Os meninos do Seixal: prontos a emergir ou será muito cedo para dar o salto?

Daniel CarvalhoFevereiro 10, 20185min0

Os meninos do Seixal: prontos a emergir ou será muito cedo para dar o salto?

Daniel CarvalhoFevereiro 10, 20185min0
O Benfica ‘B’ versão 2017/2018 é caraterizado por ser a equipa mais jovem de sempre dos encarnados desde a sua recriação em 2012. Com um futebol muito ofensivo e de transições defesa-ataque rápidas, o Benfica ‘B’ tem espelhado, mais do que um coletivo sólido, uma qualidade individual muito acima da média.

Assim sendo, as oportunidades para integrar a equipa principal têm aparecido ao longo de toda a época, apesar de ainda ninguém ter conseguido segurar um lugar definitivo no plantel principal das águias.

Com as recentes lesões de Salvio e de Krovinovic, os olhos de Rui Vitória apontaram de imediato para a equipa ‘B’ e na preparação do jogo de hoje frente ao Portimonense 6 jovens jogadores integraram as sessões de treino no Seixal, entre eles: João Félix, Gedson Fernandes, Francisco Ferro, Chris Willock, Florentino Luís e Keaton Parks. Com o infortúnio de uns, surge a sorte de outros e a verdade é que este é o melhor momento da temporada para as jovens promessas encarnadas provarem o seu valor. O FairPlay aborda aqui alguns dos craques que em pouco tempo poderão estar nos grandes palcos do futebol português.

Se Ruben Dias está a ser a agradável surpresa do plantel principal dos encarnados, Francisco Ferreira estará também desejoso pela oportunidade de poder mostrar o seu futebol e deixar os adeptos de água na boca. Ocupa hoje o lugar que em tempos foi de Ruben Dias, isto é, o de patrão da defesa da ‘B’, e que bem se tem saído. Rápido, forte fisicamente e muito evoluído no jogo aéreo, Francisco Ferreira, a par de Kalaica, posiciona-se hoje como uma alternativa bastante viável às opções de Rui Vitória. Recentemente, o zerozero revelou o interesse do Liverpool em adquirir o passe do internacional sub-21 português.

Francisco Ferreira, o futuro da defesa encarnada (foto SL Benfica)

Se avançarmos um pouco no terreno, nomes de jogadores com talento é aquilo que não vai faltar. Gedson Fernandes é, provavelmente, aquele que mais perto estará de assumir um lugar no plantel principal do tetracampeão nacional. Muito veloz com e sem bola, disputa cada lance como se fosse o último, valências que lhe têm valido a alcunha de “novo Renato Sanches”. Com a bola nos pés raramente decide mal, tendo um passe longo muito apurado para a idade apresentada (18 anos). A robustez física é, sem dúvida, a caraterística que o faz estar mais próximo da Liga NOS, isto se o compararmos com os restantes colegas de plantel. No passado fim-de-semana frente ao Varzim SC assina um golo notável, o qual permitiu aos encarnados saltar para a frente do marcador.

Com caraterísticas completamente distintas de Gedson, segue-se o ‘mágico’ João Félix que tem estado na ‘boca’ de todos os jornais desportivos, fruto do hat-trick que apontou frente ao Famalicão. Renovou recentemente com o Sport Lisboa e Benfica após completar 18 anos de idade, ficando vinculado ao clube da Luz até 2023. Entrou para a Caixa Futebol Campus em 2015, proveniente do FC Porto (sim, isso mesmo…. FC Porto). João Félix é conhecido para os lados do Seixal como o quebra-recordes, resultado daquilo que tem vindo a conquistar com tenra idade. Em setembro de 2016, tornou-se o mais jovem de sempre a atuar pelo Benfica ‘B’ na Ledman, na altura com 16 anos, ainda júnior de 1º ano. Em fevereiro de 2017 passou a ser o mais jovem de sempre a marcar na II Liga, com um golo frente ao Académico de Viseu. Já em 2018, inscreveu o seu nome no topo da lista dos mais jovens de sempre a marcar 3 golos num só jogo.

Feita a introdução, percebemos que se trata de um jovem com uma qualidade diferenciada. Trata a bola como ninguém no plantel encarnado, desde as receções orientadas às fintas de corpo bem caraterísticas do seu futebol, João Félix é a maior dor de cabeça para os adversários da equipa encarnada. Deixamos aqui um vídeo com algumas das jogadas do médio encarnado.

Na frente de ataque surgem os inevitáveis Zé Gomes e Heriberto Tavares. Se por um lado Zé Gomes está muito abaixo daquilo que já mostrou e, por consequente, lhe valeu a estreia no plantel principal na temporada passada, por outro Heriberto tem revelado um faro muito apurado pelo golo e está num bom momento de forma.

Zé Gomes tarda em aparecer como peça-chave no plantel da equipa ‘B’, apesar da velocidade de ponta e do excelente toque de bola que lhe é reconhecido. Heriberto Tavares é já o melhor marcador de sempre da ‘B’ na Ledman, apontando assim a uma eventual chamada de Rui Vitória.

‘Heri’, o homem golo da B (foto SL Benfica)

Dado isto, estamos perante uma das equipas ‘B’ mais recheadas da história da Ledman. Da defesa até aos homens mais avançados há opções para todos os gostos e o melhor de tudo isto é que nos estamos a referir a jovens com uma média de 18 anos de idade. Se estão prontos para dar o salto para a equipa principal? A resposta provavelmente será não, mas a verdade é que Rui Vitória tem de estar muito atento àquilo que se passa no Seixal, agora mais do que nunca! As lesões que abalaram a equipa principal foi uma porta de entrada para os mais jovens começarem a mostrar o seu valor junto dos mais experientes. Para já, resta esperar e ver aquilo que o técnico encarnado tem preparado para esta ‘nova fornada’ de talentos da Caixa Futebol Campus.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter