Os cinco principais destaques do início da Série A

Pedro CouñagoSetembro 28, 20188min0

Os cinco principais destaques do início da Série A

Pedro CouñagoSetembro 28, 20188min0
O Fair Play analisa alguns dos principais destaques deste início da Série A, tanto coletivos como individuais, positivos e negativos.

A Série A italiana começou em agosto, mas desde já surgem alguns destaques que merecem ser referenciados. Ao longo de 38 jornadas, ainda surgirão muitas mais surpresas, mas, em baixo, seguem as nossas observações sobre estas primeiras seis jornadas!

Lado Positivo

O passeio da Juventus

Mais uma época e mais um passeio da parte da Juventus no campeonato italiano. Agora com Cristiano Ronaldo e com outros reforços como João Cancelo, Emre Can e o retornado Bonucci, a equipa ficou ainda mais forte e a dúvida está em quem é que conseguirá parar a equipa de Turim. Até agora, os bianconeri seguem só com vitórias, ainda que algumas delas sofridas, mas a verdade é que os 3 pontos foram sempre assegurados.

A equipa tem elementos poderosos na frente, como CR7 e Mario Mandzukic, que lhe permite estar sempre perto do golo, tantas são as oportunidades proporcionadas, falta a equipa ser mais concretizadora. No meio campo poderá estar a zona do campo em que a equipa pode melhorar, pois os seus jogadores ainda não estão na sua melhor forma e não apoiam a defesa da sua melhor maneira. Nas primeiras 6 jornadas, tal não se refletiu em pontos perdidos, mas contra equipas maiores tal pode-se revelar um problema.

Paulo Dybala é o jogador que precisa ainda de ser melhor potenciado nesta dinâmica da equipa. Definitivamente, a jogar, terá de ser atrás do ponta de lança para resultar bem, mas falta maior entrosamento e adequação à posição, pois ele quase jogará como terceiro elemento do meio campo e tal leva a maior debilidade de um meio campo atrás de si de dois homens. Massimiliano Alegri ainda tem de descobrir a melhor fórmula de encaixar tanta estrela, mas, por enquanto, a qualidade individual e força mental levou a Juve a vencer todos os jogos da temporada até ao momento.

Super Sassuolo

A equipa neroverdi começou em grande esta época, levando já 13 pontos em 6 jogos disputados e tendo apenas uma derrota, frente à equipa acima mencionada. A equipa do Mapei Stadium sempre teve o potencial de fazer boas épocas, não tivesse jogadores como Andrea Consigli, Stefano Sensi e o craque Domenico Berardi, mas a verdade é que a saída de Eusebio di Francesco trouxe dificuldades na passada época.

Nesta, com maior conhecimento das ideias do treinador e com um substancial reforço do plantel, com jogadores como o central Marlon, o jovem centrocampista Manuel Locatelli, o craque Kevin Prince-Boateng e o goleador Khouma Boubacar, a equipa ganhou bem mais poder de fogo para atacar a nova temporada, e a verdade é que não poderia estar a correr muito melhor do que isto.

Tem havido motivos para festejar neste início de temporada para o Sassuolo, e Boateng tem sido um dos principais motivos para tal acontecer (Foto: Goal.com)

Catorze golos marcados revelam o poder ofensivo da equipa, que joga sempre com base na posse de bola e de forma a pressionar o adversário, por vezes descurando até a parte defensiva do jogo, já levando 8 golos sofridos nos mesmos 6 jogos. Roberto de Zerbi tem muita matéria prima com que trabalhar nesta temporada, e a verdade é que o Sassuolo, com este início de campeonato, tem de ser considerado como candidato às competições europeias da próxima época.

Lado Negativo

Roma

O clube romano, nas últimas temporadas, tem conseguido estar próximo das principais discussões, conseguindo apresentar-se a um nível mais próximo de Nápoles e Juventus, permanecendo constantemente no pódio do campeonato italiano. Na passada temporada, chegou inclusivamente às meias finais da Champions, fazendo uma campanha europeia bem acima das expectativas.

No entanto, este ano, ainda que a equipa se tenha reforçado de forma interessante, não fosse o seu diretor desportivo Monchi, o futebol apresentado está longe daquele atrativo que vinha caracterizando a equipa de Eusebio di Francesco.

As debilidades defensivas são imensas, como é o bom exemplo do empate do clube romano face ao Chievo no passado fim de semana, em que a equipa, estando a ganhar 2-0 em casa, ia sucessivamente concedendo oportunidades de finalização ao adversário, acabando por empatar a 2, e tendo pouca capacidade de parar o jogo pelas alas, com os laterais desposicionados e um meio campo incapaz de proteger a sua defesa.

Já ofensivamente, a equipa parece previsível, jogando de forma lenta e vivendo dos rasgos individuais dos seus jogadores da frente. El Shaarawy até não tem estado em mau nível, Justin Kluivert parece ter um futuro bem promissor e Edin Dzeko continua a ter a classe de sempre, mas não chega, é preciso haver um fio condutor de jogo, e neste momento está difícil a equipa tê-lo.

Edin Dzeko continua com a classe de sempre, sendo a estrela maior romana. Veremos se conseguirá guiar a Roma a um melhor campeonato do que o início tem indicado (Foto: TUTTOmercadoWEB.com)

Desta forma, a equipa parece já longe de poder disputar o título, estando a 10 pontos da Juventus, e terá de fazer melhor se quer ir à Liga dos Campeões da próxima temporada. Os seus adversários diretos não estão num nível espetacular, mas parecem mais capazes de ser consistentes.

Frosinone será o Benevento desta temporada?

O início de temporada para o recém promovido Frosinone não está a ser nada fácil. Ainda que a equipa já tenha feito bons jogos, como o realizado contra a Juventus no passado fim de semana e aquele que lhe trouxe o primeiro e único ponto até ao momento, com o Bolonha, a verdade é que já leva 16 golos sofridos em 6 jogos e nenhum marcado, o que parece mostrar que será penoso este campeonato para esta equipa de menor dimensão.

O campeonato italiano está cada vez mais competitivo e se a equipa não se adapta rapidamente ao nível no qual está agora a jogar poderá ter reais dificuldades em fazer algo de relevante nesta época. Veremos se jogadores como Joel Campbell, que já passou pelo Sporting, e Stipe Perica conseguem colocar a equipa a marcar e se o guarda redes italiano Marco Sportiello, bom guardião, consegue evitar uma derrocada completa por parte da equipa.

Os destaques individuais vão para Krzysztof Piatek, do Génova, e Rodrigo de Paul, da Udinese

O avançado polaco do Génova é o melhor marcador da Série A, com 6 golos marcados, revelando-se como o autêntico abono de família de um clube que foi afetado pela tragédia na cidade em Agosto e que parece estar motivada para dar uma alegria aos seus fiéis adeptos, que bem merecem.

Dois terços dos golos, até agora, foram apontados pelo polaco, que está assim à espreita de um lugar numa seleção em que pontifica Lewandowski. O jogador tem 23 anos e está agora a disparar a sua cotação, sendo esta a sua primeira época fora da Polónia, e, a marcar desta forma, poderá não ficar muito tempo por terras genovesas.

Piatek é o maior destaque em termos de golos até ao momento. Diz-se que o Barça já está no trilho do jovem avançado (Foto: BeSoccer)

Já Rodrigo De Paul é um jogador mais conhecido dos adeptos do futebol internacional, já tendo passado por Valência e tendo sido associado ao Sporting no passado verão. O argentino quer brilhar esta época numa Udinese que não parece ter muita capacidade para fazer mais do que um campeonato tranquilo, a meio da tabela. Ainda assim, com a sua técnica e capacidade de explosão, De Paul tem tido uma intervenção bastante ativa na manobra ofensiva da equipa, intervindo em 6 dos 7 golos da equipa (4 golos e 2 assistências) até ao momento, revelando-se como o “dono da bola” em Udine.

Nas primeiras seis jornadas, já temos tido boas surpresas e muitas confirmações daquilo que o Fair Play previu. Será que os destaques positivos se manterão e que os negativos conseguirão recuperar? Continuem a acompanhar a Série A e a nossa página para saber as novidades!

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter