O melhor negócio da semana (Portugal): Gabriel, reforça o “miolo” da Luz

Gonçalo MeloAgosto 30, 20183min0

O melhor negócio da semana (Portugal): Gabriel, reforça o “miolo” da Luz

Gonçalo MeloAgosto 30, 20183min0
O SL Benfica deixou para os últimos dias o "melhor" e a chegada de Gabriel vai dar uma ajuda extra ao meio-campo de Rui Vitória. Quais são as melhores qualidades do brasileiro?

O Fair Play acompanha diariamente o mercado de transferências com seus artigos “ao minuto” e o sinalizar do melhor negócio a nível internacional e nacional aos fins-de-semana. Podes acompanhar todas as transacções no teu site de Desporto com Opinião!

GABRIEL (FC LEGANÉS -» SL BENFICA)

Idade: 24
Nacionalidade: Brasileira/Portuguesa
Épocas na Europa: Seis
Temporada 17/18: 35 jogos, 6 golos e 2 assistências
Valor de Mercado: 10M€
Valor de Transferência: 9M€

Aí está o tão aguardado médio pedido por Rui Vitória, que chega para colocar em sentido os até agora intocáveis Pizzi e Gedson Fernandes. O luso-brasileiro (a sua família paterna é portuguesa) vem trazer algo de diferente ao já bem composto meio-campo das águias, que para além dele e dos já citados Pizzi e Gedson, vai poder contar em breve com o croata Krovinovic.

Formado nas escolas do Vasco, tendo tido uma breve passagem pelo Resende, o talentoso brasileiro deu nas vistas muito jovem, e com apenas 17 anos foi contratado pela Juventus para alinhar na equipa de juniores. Após conseguir ser destaque na jovem formação bianconeri, o brasileiro seria então alvo de sucessivos empréstimos a equipas de pouca expressão em Itália, como o Spezia, o Pescara e o Livorno, até que no Verão de 2015 tem o seu primeiro real desafio ao defender as cores do Leganés, na época que marcou a conquista de um lugar na Liga Espanhola no ano seguinte.

No ano seguinte, o Leganés iria oficializar Gabriel a título definitivo, pagando 1 milhão de euros à Juventus, quando o médio se preparava para a estreia na principal liga do país de “nuestros hermanos”. Pelo clube da região de Madrid, Gabriel realizou 111 jogos, apontando um total de 20 golos, aos quais juntou 8 assistências, números interessantes para um jogador que na sua passagem por Espanha jogou a médio defensivo, “box to box” e médio ofensivo, sendo no papel intermédio o local onde mais se destaca.

Chega ao Benfica na altura certa, depois de ganhar a maturidade e o traquejo necessário ao defrontar alguns dos melhores médios do planeta, como Modric, Busquets ou Toni Kroos. Gabriel é um médio muito dotado tecnicamente que, apesar de ser esquerdino, utiliza também muito o seu pé direito, fazendo do brasileiro um jogador quase ambidestro. Com muita facilidade no drible, a sua agilidade e capacidade física tornam-no num elemento muito forte nos duelos individuais, sendo de prever algumas fintas de elevado nível e alguns adversários diretos a ficar para trás. Do ponto do vista do passe, o brasileiro é muito eficaz, sendo também conhecido pelos seus passes a rasgar as defesas, algo que a sua boa visão de jogo lhe permite fazer.

Defensivamente o seu 1,86 m permite-lhe impor-se fisicamente com alguma facilidade, sendo que o criativo médio também apresenta uma estrutura larga que impõe respeito ao adversário. Ainda assim, a maneira como se dá ao jogo, numa zona de constante combate e movimento, não lhe permitem normalmente completar 90 minutos a alto nível, tendo algumas quebras de intensidade nas partes finais das partidas, algo que deve obrigatoriamente melhorar.

Em síntese, Gabriel tem tudo para ser um reforço “bomba” neste Sl Benfica, embora a respeitosa concorrência. É que um meio campo com Gabriel, Pizzi, Krovinovic e o menino Gedson (já para não falar das notícias sobre Ramires e Rafinha), onde apenas dois podem ser titulares, é necessariamente um meio campo de luxo para a realidade portuguesa. Não há desculpas para o Professor Vitória.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter