Liga BPI 21/22– As confirmações, surpresas e desilusões da 1ª Fase pt.2

Margarida BartolomeuNovembro 30, 20216min0

Liga BPI 21/22– As confirmações, surpresas e desilusões da 1ª Fase pt.2

Margarida BartolomeuNovembro 30, 20216min0
Margarida Bartolomeu fecha a actualização da 1ª Fase da Liga BPI 2021/2022 e explica quem passa à fase seguinte e como correu até este ponto

Na sequência do artigo anterior, venho agora indicar as jogadoras que, na minha modesta opinião, mais se destacaram nesta 1ª Fase da Liga BPI, quer na Zona Norte, quer na Zona Sul.

Zona Norte

O campeonato, a Norte, foi total e completamente dominado por uma avassaladora equipa do Sporting Clube de Braga. Vou, então, ter que destacar uma das suas jogadoras como uma das confirmações da Série Norte, Paige Almendariz. A jovem lateral esquerda já tinha demonstrado a sua qualidade durante a época transata, mas, no entanto, deu um salto qualitativo e tornou-se peça chave nas arsenalistas (infelizmente lesionou-se com gravidade no joelho e irá parar alguns meses).

A sua velocidade, intensidade, capacidade física, qualidade ofensiva e técnica são dignas de destaque. Por outro lado, e fora da dominadora equipa do Braga, tenho que destacar Danai Kaldaridou, que voltou a demonstrar ser uma peça essencial na equipa do Clube Albergaria, pela forma como se entrega ao jogo, decide com critério e gere os tempos de jogo da equipa, atuando quer como avançada, quer como média (podia também destacar Cláudia Lima, do Valadares Gaia, entre outras jogadoras).

No que às surpresas diz respeito, destaco duas jovens jogadoras que são donas de um grande potencial, e foram capazes de o colocar em campo e “surpreender” pela forma como agarraram o lugar e se tornaram tão importantes no modelo de jogo das suas equipas. Falo de Mariana Campino, do FC Famalicão, e também de Inês Macedo, do Länk Vilaverdense.

A cumprir a segunda época ao serviço do Famalicão, a Mariana Campino fixou-se no 11 de Jorge Barcellos e cumpriu os 7 jogos da primeira fase, marcando até um golo. Muito aguerrida, tecnicamente evoluída e capaz de oferecer boas soluções ofensivas, a jovem defesa demonstrou muita maturidade e qualidade, sendo que o seu potencial de crescimento ainda é imenso. Por outro lado, Inês Macedo, é uma jovem avançada de 21 anos, proveniente da formação do Sporting, onde sempre foi a goleadora de serviço.

No entanto, o seu desenvolvimento foi algo afetado por uma grave lesão, tendo acabado por abandonar o clube verde e branco. No entanto, o seu crescimento foi notório, e está a demonstrar, a nível sénior, aquilo que demonstrou nos escalões de formação – a capacidade de finalização. 7 jogos na Liga BPI, 5 golos marcados, o que é demonstrativo da sua importância para a manobra ofensiva da equipa.

Por fim, destaco a jogadora que, pela qualidade que lhe é conhecida, e pelas expectativas que lhe eram depositadas, mais me desiludiu – Laís Araújo.

A média/avançada brasileira prometia muito – rápida, possante, muito dotada tecnicamente, e proveniente de um clube de dimensão na Liga Iberdrola (Madrid CFF). No entanto, cumpriu apenas 4 jogos (os primeiros da Liga), onde fez apenas 1 assistência, tendo acabado por voltar à equipa anterior, o Madrid CFF. Confesso que me “soube a pouco”, e esperava um pouco mais da jogadora.

Zona Sul

No que à Série Sul da Liga BPI diz respeito, a 1ª Fase foi bastante mais disputada, havendo 3 equipas que, à última jornada, disputavam os 2 últimos lugares de acesso à Fase de Apuramento de Campeão. Em primeiro lugar ficou o SL Benfica, e é nesta equipa que considero estar a maior confirmação, e a maior desilusão. Se por um lado, a Francisca “Kika” Nazareth confirmou todo o potencial (e tanto que ainda tem) e qualidade que vinha a demonstrar desde a segunda metade da época transata (visão de jogo, capacidade técnica muito acima da média, capacidade finalizadora, inteligência posicional, …), tendo marcado 9 golos em 5 jogos, com algumas assistências à mistura, tornando-se uma das jogadoras mais importantes no modelo de jogo de Filipa Patão, a verdade é que a jogadora que mais me desiludiu nesta 1ª Fase é também ela, parte integrante do plantel das encarnadas.

Falo então de Christy Ucheibe, média de grande qualidade e potencial, mas que me pareceu algo inconstante durante esta fase da Liga BPI. Ainda é muito jovem, e tem margem para crescer, pois a qualidade está lá.

No entanto, pareceu-me menos intensa e constante em termos exibicionais, sendo capaz do melhor e do pior dentro do mesmo momento de jogo. Tenho que destacar, no entanto, outra jogadora “confirmação”, que se apresentou num nível elevadíssimo – Diana Silva. A avançada verde e branca regressou esta temporada ao Sporting, e vem uma jogadora muito mais forte, mais completa, mais intensa, mais inteligente.

Será caso para dizer que as adversidades que encontrou em Inglaterra a fizeram mais forte, e contribuíram muito para o seu desenvolvimento enquanto jogadora. É também no plantel das Leoas que encontro a primeira “surpresa”… Brenda Pérez, média, com muita experiência na Liga Iberdrola (Espanha). Se, na teoria, muito se esperava dela, a verdade é que ninguém esperava que tivesse todo este impacto. Jogadora de baixa estatura, não se escusa aos duelos (e tantos que ganha), dona de uma visão de jogo muito acima da média (joga sempre a 1, 2 toques), faz toda a equipa jogar, sabendo exatamente quando temporizar ou acelerar o jogo. E o que dizer dos seus golos (leia-se golões)!

É, a meu ver, e a par de Cloé Lacasse, a melhor jogadora da Liga (e talvez a par da internacional holandesa Anouk Dekker).

Quanto às maiores surpresas da Zona Sul, destaco Joana Silva, jovem internacional portuguesa do Marítimo, que agarrou um lugar no 11 e tem demonstrado imensa qualidade e maturidade (curiosa para acompanhar o seu crescimento), e Jéssica Pastilha, do Clube Atlético Ouriense, nome já conhecido no seio do Futebol Feminino Português, e que tem vindo a reencontrar a sua melhor forma (e que exibições tem feito!) no clube de Ourém, onde se tornou peça chave. Poderia destacar mais nomes, como o óbvio caso de Telma Encarnação (confirmação) e Tânia Mateus (surpresa para alguns, confirmação na minha opinião), ambas do Marítimo, Raquel Ferreira e Tânia Rodrigues, ambas do Torreense, ou Mafalda Marujo do Amora. Mas fico-me por aqui.

O regresso da Liga BPI dá-se este fim de semana, e prevê-se uma 2ª Fase muito disputada!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter