Darius Bazley, a NBA por uma rota diferente

Tiago MagalhãesOutubro 25, 20183min0

Darius Bazley, a NBA por uma rota diferente

Tiago MagalhãesOutubro 25, 20183min0

Darius Bazley. Reconhecem o nome? Provavelmente não. Mas este, poderá certamente ser o jogador mais incógnito deste futuro Draft da NBA, e porque? Porque Bazley realizou o seu último jogo competitivo em Abril de 2018 no Nike Hoops Summit e só voltará a actuar novamente, se tudo correr bem, em Julho de 2019, na Summer League.

Nascido a 12 de Junho de 2000, Bazley foi uma estrela do liceu no Estados Unidos da América nas últimas temporadas, um dos selectivos atletas com ranking de 5 estrelas pela maioria dos outlets de média americanos e com um acordo verbal para representar a universidade histórica de Syracuse nesta temporada que se avizinha de NCAA. Até que… Tudo mudou.

O extremo poste de 2,06m chocou tudo e todos com a retirada do seu acordo verbal com os “Orange” e assinando um contrato com a agência de Rich Paul, sim.. a mesma agência de LeBron James e outros atletas de relevo mundial.

Até aqui, não vimos nada de anormal. Outros atletas tomaram o mesmo caminho como Terrence Ferguson (agora nos Oklahoma City Thunder) que rumou a Austrália para o seu primeiro contrato profissional ou como Mitchell Robinson, que abdicou da sua bolsa de estudo pela universidade de Western Kentucky para trabalhar com um personal trainer no seu jogo indiviual com vista ao Draft deste ano onde acabaria por ser seleccionado na segunda ronda. Estes são apenas dois exemplos de “saídas alternativas”, algo que se iniciou há quase uma década atrás com a vinda de Brandon Jennings para o Virtus Roma com apenas 18 anos.

Darius Bazley no treino de observação dos jovens talentos dos EUA

Mas afinal, o que tem de tão diferente o caminho de Bazley?

A família de Bazley entrou em contacto com a agência de Rich Paul aquando da sua decisão de não representar uma universidade mas também não assinar um contrato com nenhuma equipa da G League onde na teoria “seria difícil evoluir contra jogadores mais fortes e experientes, com outras ambições e num ambiente complicado como a G League” confessou o agente a ESPN e a partir deste momento foi criado um plano de futuro com um objectivo, o Draft 2019 da NBA.

Numa parceria inovadora e que “quebra o sistema actual”, o jovem atleta assinou um contrato com a New Balance (que não possui qualquer atleta da modalidade no seu portefólio desde a década de 90 onde a estrela James Worthy endereçava a companhia) e será a cara da re-introdução da marca no basquetebol oferecendo um contrato de 1 milhão de dólares que pode chegar aos 14 milhões se Bazley atingir certos objectivos.

O que é mais raro disto tudo?

O americano terá de realizar uma espécie de “estágio profissional”  durante 3 meses em Boston pela companhia, onde para além de manter o regime de treinos rigoroso em preparação para a NBA, irá também aprender a parte criativa e de marketing da empresa no seu quartel geral como um “funcionário normal”.

O nativo de Ohio está em boas mãos, não fosse a agência uma das mais conceituadas do momento com atletas como LeBron James, John Wall e Ben Simmons, mas será esta a melhor solução para um jogador que neste momento aparece possivelmente na primeira ronda do Draft da NBA em 2019?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter