FIBA World Cup Sub 19: EUA recupera o titulo em final histórica

Tiago MagalhãesJulho 7, 20198min0

FIBA World Cup Sub 19: EUA recupera o titulo em final histórica

Tiago MagalhãesJulho 7, 20198min0
Creta, Grécia - A ilha grega foi mais uma vez a casa do Campeonato do Mundo de Sub 19 de basquetebol onde se encontraram as 16 melhores seleções do mundo apuradas através das competições continentais.

Para alem de estarem presentes as melhores seleções esta é a grande montra do basquetebol dos futuros talentos com vista a NBA, e na edição deste ano tivemos a presença de muitos prospects de grande interesse, alguns deles, sobretudo os europeus, já há muito tempo acompanhados pelos olheiros da melhor liga do mundo.

 

GRUPO A

No grupo A tínhamos a presença do maior candidato ao título nos USA que venceriam estes primeiros três matchups com relativa facilidade, apurando na primeira posição.

A verdadeira luta neste grupo estava nas posições seguintes com Nova Zelândia, Lituânia e Senegal a lutarem por apenas duas posições nos Quartos de Final.

Esta situação ficaria praticamente resolvida na segunda jornada com uma vitoria por apenas dois pontos do conjunto da Oceânia frente ao Senegal, (já que na ultima jornada os africanos enfrentariam o colosso norte americano) e sendo assim a seleção de dois dos melhores prospects desta competição em Amar Sylla (jogador vinculado ao Real Madrid) e Biram Faye (atleta do Gran Canaria) ficaria de fora da luta.

 

Amar Sylla é um dos jogadores com maior talento no continente africano

 

GRUPO B

Neste grupo veríamos o maior equilíbrio de toda a competição entre o Canada, a Austrália, o Mali e a Letónia. Na entrada para a última jornada todas as equipas poderiam apurar para a fase seguinte, mas neste caso, a equipa a ficar de fora acabou por ser a letã.

Com a ausência da sua maior estrela em Artur Zagars (na preparação com a seleção A sénior), a liderança do jovem conjunto ficou para Arturs Kurucs (o irmão mais novo do jogador dos Brooklyn Nets Rodion Kurucs), porem num grupo com três seleções de enorme qualidade, os europeus acabaram por não vencer nenhuma partida.

O Canada seria primeiro, a Austrália segundo e o Mali terceiro, e deste grupo sairia a maior surpresa deste torneio e uma das histórias mais bonitas do basquetebol este ano.

A familia Kurucs tem talento para dar e vender

 

GRUPO C

As Filipinas seriam o conjunto a ficar de fora para os Quartos de Final no Grupo C que também englobava a Argentina, a Rússia e os anfitriões da Grécia.

Muita expectativa para ver as performances de Kai Sotto, um jogador de 17 anos e 2,16m que tem estado nos radares da NBA, onde demonstrou um grande potencial ofensivo.

Neste grupo a Argentina acabaria por vencer todas as três partidas, nunca mostrando uma grande superioridade, e sendo assim relegaram a Rússia e a Grécia para o segundo e terceiro lugar, respetivamente.

 

Kai Sotto é um dos destaques asiaticos desde os 14 anos

 

GRUPO D

No grupo D o favoritismo recaia sobre duas seleções europeias na Servia e na Franca, e as mesmas mostraram todo o seu potencial num grupo onde também marcaram presença Porto Rico e China.

Nesta primeira fase, três das quatros equipas avançavam para a fase a eliminar e sendo assim o jogo da ultima jornada onde se enfrentaram a equipa sul americana e a equipa asiática era determinante para os dois conjuntos, e sobretudo um matchup muito interessante entre Julian Lee Strawther (nascido apenas em 2002) e Guo Haowen (um dos maiores destaques do torneio).

A seleção asiática venceria por 99-94, avançando assim para os Quartos de Final em conjunto com Servia (vencedora do grupo) e Franca (segunda classificada).

 

Playoffs

Chegávamos assim aos Oitavos de Final da competição com alguns matchups interessantes mas onde na verdade não existiram grandes surpresas a realçar.

Os Estados Unidos avançariam com uma vitoria confortável por 50 pontos de diferença frente a Letónia, a Lituânia liderada pelo base sensação Rokas Jokubaitis eliminaria a Austrália pela luta das medalhas e França, Porto Rico, Servia e Mali venceriam os seus respetivos adversários por diferenças acima dos 15 pontos.

Nesta ronda destaque para as partidas Canada – Senegal e Rússia – China, com vitorias para os canadianos e russos em duas partidas de enorme entusiasmo ofensivo. Biriam Faye (Senegal), mostrou o porquê de ser um dos jogadores com maior potencial nesta competição, mas a sua exibição pessoal não foi suficiente.

 

Nos Quartos de Final os americanos tiveram o seu primeiro teste de fogo frente a Rússia, numa partida com um ritmo de jogo extremamente alto, a maior versatilidade defensiva dos USA foram determinantes no resultado do jogo sendo que o maior destaque russo em todo o torneio e uma possível escolha no próximo Draft da NBA, Nikita Mikhailovskii, teve uma boa partida em frente aos vários olheiros presentes.

Lituânia e Servia protagonizaram um dos melhores jogos desta competição com um resultado final favorável aos lituanos por 92-85 e onde foi possível ver uma grande coleção do futuro risonho do basquetebol europeu com jogadores como Roko Jokubaitis, Flip Petrusev, Marko Pecarski e Zoran Paunovic (sendo que alguns já contam com minutos nas equipas principais dos seus clubes e, no caso de Petrusev, este irá remar a Gonzaga University na próxima temporada).

Na partida entre o Mali e Porto Rico tínhamos duas das seleções sensação da competição neste ano e dois dos melhores jogadores jovens em Oumar Ballo (futuro jogador de Gonzaga University) e Julian Lee Strawther (atualmente a jogar no highschool nos USA) em batalha.

 

Strawther protagonizou algumas exibições históricas neste torneio

 

Com uma boa segunda parte da dupla Konate e de um dos irmãos Drame, o Mali avançaria pela primeira vez na história para as meias finais.

No último jogo, e um dos mais esperados pelos olheiros da NBA, Canada e França defrontavam-se com o estatuto de possíveis adversários ao titulo dos USA e a equipa francesa sairia por cima num confronto extremamente físico com destaque para o (também) futuro Gonzaga Joel Ayayi que quase protagonizou um triplo duplo com 25 pontos, 8 ressaltos e 8 assistências.

 

Nas meias finais teríamos assim confrontos entre os USA – Lituânia e Mali – França.

 

Os Estados Unidos da América com todo o favoritismo, mostraram o porquê de ser a melhor equipa da competição ao bater os lituanos por 35 pontos de diferença muito devido a enorme discrepância na luta das tabelas onde os americanos ganharam 57 ressaltos contra os 38 da equipa europeia.

Na outra meia final o Mali iria protagonizar a melhor historia deste torneio ao bater a França por 76-73 num jogo de estilos bastante contrastantes e onde o conjunto africano com o as suas transições rápidas e capacidade atlética no ataque ao cesto levou a melhor fazendo com que, pela primeira vez, os campeões do AfroBasket, garantissem um lugar na luta pelo título.

 

Mali, e a Cinderella Story que criaram na sua campanha deste ano

 

FINAL INÉDITA

 

Numa final nunca antes vista, USA e Mali encontravam-se com todo o favoritismo a recair no conjunto norte americano que depois de ter perdido a final do ano passado frente ao Canada queria reaver um título que raramente lhes foge nestas competições jovens.

O Mali entrou melhor e acabou o primeiro período na liderança de forma surpreendente, mostrando que a presença na final não era nenhuma coincidência. Os americanos, porém, nunca tiveram uma desvantagem acima dos 7 pontos e no final da primeira parte passariam para a frente por 42-40 com destaque para os interiores Ballo e Coulibaly nos africanos e para Jeremiah Robinson e Tyrese Haliburton (Iowa State University).

 

O início do terceiro período marcaria o momento chave do jogo onde com uma entrada tremenda a nível defensivo por parte dos USA, estes abririam uma vantagem que chegou a ser na casa dos 18 pontos, muito pelo acerto ofensivo do lançamento exterior de Suggs e a liderança do base Cade Cunningham.

 

Saindo do banco e substituindo Konate na posição base no início do quarto período, a entrada de Martin Diakite foi essencial numa remontada que fez com que o Mali chegasse apenas aos 5 pontos de diferença no ultimo minuto, todavia o maior talento americano não claudicou ganhando assim o titulo por 93-78.

 

Classificação Final

  1. USA
  2. Mali
  3. França
  4. Lituânia
  5. Rússia
  6. Porto Rico
  7. Servia
  8. Canada
  9. Austrália
  10. Grécia
  11. Argentina
  12. Letónia
  13. Nova Zelândia
  14. Filipinas
  15. Senegal
  16. China

 

5 ideal da competição

Siriman Kanoute – Mali

Tyrese Haliburton – USA

Joel Ayayi – França

Oumar Ballo – Mali

Reggie Perry – USA (MVP da competição)

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter