Andebol 1 à Lupa: o Águas Santas à procura da afirmação completa

Bernardo GalanteSetembro 14, 20215min0

Andebol 1 à Lupa: o Águas Santas à procura da afirmação completa

Bernardo GalanteSetembro 14, 20215min0
O Águas Santas surpreendeu em 2020/2021 e poderá ser agora uma confirmação no Andebol 1 nesta época. A análise ao emblema da Maia

Após o quarto lugar conquistado na passada edição do Campeonato Nacional Andebol1, a turma maiata encara esta nova época, de forma ambiciosa e a contar com mudanças no comando técnico relativamente a 20/21. Fica a conhecer melhor o Águas Santas!

UM TREINADOR JOVEM PARA DAR CONTINUIDADE AO PROJETO

Ricardo Moreira é o novo treinador da equipa sénior da Associação Atlética de Águas Santas. Dono de uma carreira recheada de experiência dentro das quatro linhas como jogador profissional, onde representou o Futebol Clube do Porto durante doze temporadas e, que nessa casa, conquistou catorze títulos.

No seu curto percurso como treinador, Ricardo Moreira já comandou o plantel dos Sub-19 dos Dragões tal como a respetiva equipa B durante as épocas de 2017/18 e 2019/20. A época passada, liderou o ADA Maia/ISMAI à oitava posição do Campeonato Nacional Andebol1, fruto de 55 pontos conquistados em 30 jogos disputados.

Na mesma cidade, mas a comandar um outro emblema – a Associação Atlética de Águas Santas, o técnico natural da Figueira da Foz terá como objetivo igualar o quarto lugar conquistado na época passada e, consequente, acesso às competições europeias.

UM MERCADO DE VERÃO CALCULADO PELO EMBLEMA DA MAIA

Face à época transata, verificou-se a saída de um total de sete atletas – somente três não se encontravam emprestados. Deste lote de saídas, apenas Nuno Grilo, Pedro Cruz, Henrique Carlota e Craig McClelland representaram o Águas Santas, em 2020/21.

O lateral Nuno Grilo, irá representar o FC Gaia comandado pelo histórico Carlos Resende. Henrique Carlota mudou de emblema na cidade da Maia e irá atuar pelo ADA Maia/ISMAI. O guarda-redes britânico Craig McClelland, viajou até à cidade de Setúbal com o propósito de representar o Vitória FC, enquanto Pedro Cruz – o melhor marcador da passada edição da Andebol1 – assinou pelo campeão nacional, o Futebol Clube do Porto.

Os atletas que se encontravam emprestados como é o caso de Mário Rego, Dinis Aparício e João Saavedra saíram em definitivo, de modo a representar o Cournon D’Auvergue [França], o SC Horta e o Boavista FC, respetivamente.

REFORÇOS ENQUADRADOS NO PROJETO

A Associação Atlética de Águas Santas, teve sempre presente na sua essência a aposta em jovens jogadores. Esta temporada, houve um total de cinco contratações – sendo três delas por empréstimos oriundos do FC Porto.

O central André Sousa, o ponta Miguel Pinto e o lateral Rúben Ribeiro, chegaram à Maia emprestados pelo Futebol Clube do Porto. Os três atletas são donos de passagens significativas pelo andebol sénior, apesar de ser ainda jovens jogadores. André Sousa vem de duas épocas a competir na Andebol1, primeiramente ao serviço do FC Gaia e, de seguida, a representar a Artística de Avanca.

Miguel Pinto, na temporada passada, esteve emprestado ao FC Gaia, porém, anteriormente, fez parte do plantel principal do FC Porto – onde conquistou um título de Campeão Nacional, uma Taça de Portugal e uma Supertaça Portuguesa. Rúben Ribeiro, após três épocas de empréstimo à Associação Artística de Avanca, ingressou em Espanha na época 19/20 para representar o CB Cangas, igualmente, por empréstimo.

Para além destes três atletas, o emblema da Maia reforçou-se com outro atleta dos quadros do Futebol Clube do Porto, porém, de forma definitiva – o lateral-direito Miguel Baptista que chegou a ser apontado como reforço do Sporting CP. O canhoto natural de Muge, distrito de Santarém, estava ligado aos Dragões desde a época 2011/12 – altura em que saiu do seu emblema de formação, o CA Salvaterra de Magos, para rumar à Invicta. O atleta esteve ainda emprestado pelos Dragões à Artística de Avanca, Chartres [França], ABC, CB Nava e CB Cangas [Espanha].

De forma a colmatar as saídas dos guarda-redes Henrique Carlota e Craig McClelland, o emblema da Maia prosseguiu para a contratação de um atleta oriundo da sua formação – o jovem Alexandre Magalhães. O guardião de 21 anos fez toda a sua formação no Águas Santas, porém, na época 19/20, rumou ao Póvoa Andebol Clube onde conquistou uma subida de divisão e a oportunidade de jogar no patamar mais alto do andebol nacional.

ÍNICIO DE ÉPOCA COM GRAU DE DIFICULDADE ELEVADO

O sucesso conseguido na temporada passada, valeu aos maiatos disputarem a 1ª eliminatória de acesso à Fase de Grupos da EHF European League, contudo o adversário em sorteio antevia-se, desde cedo, muito complicado – os espanhóis do Ciudad Logroño. Juntamente com as jornadas europeias, viria logo de seguida a Supertaça Portuguesa, disputada em formato FinalFour – o que antecipava uma sequência de três jogos de dificuldade elevada.

O primeiro desses três foi, em casa, frente ao Ciudad Logroño num jogo em que os maiatos colocaram a equipa espanhola em sentido e, levaram a cabo um empate a 26 bolas. A eliminatória seria desempatada em Espanha. Porém, no país vizinho, tudo foi diferente e a equipa da comunidade da La Rioja viria a vencer por 34-28 e, consequentemente, ditar a eliminação do Águas Santas das competições europeias.

Na meia-final da Supertaça Portuguesa, os comandados de Ricardo Moreira defrontaram o Sporting CP, onde viriam a perder por 35-30 num jogo em que os leões tomaram a dianteira desde os primeiros minutos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter