A caminho do Tour de France 2018 – Lideranças e Objetivos!

Diogo PiscoJunho 22, 20189min0

A caminho do Tour de France 2018 – Lideranças e Objetivos!

Diogo PiscoJunho 22, 20189min0
A duas semanas do arranque do Tour de France 2018, o Fair Play, identifica aqueles que irão liderar as equipas e quais os seus objetivos.

Faltam 14 dias para o arranque da maior prova de ciclismo do ano. Durante esta semana várias foram as equipas que já confirmaram os convocados para enfrentar as 3 semanas da prova francesa.

É sempre bom reforçar, que o Tour é a prova do calendário anual de ciclismo com mais notoriedade e exposição nos média. É aqui, que as equipas justificam (ou não) os apoios dos patrocinadores e os ciclistas os seus salários. Muitos dependem da sua prestação nesta prova para garantir valores para as próximas épocas.

O papel de um líder ganha assim outra dimensão, sendo a responsabilidade que têm muito maior.

O Fair Play identificou quem são, ou serão, os escolhidos pelas equipas para atingir os objetivos traçados e corresponder à confiança que os patrocinadores depositaram nos projectos.  

Equipas que confirmaram os selecionados

Ag2R La Mondiale

Romain Bardet é o líder da equipa. Depois de fechar 2º (2016) e 3º (2017), tem uma equipa seleccionada para o ajudar a atingir o difícil objetivo de vencer o Tour. É o líder absoluto com um objectivo comum ao da equipa. Caso não meta em causa o objectivo principal, o jovem Pierre Latour deverá ter liberdade para lutar pela classificação da juventude e a equipa tem nomes fortes para lutar por etapas se surgir a oportunidade.

Lotto Soudal

Nas etapas com chegada em sprint, André Greipel, será o líder desta equipa que luta essencialmente por vitórias em etapas. Apesar de Thomas de Gent ser identificado como o outro líder da equipa, acredita-se que será Tiesj Bennot a aposta para tentar um bom resultado na classificação geral final. De Gent terá como objetivo vencer etapas, entrar em fugas e resgatar o prémio de combativo do Tour, prémio que lhe tem sido negado nos últimos anos.

Team LottoNL-Jumbo

3 líderes e 2 objetivos. Enquanto Dylan Groenewegen terá a obrigação de resgatar vitórias nas chegadas ao sprint, Steven Kruijswik e Primoz Roglic serão responsáveis por lutar pela melhor classificação possível na geral final. Será a estrada a definir quem ficará com o papel de líder principal.

Mitchelton-Scott

Após chocar o mundo do ciclismo com a decisão de deixar de fora o seu sprinter Caleb Ewan, a Mitchelton deixa bem definido o seu objetivo. Adam Yates é o único líder e o objetivo é alcançar um bom resultado na geral final, se possível a vitória.

Adam Yates a semana passada, vencendo a última etapa do Tour de Suisse e garantindo o 2º lugar da Geral. Fonte: Tim de Weale@TWDSport

Equipas que não confirmaram os selecionados

Astana Pro Team

Jakob Fuglsang tem finalmente a oportunidade de se apresentar no Tour como líder principal com o objetivo de lutar pelo melhor resultado na geral final. Magnus Cort Nielsen será líder nas chegadas ao sprint. A Astana tem nomes que lhe permitem entrar na luta em quase todas as frentes.

Bahrain Merida Pro Cycling Team

A equipa quer vencer o Tour, assim como o seu líder Vincenzo Nibali e tudo foi construído em torno desse objetivo. No entanto levam também Sonny Colbrelli para lutar nas etapas ao sprint e pelas etapas em formato de clássica.

BMC Racing Team

Richie Porte, uma equipa em seu redor e esperar que desta vez o azar não bata à porta. Esta parece ser a receita da BMC. O objetivo é conquistar o 1º lugar no final das 3 semanas. Greg Van Avarmaet deverá ter liberdade para atacar as etapas do norte, principalmente a do pave.

Bora-Hansgrohe

Peter Sagan para a classificação por pontos, para as etapas ao sprint, para as etapas de média montanha, para as etapas em modo clássicas e para aquilo que o campeão do mundo conseguir inventar. Rafal Majka será o líder com o objetivo de alcançar o melhor lugar no Top10.

Vitória de Sagan no Tour 2016, após um ataque em conjunto com Chris Froome, ainda longe da meta. Nada fazia prever tal chegada. Fonte:LB/RB/Cor Vos © 2016

Cofidis, Solutions Crédits

Os irmãos José e Jesus Herrada vão dividir a liderança da equipa no que diz respeito à luta por etapas de montanha e a um lugar de destaque na classificação geral. Na liderança pelas etapas em sprint a luta está mais acesa. Parece que a equipa sempre irá selecionar Nacer Bouhanni, que deverá lutar pelo lugar de líder com Christophe Laporte.

Direct Energie

Lilian Calmejane assume o papel principal para dar destaque a esta equipa do escalão intercontinental. Boas prestações nas etapas de montanha, entrar em fugas, uma potencial vitória e quem sabe uma boa classificação final, são os objetivos desta equipa para o seu líder. Thomas Boudat tentará estar entre os melhores nas etapas ao sprint.

Groupama-FDJ

A equipa volta a concentrar grande confiança em Arnaud Démare e o francês é o único líder definido à partida para o Tour. A conquista de etapas ao sprint e a entrada na luta pela classificação por pontos serão os objetivos. A equipa tem também bons nomes para entrar na luta por outro tipo de etapas.

Movistar Team

Objetivo: Vencer o Tour. Seja com quem for. A equipa espanhola quer vencer e leva 3 líderes fortes com capacidade de lutar pela geral. A estrada irá definir quem trabalha para quem, mas desta vez a Movistar tem plano A, B e C. Ou melhor, plano Nairo Quintana, plano Alejandro Valverde e plano Mikel Landa.

Quick-step Floors

Fernando Gaviria para os sprints e para a classificação por pontos; Bob Jungels para a classificação geral; Julian Alaphilippe para todo o terreno; Philippe Gilbert para controlar as tropas. Parece quase impossível perceber como é que esta equipa entra na luta por tantos objetivos, não descurando os vários objetivos de cada um. São uma matilha, isso é certo, e caçam em equipa. Os líderes são estes mas há mais lobos para atacar.

Team Dimension Data

Uma das equipas que precisa de justificar patrocínios neste Tour. Mark Cavendish vai tentar recuperar os velhos tempos e alcançar vitórias nas chegadas em massa, dando à equipa aquilo de que tanto precisa. Ainda não se sabe se Louis Meintjes estará presente no Tour, lutando pelo Top10, para fazer esquecer o descalabro da sua participação no Giro 2018.

Team EF Educationa First-Drapac p/b Cannondale

O líder é o colombiano Rigoberto Uran. O objetivo é repetir o Top 3 do ano passado e caso haja a possibilidade alcançar a vitória final. A forma de correr do líder deixa algumas reservas em afirmar prontamente que o objetivo é vencer o Tour.

Team Fortuneo

A pressão é grande para esta equipa. Para além de ainda não ter vencido este ano, a Fortuneo, leva o vencedor da combatividade, da classificação da montanha, de duas etapas e 10º do ano passado, como líder. Warren Barguil ainda não justificou o investimento de uma equipa do escalão inferior num ciclista da sua qualidade e tem andado bem abaixo do espectável. Dada a situação pode afirmar-se que o que vier é bem vindo.

Team Katusha-Alpecin

Marcel Kittel para vencer nas chegadas ao sprint, Ilnur Zakarin para lutar pela geral, Tony Martin para os contra-relógios.

Team Sky

Desengane-se quem pensar o contrário. Se nada impedir Chris Froome de ir ao Tour, este vai ser o líder da equipa. Caso impeçam a sua participação, então Geraint Thomas será o líder. Só na ausência ou na quebra de Froome veremos a equipa a trabalhar para outro líder que não este. O objetivo é o mesmo de sempre, estar de amarelo em Paris no fim das 3 semanas.

Trek-Segafredo

Bauke Mollema volta a ter a oportunidade de liderar a equipa no Tour. John Degenkolb será líder nas etapas de sprint e, principalmente, nas etapas em formato de clássica.

Team Sunweb

Caso se confirme a provável presença de Tom Dumoulin no Tour, o objetivo de vencer a prova fica bem claro para todos. Caso não se confirme, a luta pela geral ficará a cargo de Wilco Kelderman. Michael Mathews terá o objetivo de voltar a conquistar a classificação por pontos.

UAE- Team Emirates

Será difícil olhar para estes nomes e não afirmar que a UAE não tem como objetivo vencer o Tour. O líder à muito definido é Daniel Martin, mas viu-se juntar à sua liderança Fabio Aru, que decidiu vir ao Tour após a vergonha que passou em Itália. Para os sprints a equipa leva Alexander Kristoff.

Wanty – Groupe Gobert

Guillaume Martin será o líder que irá tentar o melhor possível para a equipa intercontinental. Andrea Pasqualon tentará a sorte nos sprints.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter