Os mais experientes da Ledman Liga Pro – edição 2018/2019

Daniel CarvalhoAgosto 12, 20185min0

Os mais experientes da Ledman Liga Pro – edição 2018/2019

Daniel CarvalhoAgosto 12, 20185min0
Após o apito inicial para mais uma campanha da Ledman Liga Pro, que se adivizinha cheia de emoções, bom futebol e indecisão até ao final, o Fair Play faz, nesta altura, uma análise a alguns dos números que caraterizam este campeonato. Desta vez, vamos perceber de que forma a maturidade e a experiência de alta competição poderão fazer a diferença para alguns dos emblemas que compõe a II Liga portuguesa

Evaldo (Cova da Piedade) – 36 anos

Um jogador com um percurso muito peculiar no nosso futebol. Chega em 2003 ao FC Porto de José Mourinho oriundo do Atlético Paranaense como jovem promessa brasileira. Apesar de se ter sagrado campeão nacional e de ter ganho a supertaça ao serviço dos azuis e brancos, os curtos 3 jogos que realizou nessa temporada fizeram os responsáveis do Porto cedê-lo ao Marítimo. Na Madeira, cumpriu 4 temporadas, assumiu a titularidade e destacou-se através da sua força e rapidez na ala esquerda. As boas exibições deram-lhe um bilhete de regresso ao continente e desta vez para atuar no SC Braga.

No SC Braga, fica para a história a temporada de 2009/2010, quando Domingos Paciência monta uma equipa de sonho, a qual levou a cidade inteira de Braga a lutar pelo título com o SL Benfica até á última jornada do campeonato. No final da época, não faltaram pretendentes a querer levar os minhotos para clubes de maior dimensão e Evaldo não foi exceção. No final dessa época, transferiu-se para o Sporting CP por 3 milhões de euros.

A partir daqui a carreira de Evaldo foi em decrescendo. Mais uma vez não consegue impor o seu futebol num dos 3 grandes e o destino iria mesmo ditar que o brasileiro iria realizar as suas últimas temporadas como jogador profissional ao serviço do CD Cova da Piedade. Aqui, as coisas têm corrido de feição para o lateral esquerdo. Numa equipa que depende de algumas peças chave para fazer fluir a sua ideia de jogo, Evaldo tem aparecido com rótulo de imprescindível para todos os treinadores que têm passado pela equipa de Almada. Realizou 82 jogos nas duas últimas temporadas, tendo sido sempre recordista de minutos entre os jogadores de campo do plantel.

No final da temporada passada renovou com o clube e tudo indica que aos 36 anos voltará a ser aposta forte do Cova da Piedade, tendo em vista um campeonato tranquilo e com a manutenção garantida o mais rápido possível.

Evaldo em jogo da taça contra a sua ex-equipa (foto: GettyImages)

Peçanha (Paços de Ferreira) – 38 anos

Mais um brasileiro entre os mais experientes a Ledman Liga Pro e mais um ‘velho’ nome do futebol português. Todos os seguidores do futebol português conhecem as grandes exibições de Peçanha ao serviço de Paços de Ferreira (2005-2008) e Marítimo (2009-2012). Nunca chegou a chamar a atenção de algum grande do nosso futebol, mas esteve sempre entre as referências da baliza, seja pela regularidade, seja pelas boas épocas realizadas tanto pelos Pacenses como pelo Marítimo, ou até mesmo por grandes intervenções que muitas vezes ficavam entre as melhores defesas da temporada.

Viu na Grécia e na Roménia a oportunidade de efetuar carreira fora de Portugal, mas o destaque não foi o suficiente para o levar até outros patamares do futebol europeu. Volta a Portugal pela mão do Feirense e para mais uma chance de Liga NOS. No entanto, não consegue assumir a titularidade da equipa de Santa Maria da Feira e os diminutos 11 jogos que fez em toda a temporada enviaram Peçanha para a II Liga Portuguesa.

A temporada de 2017/2018 deu a Peçanha uma nova vida e muito daquilo que foi a boa temporada do Académico de Viseu deveu-se à segurança e às boas exibições do guardião brasileiro.

Agora, 196 jogos oficiais depois está em Coimbra, num dos clubes mais emblemáticos de Portugal (AA Coimbra). Se tudo correr como previsto, Peçanha, aos 38 anos, fará mais uma temporada de grande nível nos relvados portugueses. Um fim de carreira está a aproximar-se a cada época que passa, mas Peçanha parece estar ainda “para as curvas”, tendo em conta o excelente índice físico que ainda continua a exibir.

Um dos históricos guarda redes do nosso futebol na última década (Foto: zerozero)

Nelsinho (Varzim) – 39 anos

Chegamos a um dos atuais casos de estudo do futebol português. Ao contrário de muito daquilo que se escreve, Nelsinho, tem vindo a transformar o seu futebol em classe pura com o avançar da idade. Aquela que para muitos é uma barreira à qualidade, para Nelsinho parece ser um acrescento de valor. Mas já lá vamos.

Uma carreira realizada a 100% em Portugal é o cartão de visita do médio do Varzim. Foi passando por clubes de dimensão ‘inferior’ como o Fafe, o Vizela, o Trofense, o Gondomar ou até mesmo o GD Ribeirão. Passou ainda por Estoril Praia (II Liga) e SC Braga, tendo apenas realizado um jogo. Nessa temporada onde assinou pelo Braga, viaja até ao Estrela da Amadora por empréstimo e realiza uma das temporadas mais marcantes da sua carreira, tendo conduzido a equipa da Amadora até à I Liga após se ter sagrado campeã da Ledman Liga PRO.

Está no Varzim desde 2013/2014, e aqui a maturidade como jogador tem-lhe permitido estabilizar a sua carreira. Após um conjunto de épocas de bom nível, o grande destaque chegou mesmo na temporada passada…. Aos 38 anos!

Nelsinho foi o jogador mais pontuado pelo Jornal Record na temporada transata. Apesar de grandes talentos terem despontado, de bons jogadores terem viajado até clubes de dimensão superior a nível nacional e até mesmo internacional, foi Nelsinho quem pôs de lado a expressão ‘velhos são os trapos’ e arrecadou o prémio de jogador mais pontuado na Ledman Liga Pro, edição 2017/2018. Atualmente, o peso do médio é inquestionável, tanto dentro de campo como no balneário. Foi utilizado em todos os jogos oficias da temporada passada, tendo marcado 6 golos.

Aos 39 anos é o veterano máximo da Ledman Liga Pro (foto:Zerozero)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter