Como te podes preparar para o Crossfit Open que está quase a começar?

Cláudia Espirito-SantoFevereiro 18, 20194min0

Como te podes preparar para o Crossfit Open que está quase a começar?

Cláudia Espirito-SantoFevereiro 18, 20194min0
Estás pronto para a acção e tentares desafiar-te a participar no Crossfit Open? Deixamos algumas dicas, conselhos e recomendações para a tua preparação!

Estamos a uma semana do lançamento do primeiro WOD do Open 2019 e apesar de ser o último Open a ocorrer nesta altura do ano, será certamente uma experiência inesquecível. Nos últimos anos, Dave Castro tem-nos deixado algumas dicas relativamente aos exercícios que poderão sair e WODs que se poderão repetir, mas 2019 parece estar muito diferente dos anos anteriores sem grande comunicação relativamente ao que poderá estar nos planos do director dos CrossFit Games.

Dada a sua ausência várias pessoas têm mesmo questionado se Castro continua ou não efectivamente à frente do evento, mas recentemente Greg Glassman transmitiu claramente que nada mudou nesse sentido e que Castro continua com a mesma função de anos anteriores. É Dave Castro que organiza os CrossFit Games desde o seu início em 2007 e, em 2018, o evento compreendeu mais de 560 atletas de 52 países.

A questão que se coloca para muitos atletas este ano é se se devem sequer inscrever.  Confesso que também fiz parte das pessoas que ficaram sem saber se continua a fazer sentido, já que mais do que um evento inclusivo, as alterações ao Open fazem com que tenha que ser um apuramento para o melhor atleta masculino e feminino de cada país para os CrossFit Games.

Deixou de existir qualquer prova intermédia como os Regionais para os melhores atletas, sendo agora um apuramento directo por nacionalidade.  O que levanta a questão… e o comum dos mortais faz o quê?

O comum dos mortais (entenda-se 95% da população mundial) NÃO VAI AOS GAMES. Nem este ano, nem nunca.  A grande maioria dos praticantes de CrossFit procura melhorar o seu estado de saúde / fitness através da modalidade.

Não pretende levantar o peso mais pesado do mundo, nem ser o melhor velocista ou ginasta, nem muito menos ser o melhor a fazer tudo com uma capacidade metabólica capaz de deixar o Road Runner sem folgo.  E estas pessoas perfeitamente normais participam no Open para simplesmente testar o seu fitness e para se divertir.  E as alterações no Open deste ano não mudam isso em nada.

Os WODs poderão ser mais pesados, ou mais complexos, mas a verdade é que existirá sempre a versão scaled.  Haverá sempre a possibilidade de fazer o WOD de alguma forma.  E claro, nada melhor do que partilhar a emoção com todos os colegas da box e todas as boxes do mundo.

Foto: Crossfit

Este ano as datas do lançamento dos 5 WODs do Open já foram anunciadas e apesar de já não existir um “Live Announcement” no formato que conhecíamos com o com o Rory McKernan a anunciar os desafios com Castro, o novo formato promete no mínimo surpreender com boxes de vários países a participar.

Foto: Crossfit Open

Cada WOD promete desafiar cada atleta e certamente mesmo com as novidades que possam estar para vir, muitos vão surpreender-se com os movimentos que vão conseguir fazer. Não é possível prever os WODs do próximo Open mas podemos ver quais foram as tendências de anos anteriores:

  1. A duração média dos WODs é de 10 minutos
  2. A maioria dos WODs têm o formato AMRAP – as many repetitions as possible
  3. Houve remo 5 vezes nos últimos 8 anos.  Desde 2015 que o remo é uma constante.
  4. Nos últimos anos o trabalho com halteres tem aumentado

Apesar de podemos concluir estas informações dos dados que temos dos anos anteriores, o CrossFit não deixa de ser constantemente variado, e nesse sentido, esperar o inesperado é sempre a forma de estar mais bem preparado.

Mas a preparação que pode fazer toda a diferença é mental, e parte de nós encarar todos os WODs como um desafio que conseguimos conquistar com o objectivo de dar o nosso melhor dentro das nossas capacidades.  E isso é CrossFit.

Preparados para o Open mais inesperado de sempre?  As inscrições estão abertas 😉


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter