Neckar Lowen, equipa que terminou a última liga alemã (a melhor liga do mundo) no 5º lugar, atrás de Kiel, Flensburg, Magdeburg e Fuchse Berlin (estas duas últimas também presentes na European League). Portanto, pior sorteio era impossível!

O Lowen, era (a par do Fuchse Berlin), teoricamente, a equipa mais forte presente nesta 2ª fase-a-eliminar. As “águias” viram as suas hipóteses de chegar à fase de grupos reduzirem consideravelmente, lembrando que em 2020/2021 falharam também a fase seguinte, tendo sido eliminados, na altura, por um adversário bastante mais modesto.

O lado positivo – se é que existe algum – é que iremos ter bom andebol nesta eliminatória, para além de vermos em acção, em terras portuguesas, jogadores como os suecos Appelgren, Lagergren e Lukas Nilson, o mago suíço “Andy” Schmidt, os alemães Uwe Gensheimer (uma lenda) e Jannick Kohlbacher, o dinamarquês Niclas Kirkelokke e a jovem promessa eslovena Kristjan Horzen, entre outros…

Se o SL Benfica saiu logo no início do sorteio, o Sporting ficou para último e mesmo antes de as bolas serem abertas, já se sabia quem seria o seu adversário. Da Dinamarca vem a forte equipa do TT Holstebro que, há uns anos atrás, esteve no grupo do FC Porto nesta “mesma” prova.

Desde então, o Holstebro reformulou a sua equipa, chegou às meias finais do último campeonato dinamarquês e tem Nikolas Markussen (que foi contratado ao Vezsprem e já defrontou os leões no Pavilhão João Rocha, pelo Bjerringbro-Silkjeborg), a sua grande figura de destaque, ao qual juntam a experiência de jogadores como Bramming e Damgaard.

Se o sorteio não foi tão matreiro como para o Benfica, o Sporting também não se pode ficar totalmente a rir, pois os clubes dinamarqueses eram de evitar, sobretudo GOG, Bjerrinbro-Silkeborg e este TT Holstebro. Apesar de tudo, prevê-se uma eliminatória equilibrada, com os “leões” a deterem ligeira vantagem e uma boa possibilidade de repetir a presença na fase de grupos da temporada passada.

Caso alguma, ou as duas equipas portuguesas consigam chegar à fase de grupo, prevêem-se dificuldades, visto que, se apuram os 4 primeiros classificados de cada grupo e existem algumas equipas fortes que, vão ficar já pelo caminho.

Nos embates a seguir nesta ronda, destacaria o Rhein-Neckar Lowen-Benfica, o Bjerringbro-Nexe, o Nimes-CSKA, e o Sporting-TT Holstebro. Para além das 12 equipas vencedoras desta 2ª ronda, já há outra dúzia de equipas apuradas directamente para a fase de grupos, das quais destaco os franceses do HBC Nantes, os alemães do Magdeburg, os russos do Chekhovskie Medvedi, os macedónios do HC Eurofarm Pellister, os espanhóis do Bidasoa Irun e os húngaros do Grundfos Tatabanya.

Se fosse um homem de apostar, diria que o Benfica e Sporting, teriam 20% e 55% de hipóteses, respectivamente, de se apurarem para a fase de grupos.

No caso do FC Porto, acabou por ficar inserido no Grupo B da Champions League, com as equipas do Paris SG (campeão francês), Barcelona (campeão espanhol), Lomza Vive Kielce (campeão polaco), SG Flensburg-Handewitt (vice campeão alemão), Telekom Veszprém HC (vice-campeão húngaro), C.S. Dinamo Bucuresti (campeão romeno) e HC Motor (campeão ucraniano).

Tal como as equipas portuguesas da European League, pior grupo era quase impossível. Os “dragões” estão assim inseridos no grupo da morte, composto por 4 equipas habitualmente candidatas a estarem presentes na final four da competição, tendo, no entanto, hipótese de passar à fase seguinte a eliminar, visto que se apuram as 6 melhores equipas, pois, neste momento, o Porto, parece-me mais capaz que os ucranianos do Motor e que os romenos do Dinamo.

Os dois primeiros classificados do grupo têm apuramento directo para os quartos de final da EHF Champions League, enquanto que, do 3º ao 6º, disputam um playoff de acesso a esses mesmos quartos de final. A posição final no grupo deverá definir qual o adversário a defrontar nos playoffs e, o facto de se encontrar no grupo mais forte, pode até ser benéfico na ronda seguinte, visto poder enfrentar um adversário menos poderoso.

Mais uma vez, se tivesse que apostar, diria que os campeões nacionais têm 65% de hipóteses de passar a fase de grupos e que essa percentagem desce para 50% caso sigam para a fase de playoff que, dá acesso aos quartos de final. A partir daí, tudo se torna mais difícil e quase inacessível, mas não impossível para uma unida equipa do FC Porto, especialmente se conseguirem replicar a defesa que apresentaram na época de 2019/2020 e que lhes valeu um lugar histórico na EHF Champions League de então.

Uma boa prestação europeia das equipas portuguesas, seria importante para o ranking do andebol português, uma vez que todos beneficiam com isso.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter