As boas e más surpresas da NBA 2021 até ao momento

João FerreiraNovembro 20, 20214min0

As boas e más surpresas da NBA 2021 até ao momento

João FerreiraNovembro 20, 20214min0
João Ferreira escolhe 4 destaques deste arranque da NBA, dois positivos e dois negativos. Fica a saber quem foi alvo de análise neste artigo

Todos os anos há equipas e jogadores que se destacam tanto pela positiva como pela negativa. Este não é um ano muito diferente. Se no início do ano fiz uma previsão daqueles que seriam os melhores jogadores e melhores equipas, tem-se vindo a confirmar que, por exemplo, os Chicago Bulls têm sido uma das melhores equipas e que Stephen Curry tem sido e é, neste momento, o MVP da NBA.

Mas, à data de hoje, há equipas e jogadores que se destacam ainda mais por não se estar à espera, no início do ano, de serem destaques por esta altura. Começamos pelos positivos.

Golden State Warriors

Os campeões durante anos e anos da NBA passaram dois maus anos depois do abandono de Kevin Durant da equipa de Oakland e das lesões de Thompson e Curry. A equipa ressentiu-se muito, mas a expectativa vinha em crescendo principalmente para ver o que Curry conseguiria fazer com uma equipa claramente abaixo daquilo que tinham sido os conjuntos anteriores.

A verdade é que Curry elevou o seu jogo, provavelmente, ao melhor de sempre e faz com que uma equipa com jogadores medianos, como Poole, Looney ou Wiggins, tenham, neste momento, o melhor registo da NBA. De registar que Thompson e Wiseman ainda regressam este ano, pelo que a equipa de Golden State voltou a ser um claro contender ao título da NBA, e a fazer frente aos Lakers de LeBron.

Miles Bridges

O extremo da equipa dos Charlotte Hornets é um dos jogadores cuja evolução mais surpreende este ano. Um jogador que era muito limitado ao nível do lançamento tanto de 2 como de 3 pontos, tornou-se num jogador que não tem medo de não se aproximar do cesto e deixou de tentar afundar como fazia usualmente.

Com média de 21.3 pontos por jogo, Charlotte conquistou um jogador que está neste momento na corrida para MIP. De notar, que no início do ano, o jogador rejeitou o contrato que os Hornets lhe ofereceram por acreditar que merecia receber mais. Verdade seja dita, está a fazer por merecer mais do que àquilo que lhe foi oferecido então.

Passando aos negativos.

La Lakers

A assombração das lesões contínuas ou o efeito stat padel de Russell Westbrook? As teorias são muitas para a causa dos Lakers serem uma das principais, senão mesmo, a principal desilusão da NBA até ao momento.

A verdade é que a equipa da Califórnia, até ao momento, pouco ou nada mostrou daquilo que é o seu basquetebol puro. LeBron tem estado lesionado e o seu papel enquanto treinador adjunto de Vogel não tem corrido de feição com Westbrook a mostrar que é claramente mais um problema que uma solução e que AD precisa urgentemente do King ao seu lado para conseguir complementar o seu jogo.

Os Lakers enfrentam uma série de derrotas inexplicáveis que, até há dois anos, nunca se imaginaria e este não é, definitivamente, um bom momento para ser fã deste franchise histórico.

Milwaukee Bucks ou Boston Celtics – escolham vocês

Esta é uma dicotomia que há uns tempos não podia ser apresentada. Aliás, até é estranho colocar como equipa desilusão o franchise campeão em título. No entanto, as exibições paupérrimas dos Bucks fazem com que se encontrem em lugar de play-in, mas com uma vida muito apertada com uma clara melhoria das equipas na Conferência Este.

Este momento mais negativo é acompanhado por uma certa ineficácia de Giannis em construir jogo com a equipa que tem à sua volta, sendo que Brook Lopez e DiVicenzo fazem muita falta a uma equipa que tem um claro problema de profundidade. A par deste franchise, temos os Boston Celtics que se têm demonstrado como uma equipa em rutura de stock. Tanto têm jogos muito bons como a seguir conseguem fazer as maiores desgraças já vistas.

Com um 5 inicial forte, sendo que falta apenas um poste claramente titular (mesmo tendo Kanter, que parece não contar), mas com um banco com muita profundidade, mas pouca qualidade, Boston também se encontra em lugar de play-in, mas é um lugar que irá ser muito disputado este ano.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter