As 5 (maiores) dúvidas da Premier League 2022/2023

Francisco IsaacAgosto 5, 20227min0

As 5 (maiores) dúvidas da Premier League 2022/2023

Francisco IsaacAgosto 5, 20227min0
Conseguirá o Manchester United renascer? Teremos permanência de um histórico no ano da subida? Dúvidas desta Premier League 22/23 que podes ver na ELEVEN

A Premier League está de retorno, com a ELEVEN a ser a nova morada da maior liga de futebol de clubes mundial, e neste regresso há mil e uma dúvidas ou tira-teimas que todos os adeptos querem ver resolvidos desde o primeiro pontapé de saída, sabendo que a maioria só ficarão solucionados quando os apitos finais para o fim dos últimos encontros desta temporada se derem.

Com um Mundial pelo meio (ou, melhor, pelo início), os 20 participantes deste campeonato inglês, designado como Premier League desde o início dos anos 90, reforçaram as suas linhas de combate para se prepararem para uma longa época, com uns quantos a vir poderem saborear a glória, enquanto outros terão de se contentar com pequenas vitórias, sem esquecer uns quantos que irão sofrer a amargura de ficarem para trás. Após esta entrada, apresentamos cinco dúvidas que esta Premier League da ELEVEN nos vai apresentar e, esperemos, resolver até Junho de 2023!

NOTTINGHAM FORREST… PARA FICAR OU IR?

Longos dias têm quase trinta anos, um número amargo que o Nottingham Forest quererá esquecer rapidamente, isto depois daquela despromoção da Premier League em 1993, para só retornar à maior liga da Europa de futebol em 2022. E, agora, o caminho é feito para diante ou não? A luta pela despromoção deverá ser a principal (mas não única) preocupação que cruzará na cabeça de Steve Cooper, o treinador responsável pela promoção – após uma emocionante final do playoff do Championship -, pois o objectivo é voltar a erguer o respeito que este clube chegou a deter por entre os seus pares, principalmente quando Brian Clough esteve à frente dos destinos dos Reds de Nottingham.

Para garantir a sobrevivência e voltar a construir aquele estatuto lendário, a direcção investiu quase 100M€ em contratações como Taiwo Awoniyi, Neco Williams, Jesse Lingard (a custo-zero), Orel Mangala ou Omar Richards (chegou vindo do Bayern de Munique a troco de 9M€), o que poderá ser um detalhe importante, mas não decisivo, uma vez que a Premier League detém uma longa história de equipas promovidas que contrataram “pesadamente” (Fulham em 2018, por exemplo) e acabaram no fundo da tabela, longe da linha-de-água.

De qualquer forma, os homens que vestem as cores do mítico líder da unificação de Itália, Garibaldi, entram em campo na 1ª jornada para defrontar o Newcastle, sendo que o jogo mais “forte” em termos históricos estará reservado para dia 12 de Setembro frente ao Leeds United, existindo uma “estória” entre ambos. Que contos nos contará a ELEVEN desta época destes Reds?

RENASCIMENTO DO MANCHESTER UNITED 3.0… SIM OU NÃO?

Já falámos anteriormente neste recomeçar (ou será rerecomeçar? ou rerererecomeçar?) do Manchester United com ten Hag ao leme deste conturbado titã do futebol mundial num artigo de Henrique Sá, e pouco haverá aqui para dizer do que lançar a maior dúvida: é desta vez que realmente voltam a ombrear pelo título de campeão da Premier League? Ou os fãs portugueses dos Red Devils irão sofrer mais uma época de amargura, oferecida pela ELEVEN?

Só os jogadores de ten Hag, e o próprio treinador neerlandês, poderão responder a esta questão, sendo que a pré-época foi vivida de uma forma “morna”, com uma vitória espectacular ante o Liverpool, sem no entanto chegarem os tão desejados “super”-reforços, para além da situação de Cristiano Ronaldo continuar a se prolongar. Voltarão os Red Devils a semear jogos infernais e a colher a glória, ou o gelo da decepção continuará a existir em Old Trafford, já que a última Prata levantada foi nos tempos idos de José Mourinho?

LUIS DIAZ IRÁ SE ERGUER COMO UM DOS NOVOS REIS?

Chegou em Janeiro de 2022 e, como aconteceu no FC Porto, Luis Díaz encantou as hostes dos Reds de Liverpool, com combinações mirabolantes, acelerações estonteantes e um brilhantismo técnico/físico que destoou diversos elogios, olhando para o colombiano como um alto reforço vindo a um preço (excessivamente) acessível. Depois de se ter feito notado em pouco mais de quatro meses, com 6 golos e 7 assistências em 25 jogos, o extremo agora tem de passar à fase seguinte, a de se confirmar como um dos porta-estandartes do futebol enérgico e possante de Jürgen Klopp, tendo agora de se impor na ala com total eficácia, e assumir o papel de protagonista decisivo que Sadio Mané tão bem vestiu nos últimos anos.

Não há dúvidas que os jogos do Liverpool serão alguns dos mais vistos na ELEVEN e a nível global, agora ainda mais pela capacidade em chegar aos títulos e troféus, e 2022/2023 poderá ser a época do retorno ao trono de campeão dos finalistas da Champions League da temporada transacta. Para isso, esperam-se grandes coisas de Luis Díaz, que sabe o quão especial poderá ser caso continue nesta rampa evolutiva que tem trilhado nas últimas épocas.

QUE SUPER-REFORÇO CONFIRMARÁ ESSE ESTATUTO?

Vamos então meter por ordem o preço pago por cada clube por estes reforços: Darwin Nuñez 75M€ (Liverpool); Marc Cucurella 65M€ (Chelsea FC); Erling Haaland 60M€ (Manchester City); Richarlison 58M€ (Tottentham); Lisandro Martínez 57M€ (Manchester United); Raheem Sterling 56M€ (Chelsea); Gabriel Jesus 52M€ (Arsenal FC). Uma lista que poderia ser mais longa, e que demonstra a capacidade económica da Premier League, abrindo caminho para criar água na boca de qualquer adepto fã do Desporto-Rei. Contudo, qual destes nomes virá a ser realmente aquele super-reforço de alto protagonismo, impondo o seu domínio em cada interação com/sem o esférico?

Haaland poderá ter no Manchester City a oportunidade de mostrar que não é apenas um exceltissimo goleador, e sim que detém as qualidades mínimas para ser entendido como um movimentador de ataque exímio; Cucurella chega para lutar pelo flanco defensivo esquerdo, numa tentativa de revitalizar e oferecer algo diferente a Thomas Tuchel, tanto na procura de conexões com o meio ou de ter um lateral algo “diferente”; Darwin Nuñez foi um Ás de confiança arrancado por Klopp, que vê nas qualidades do avançado uma “arma” perfeita para destoar o nó em diversos jogos, podendo ser uma chave-mestra na temporada.

Os nomes são vários, o valor pago foram praticamente altos (talvez dos mercados mais intensos, mas menos dispendidosos dos últimos 10 anos) e a expectativa é elevada… quem no fim acabará como dono e senhor da etiqueta de super-reforço?

QUE PORTUGUÊS ACABARÁ COMO O MVP LUSO?

Bernardo Silva? Rúben Neves? Bruno Fernandes? Cristiano Ronaldo? Diogo Jota? Pedro Neto? Fábio Vieira? Rúben Dias? João Cancelo? Diogo Dalot? Ricardo Pereira (só retorna em Janeiro)? A lista de jogadores portugueses a actuar na Premier League é, felizmente, longa, o que vai dar um trabalho extra à ELEVEN de os acompanhar a todos, e a dúvida está em qual destes vai ser o MVP da época. A esta lista acrescem ainda Fábio Carvalho, Rúben Vinagre, André Gomes, Cédric Soares, José Sá, Nélson Semedo, Daniel Podence, Chiquinho, Bruno Jordão, Hélder Costa, João Palhinha, Ivan Cavaleiro e Cafú, preenchendo bem a malha de portugueses a actuar em Terras de Sua Majestade, o que vai oferecer um desafio imenso aos espectadores nacionais de acompanharem os encontros de cada um dos atletas que carregam a bandeira portuguesa dentro de si. Ah, e não esquecer ainda que temos alguns treinadores/técnicos portugueses também envolvidos no campeonato inglês, com Bruno Lage e Marco Silva a sentarem-se no comando do Wolves e Fulham, enquanto Arnaldo Abrantes está no departamento de alta performance e médico do Nottingham Forrest, acompanhado por Luís Pinho.

Todavia, só uns quantos poderão atingir o Olimpo de MVP da temporada… quem será?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter