Seleção feminina sub18 – Cada vez mais preparadas para brilhar em Sofia

José AndradeJulho 16, 20227min0

Seleção feminina sub18 – Cada vez mais preparadas para brilhar em Sofia

José AndradeJulho 16, 20227min0

O 1º estágio de preparaçãao da seleção feminina sub18 em Ovar deu-nos dois triunfos sobre o País Basco e é sobre as duas vitórias que hoje vos vamos falar.

Portugal vs País Basco: Só deu Portugal

No primeiro jogo, a seleção das quinas venceu por 64-34, um triunfo esclarecedor e onde Portugal realizou uma partida de grande nível. O conjunto das quinas entrou a todo o gás, deixando desde os primeiros momentos de jogo a seleção Basca em dificuldades no jogo. As comandadas de Agostinho Pinto com uma primeira parte de excelência fruto da pressão elevada que criava dificuldades às adversárias desde cedo, assistíamos ao domínio de Portugal que parecia jogar numa velocidade acima. Além do “andamento”, a pressão asfixiante levava a muitas perdas de bola bascas, além disso o conjunto visitante no ataque quando conseguia chegar perto do cesto luso não conseguia concretizar.

A primeira parte foi de domínio português em todos os pontos, no ataque víamos uma circulação de bola bonita que permitia o ganho de vantagens nas penetrações e que desmontava a defesa do País Basco, ainda íamos vendo as bolas da linha de três pontos a cair e o ganho de segundas bolas e ai muito importante as ações de jogadoras como a Andrea Chiquemba ou a Rita Rodrigues que deram à nossa seleção a vantagem. Na segunda parte, o domínio não foi tão expressivo, a selção Basca conseguiu equilibrar um pouco mais o jogo, mas nada que colocasse a vantagem lusa em causa, as jogadoras portuguesas conseguiram manter a superioridade e gerir a vantagem. Na segunda parte conseguimos ver mais de algumas jogadoras, deu para testar algumas estratégias, mas vitória inequívoca neste primeiro duelo em Ovar.

Portugal vs País Basco: Vencer na garra e na qualidade

O segundo jogo foi bem diferente, Portugal triunfou por 61-59 garantindo a vitória nos últimos segundos e depois de um jogo onde a seleção lusa foi obrigada a lutar muito. As Bascas começaram melhor esta partida, com uma mudança na abordagem ao jogo anterior, surgiram com linhas mais subidas, pressão a campo inteiro em muitos momentos e muito mais agressivas, aliás os momentos de ascendente basco foram muito fruto desses duelos que em alguns momentos roçaram o limite. A seleção basca tentou mostrar outra imagem e conseguiu. Portugal entrou mal na partida, foi crescendo ainda no primeiro quarto, mas a primeira parte não foi boa, não se conseguia parar a força no jogo interior e no ataque algumas precipitações que eram originadas pela pressão alta e pela defesa basca que levava a esses erros.

Portugal termina a primeira parte a precisar de corrigir vários pontos e com o selecionador, Agostinho Pinto profundamente irritado, por isso mesmo o conjunto das quinas acabou por regressar já em cima do recomeço de jogo, obviamente que não sabemos o que foi dito, mas imaginamos que as jogadoras tenham “levado na cabeça” e deu resultado, na segunda parte a seleção mudou bastante e conseguiu não só equilibrar o jogo como assumir um ligeiro ascendente nesta segunda parte. Foi um jogo muito físico, as Bascas tentaram sempre levar o jogo para o físico, para os duelos e para o excesso de agressividade. Portugal venceu, no terceiro e quarto períodos, a seleção lusa conseguiu inverter, passar a ganhar na luta das tabelas e errar bem menos, voltámos a ver as portuguesas mais assertivas, com mais calma no ataque e por isso de forma natural Portugal venceu este duelo onde se lutou muito, mas a qualidade da seleção feminina sub18 esteve em evidência e fez a diferença.

Em contagem decrescente para o Campeonato da Europa de Sofia, na Bulgária que se vai realizar de 30 de julho a 7 de Agosto, a seleção feminina sub18 está cada vez mais pronta e estes duelos deixaram vários destaques e é sobre eles que vamos falar um pouco, mas são eles:

– Andrea Chiquemba: Poderosa e inquebrável

Um dos maiores destaques desta seleção é Andrea Chiquemba, neste dois jogos deu para mais uma vez ficar impressionado pela capacidade física da jogadora que na próxima temporada vai estar nos Estados Unidos da América. Uma capacidade incrível de continuar a lutar mesmo quando as coisas não estão a correr bem e muita qualidade. Foi uma das melhores lusas nestes dois duelos, por vezes com missões que não saltam tanto à vista, mas sempre muito bem, na luta das tabelas, na defesa, nas ações ofensivas, sem dúvida uma das jogadoras que tem tudo para ser destaque em Sofia.

– Inês Bettencourt: Espalhar magia em todas as circunstâncias

Outras das jogadoras que mais se destacou foi sem dúvida, Inês Bettencourt, a base que também vai rumar aos Estados Unidos da América, foi sempre a jogadora mais esclarecida, capaz de “iluminar” e liderar quando a seleção mais precisava. É uma jogadora com muita técnica e que sabe muito bem o que fazer à bola, principalmente no segundo jogo a capacidade de ler o jogo e de saber quando acelerar foram preponderantes. Muita maturidade nesta base que conseguiu ser a peça que mais conseguiu desequilibrar as Bascas.

– Gabriela Falcão: Lutadora incansável

O terceiro destaque vai para Gabriela Falcão, também ela vai emigrar para o outro lado do Oceano Atlântico, mas a jovem poste esteve em evidência pela sua capacidade de lutar, não foram jogos fáceis em especial para as jogadoras interiores que principalmente no segundo duelo foram obrigadas a uma “batalha” muito física e Gabriela Falcão esteve sempre a altura dos desafios, conseguiu sempre aparecer nos encontros e fazer a diferença, também ela está cada vez mais pronta para ser um dos destaques no Campeonato na Europa.

– Laura Silva: Mira afinadíssima

O nosso quarto destaque é Laura Silva, a jovem que se evidenciou pelo tiro exterior nestes dois encontros, mas não só. Laura Silva foi preponderante, sempre que entrou “mexeu” com as partidas, deu sempre mais velocidade à seleção nacional e revelou uma mira pronta para os grandes desafios que estão por vir, mas esteve em destaque também pelo que fez jogar, voltar a mostrar a sua qualidade em especial na construção, poderá ser um dos “jokers” desta seleção em Sofia.

– Ana Pinheiro: Faz de tudo e sempre muito bem

Para terminarmos Ana Pinheiro, podíamos falar ainda de Rita Rodrigues ou Cristina Freitas, mas vamos destacar Ana Pinheiro que se evidenciou como sempre pela sua qualidade em todos os pontos, sempre bem na defesa e no ataque, surgiu bem quando assumiu mais vezes a construção, na luta das tabelas, na marcação, foi exemplar mesmo quando os jogos complicaram a jovem do CPN esteve em destaque pela sua capacidade de fazer tudo bem, uma regularidade aliada à sua qualidade que a deixam sempre como uma das figuras em todos os jogos.

Ficou aqui um olhar para os últimos jogos da seleção feminina sub18, dois triunfos em Ovar mais alguns destaques, sendo que o maior é a certeza que esta seleção está cada vez mais preparada para ir brilhar a Sofia, expetativas e confiança em alta para o que está por vir.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter