Manual de Instruções da Série A: os MVP, Desafios e o Treinador!

Fair PlayAgosto 11, 201810min0

Manual de Instruções da Série A: os MVP, Desafios e o Treinador!

Fair PlayAgosto 11, 201810min0
Queres saber o que há de especial na Série A? Clica e fica a saber as nossas opiniões pré-início de Campeonato! Das potenciais estrelas às prováveis desilusões!

A Série A está de volta, com mais uma época promissora. Novos reforços, novos treinadores e o favorito do costume!

Descobre tudo o que há para ver em mais um ano do principal escalão italiano!

O CANDIDATO: A ETERNA SENHORA

Este ano, mais do que nunca, a Juventus tem de ser considerada a principal candidata à vitória no campeonato, podendo reforçar o seu legado e passar a ser octacampeã italiana. Massimiliano Allegri tem ao seu dispor um plantel com uma qualidade superior a todos os restantes rivais e, neste ano, a qualidade foi reforçada com alguém que se pensaria impensável: Cristiano Ronaldo. O melhor jogador do mundo chega a Turim depois de três Ligas dos Campeões consecutivas ainda com muita gasolina no tanque, trazendo um interesse redobrado ao campeonato italiano.

Além do madeirense, chegaram ainda Emre Can, Mattia Perin (para substituir Buffon), o português João Cancelo e outro “chocante” negócio: o regresso de Leonardo Bonucci apenas um ano depois de sair de Turim, É mais um reforço bomba que permite à Juventus apostar forte nesta temporada. Será curioso perceber a forma como a Vecchia Signora se comportará dentro de campo com estes novos atletas e ver a relação de Ronaldo com jogadores como Dybala ou Douglas Costa a servir as suas finalizações.

Por fora correm duas equipas que podem ter equipa para complicar o trabalho à Juve: Nápoles e Inter de Milão. O Nápoles tem andado perto de destronar a Juventus nas últimas temporadas, com o expoente máximo a ser mesmo a que findou há três meses. Foi uma renhidíssima luta até ao fim, com os pupilos de Sarri a falharem por pouco o objetivo. Agora, Sarri saiu e entrou Carlo Ancelotti, o veterano italiano com uma experiência quase inigualável no futebol europeu. É certo que a forma de jogar dos napolitanos sofrerá algumas alterações, passando a ser talvez mais pragmático em detrimento de tão atacante, devido às diferentes ideias dos treinadores. Veremos como Ancelotti coloca jogadores como Mertens, Hamsik e Insigne a jogar e como é suprida a saída de Jorginho.

Já o Inter de Milão tem de ser considerado com outsider devido aos reforços que já recebeu: Radja Nainggolan, Sime Vrsaljko, Stefan de Vrij, Lautaro Martínez ou Kwadwo Asamoah. São jogadores que trazem uma profundidade que a equipa não tinha e que, em conjunto com a permanência de Mauro Icardi, permitem à equipa poder sonhar com mais do que aquilo que tem feito nos últimos anos.

OS MELHORES REFORÇOS FORAM (QUASE) TODOS PARA TURIM

A Série A teve reforços a chegar de todas as ligas e mais de 1000M gastos em transferências pelas 20 equipas do campeonato italiano. O maior destaque de todos: Cristiano Ronaldo, claro!

O craque português é, sem dúvida, a maior e melhor mudança do mercado. Quando o melhor do mundo muda de casa, a decisão de melhor transferência fica fácil. E o que dizer da equipa que joga em Turim? Os heptacampeões da Série A reforçam-se de forma extraordinária gastando 117M€ em Ronaldo.

Juntar Ronaldo a qualquer equipa torna dita equipa candidata ao título. Juntar Ronaldo à Juventus é entregar mais um par de campeonatos à Vecchia Signora”. No futebol da Juve, Ronaldo aparecerá como finalizador de uma equipa recheada de talento.

O maior desafio da chegada de CR7 a Turim não se prende com a Série A mas sim com a Liga dos Campeões. Veremos se a sequência de 3 Champions seguidas para Madrid terminou com a saída do português.

Na segunda transferência de destaque a Juventus está também envolvida: a troca de Higuaín e Caldara por Bonucci (troca com o AC Milan). Os negócios foram apresentados como separados (cada um com valores elevados envolvidos) mas podemos abordá-los com um só.

A “troca” de Bonucci por Caldara é facilmente percebida. A Juventus quer segurar a Série A e atacar a Champions e por isso a experiência e qualidade de Bonucci são bem-vindas. O facto de o central conhecer os cantos à casa é, claro, perfeito. Caldara, com os seus 24 anos, é um central de futuro, perfeito para a aposta de futuro do AC Milan.

A chegada de Higuaín a Milão é uma aposta do Milan na qualidade do avançado e uma aposta da Juve em Cristiano Ronaldo. Conseguirá o avançado argentino vingar na sua terceira equipa em Itália?

Por fim, destacar mais um negócio entre clubes da Série A: Radja Nainggolan. O médio belga de 30 anos abandona a AS Roma depois de 5 anos na capital italiana. Depois da polémica com o selecionador belga pela ausência de Nainggolan do Mundial, o médio reforma o Inter de Spalletti. Resta saber se os 38M€ pagos pelos Nerazzurri melhorarão o meio campo de um grande que pretende voltar aos grandes palcos europeus.

AS POSSÍVEIS DESILUSÕES: A CASA DE ROMEU E JULIETA

Uma das possíveis desilusões poderá ser o Chievo Verona. O plantel é um dos que tem menor valor no campeonato e, em 17/18, conseguiu um meritório 13º lugar na tabela. Este ano, com pouco acrescento de real qualidade e a saída de um dos jogadores mais importantes para um rival (Lucas Castro para o Cagliari), a luta pela permanência parece ser o destino desta equipa. Estando já na principal liga italiana há onze anos, seria de esperar que a equipa pudesse aspirar a algo mais, mas tal não parece possível.

A Sampdoria pode ser outra das desilusões desta temporada face àquela que realizou em 17/18. Sendo uma equipa de nível superior da tabela classificativa, a verdade é que a equipa perdeu elementos fundamentais e, ainda que se tenha reforçado, não parece ser uma equipa capaz de andar a lutar constantemente por competições europeias como fez em 17/18.

A primeira volta da passada época foi mesmo do melhor que já vimos a Samp fazer na passada década, mas a segunda deixou bastante a desejar. Marco Giampaolo é o homem ao leme e terá a capacidade de manter o barco estável, mas não poderá fazer muito mais que lutar pela metade superior da tabela com as saídas de Ivan Strinic, Emiliano Viviano, Duván Zapata e, principalmente, o pequeno uruguaio Lucas Torreira. Chegaram Ronaldo Vieira, Omar Colley e Grégoire Defrel, mas é uma incógnita o que a equipa pode fazer.

O TREINADOR: O REGRESSO DE ANCELOTTI

A Série A sempre foi lar de grandes treinadores e esta época não é exceção. De Massimiliano Allegri a Luciano Spalletti passando por uma série de novos treinadores emergentes. O nosso destaque vai para Carlo Ancelotti! O experiente treinador italiano volta à Serie A depois de 8 anos no estrangeiro. Com passagens pelo Chelsea, Paris SG, Real Madrid e Bayern Munique, Ancelotti apenas não foi campeão em Espanha. Mas e antes disso?

A sua carreira começou em Itália e por lá ficou 13 anos. Venceu, com o Milan, 1 Série A e 1 Taça de Itália e 2 Ligas dos Campeões. Juntando isto aos títulos no estrangeiro (e à Champions com o Real Madrid), Ancelotti é um treinador muito bem titulado e reconhecido.

Esta época Ancelotti volta a Itália, para treinar o Nápoles. A equipa napolitana terminou a época passada em segundo lugar a uns escassos 4 pontos da campeã Juve. A saída de Sarri para Inglaterra trouxe Ancelotti de volta ao futebol italiano. Será interessante ver o que fará o experiente treinador numa equipa com exigências tão elevadas.

A corrida pelo título será ainda mais difícil do que nunca (a chegada de Ronaldo a Turim assegura isso) mas a motivação e o controlo do balneário podem fazer a diferença. Taticamente Ancelotti não tem tanta qualidade como Sarri mas é um motivador extraordinário. Será curioso ver o que consegue gerir uma equipa que perdeu um dos seus pilares (Jorginho) e compensou com 71,5M€ em contratações.

O MAIOR DESAFIO: DESTRONAR A RAINHA

O maior desafio será mesmo perceber quem poderá estar mais próximo de destronar a Juventus. Além dos já mencionados (Nápoles e Inter de Milão), surge ainda a AS Roma, que se reforçou com jovens como Justin Kluivert, Ante Coric e Bryan Cristante, além do conceituadíssimo Javier Pastore, do central Iván Marcano e do guarda-redes Robin Olsen. Este último veio substituir o brasileiro Alisson, que saiu por um valor recorde (na altura). Além de Alisson, Radja Nainggolan assinou pelo rival Inter, causando uma enorme perda no meio campo. Com as ideias de Di Francesco bem consolidadas, a equipa é forte candidata a conseguir chegar outra vez à Champions.

Depois, surge também o AC Milan, que parece ter mais estabilidade que aquela que tinha no passado ano, em que, havendo reforços, existiu muita instabilidade diretiva. Agora, chegaram jogadores como Mattia Caldara, para fazer parelha com Alessio Romagnoli, e Gonzalo Higuaín, uma das bombas deste mercado, que vem trazer aquilo que o AC Milan tem vindo a ansiar nas últimas temporadas: um atacante de classe mundial. Chegou ainda Pepe Reina, para fazer sombra a Donnarumma, e o jovem craque Alen Halilovic. Bonucci acabou por sair, no negócio com Caldara e Higuaín, e Kalinic, que foi uma desilusão no passado ano, foi transferido para o Atlético de Madrid. Esta parece uma equipa mais capaz de lutar por mais que a Liga Europa com um Gattuso ao leme que tem surpreendido os mais céticos.

Por fim, a outra equipa romana, a Lazio, está a consolidar-se cada vez mais junto dos “grandes” italianos, com sucessivas boas temporadas. Para este ano, com a estabilidade oferecida por Simone Inzaghi, o clube foi buscar o extremo Joaquín Correa, o central Francisco Acerbi, os centrocampistas Valon Berisha e Milan Badelj e o lateral esquerdo Riza Durmisi, cinco reforços muito aptos para fazerem parte da primeira equipa. No sentido contrário temos De Vrij e Felipe Anderson, este último que na passada temporada havia estado bastante irregular. Assim, temos um reforço de qualidade da equipa, tudo isto aliado à permanência de Immobile, que pretenderá repetir a temporada impressionante que realizou em 17/18, ao sérvio Milinkovic-Savic, uma pérola muito pretendia, e ao experiente Luis Alberto, que ofereceu mais do que se esperava à equipa. Assim, a Lazio pode muito bem competir pelos lugares cimeiros da tabela.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter