Taça Nacional sub-16 femininos – Esgueira campeãs em S. João da Madeira

José AndradeJunho 25, 20226min0

Taça Nacional sub-16 femininos – Esgueira campeãs em S. João da Madeira

José AndradeJunho 25, 20226min0

Em São João da Madeira, o Esgueira triunfou e conseguiu conquistar a Taça Nacional sub16 feminina. Hoje falamos sobre esta vitória e alguns dos destaques individuais, por isso acompanhem-nos e fiquem a saber tudo sobre a final.

Tudo começou com o Esgueira a vencer o Portimonense por 61-60 e a AD Sanjoanense a triunfar por 77-33 frente ao Boa Viagem. Depois o Portimonense venceu o Boa Viagem por 74-47 garantindo assim o terceiro lugar e na final o Esgueiro levou a melhor sobre a Sanjoanense por 65-55.

No duelo da que decidia o vencedor, o Esgueira entrou melhor na partida, com pressão alta que criou dificuldades à Sanjoanense logo na saída de jogo, juntando a isso a muita mobilidade no ataque aveirense que permitiu ganhar vantagens importantes no princípio deste duelo. Filipa Santos surgiu cedo a dar nas vistas com pormenores deliciosos e diferenciados. Perante a melhor entrada do Esgueira, a Sanjoanense procurou crescer através de trocas de bola que solicitavam sempre os lançamentos dos cantos, mas a defesa do Esgueira ia impedindo que surgissem vantagens daí. A equipa da casa conseguiu criar problemas sempre que acelerava, maior velocidade e as brechas na defesa da Sanjoanense começavam a surgir.

No conjunto de João Balseiro, destaque para Selma Marques que assumia o jogo do Esgueira, mesmo quando a bola não ia caindo, ela não baixava os braços e continuava sempre a tentar e a lutar muito por cada bola. Nesta altura tínhamos Selma Marques em modo Daniela Jesus, aliás as similaridades de jogo entre as duas atletas são imensas. Do lado da turma de Frederic Pina, nota para Laura Costa que não demorou para se colocar num papel de destaque neste duelo, pela forma como deu outra dinâmica à equipa. O Esgueira a dominar na luta das tabelas, evidenciando muitos recursos no ataque e a conseguir um ligeiro ascendente, mas nem por isso a Sanjoanense deixou de lutar e iam conseguindo estar dentro do jogo através dos contragolpes. Eram 6 pontos favoráveis ao Esgueira à entrada do segundo quarto, um período que trouxe uma Sanjoanense diferente, mais dominante e a conseguir esbater a diferença dos primeiros minutos de jogo.

A defesa mista e mais pressionante da Sanjoanense foi fundamental para esta melhoria, quando conseguiu afastar as jogadoras do Esgueira do cesto, obrigando a mais erros e um menor acerto ofensivo das aveirenses. Junto a isso a equipa da Sanjoanense conseguiu passar a ganhar mais ressaltos, equilibrando ainda mais o duelo antes do intervalo. O resultado era de 26-30 na ida para os balneários, ótima recuperação da Sanjoanense e muito pela excelente entrada de Beatriz Martins que colocou esta vantagem através de um belo triplo nos momentos finais. No terceiro quarto, o Esgueira muda, a equipa ajusta a sua defesa e volta a conseguir passar para a frente através de um parcial de 19-10.

Depois de um período inicial de equilíbrio, o Esgueira “foge” quando Sara Rodrigues acerta uma bola de três que deu o mote para a superioridade da equipa de João Balseiro, vantagem que viria a ser fundamental para o triunfo final. Assistimos a muita luta, mas o Esgueira voltava a dominar na luta das tabelas e a conseguir circular melhor a bola no ataque, junto ao sucesso ofensivo a defesa sufocante impedia a Sanjoanense de conseguir criar perigo perto do cesto. Muito de Filipa Santos neste terceiro período, a melhoria e superioridade do Esgueira passou muito pelas suas mãos e ações nos dois lados do campo. O último período foi muito equilibrado, as duas equipas lutaram muito, mas o Esgueira através da vantagem ganha no período anterior, conseguiu garantir esta vitória e com isso a conquista da Taça Nacional sub16.

Esta Taça Nacional teve vários destaques individuais e vamos a alguns dos maiores:

  • Filipa Santos – MVP incontestável

Iniciamos os nossos destaques pelas campeãs e mais concretamente por Filipa Santos a MVP sem nenhum tipo de contestação, isto porque conseguiu 35 + 29 pontos nos dois duelos e um par de exibições de grande nível. Uma base que cria e pontua, com imensa qualidade, falamos de uma atleta diferenciada e mais um diamante da formação do Esgueira para ser lapidado. Brilhou e destacou-se em todos os jogos. Atira bem, lê e pensa o jogo como poucas jogadoras, sabe gerir ritmos de jogo, ainda tem uma excelente qualidade de passe, sabe criar muito bem e foi sem dúvida o destaque maior desta Taça Nacional.

  • Laura Costa – A figura maior da Sanjoanense

Mudamos para as vice-campeãs para falarmos de Laura Costa, a jogadora que mais de mostrou na Sanjoanense. Muito talento, é uma atleta com uma condição física já muito grande, com imensa técnica e capaz de criar e inventar sem precisar de muito espaço, mais um nome que devemos guardar para o futuro.

  • Mariana Costa – A estrela do Boa Viagem

O Boa Viagem sentiu algumas dificuldades em São João da Madeira e Mariana Costa foi quem mais se evidenciou, falamos de uma jogadora muito completa, que defende e ataca muito bem. Sabendo das dificuldades que as equipas das ilhas têm na formação, é ótimo ver aqui uma jovem com imenso potencial surgir, uma pérola que as insulares têm aqui para desenvolver.

  • Bruna Saramago – O destaque das algarvias

Mudando para o Portimonense, o destaque maior foi Bruna Saramago, a jogadora que conseguiu passar as duas dezenas de pontos e que mostrou uma visão e capacidade técnica que a colocam num patamar muito alto entre as jovens promessas nacionais. O basquetebol algarvio volta a ter aqui uma jogadora com um teto muito elevado e uma margem de progressão imensa.

  • Selma Marques – A nova Daniela Jesus

As similaridades com Daniela Jesus são muitas, mas Selma Marques merece este destaque não só por isso, menção ainda para Beatriz Neves, Sara Rodrigues, Liliane Semedo ou Leonor Santos outras craques que também se evidenciaram muito, mas Selma Marques é uma lutadora incansável com muita qualidade, jogadora muito completa que faz tudo bem. A comparação com uma referência como Daniela Jesus faz todo o sentido atendendo a este talento e garra de Selma Marques.

Deixámos aqui o resumo da final e ainda alguns apontamentos sobre 5 dos destaques individuais desta Taça Nacional sub16 em São João da Madeira.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter