Quem são os cinco melhores técnicos da temporada 20/21?

Renato SalgadoJaneiro 21, 20214min0

Quem são os cinco melhores técnicos da temporada 20/21?

Renato SalgadoJaneiro 21, 20214min0
Mesmo com a temporada do futebol brasileiro e da América do Sul chegando ao seu final somente no final de janeiro e fevereiro, o FairPlay elegeu os cinco melhores treinadores do país na temporada 2020 / 2021. Concorda com a gente?

Mesmo que a temporada de 2020 do futebol brasileiro siga até fevereiro de 2021, e com os campeonatos  chegando em suas fases finais… Por isso, nada mais justo do que o FairPlay destacar os cinco melhores treinadores da temporada no país. Concorda com a nossa escolha?

5. Lisca

Como um treinador da Série B pode estar nesta relação? É simples… seu time já está com vaga garantida para retornar à elite do futebol nacional e chegou entre os quatro da Copa do Brasil, eliminando rivais bem mais poderosos, como Corinthians e Internacional. É merecido este reconhecimento.

Foto Divulgação/Twiter

4. Fernando Diniz

Apesar de passar por alguns vexames, com eliminações constrangedoras ao longo da temporada, é inegavel que o treinador do São Paulo conseguiu fazer a equipa praticar um bom futebol, com um padrão tático de posse e muito toque de bola, e que isso, levou o time do Morumbi ao topo da tabela do Brasileirão, liderando o campeonato por mais da metade do torneio e colocando o clube em disputa com as principais forças do país.

Foto: Marcos Ribolli

3. Renato Gaúcho

O treinador gaúcho conquistou o campeonato gaúcho e ainda de quebra, está com uma invencibilidade de 10 jogos contra seu principal rival, o Internacional. O Grêmio foi eliminado pelo Santos nas quartas de finais da Libertadores da América, mas está classificado para a final da Copa do Brasil contra o Palmeiras e ainda luta pelo título do Brasileirão.

Foto: Lucas Uebel

2. Abel Ferreira

O jovem e desconhecido treinador português foi anunciado somente no final do mês de Outubro de 2020, mas pelo excelente trabalho realizado, classificando a equipa Alviverde para as finais da Copa Libertadores da América, da Copa do Brasil. E ainda, mantém o time com chances de título do Brasileirão. Conquistou à todos no clube com seu jeito simples e SEMPRE usando a palavra nós e NUNCA eu. Outro elogio, reconheceu o belo trabalho realizado pelo técnico anterior, o auxiliar Andrey Lopes (Cebola) que foi o responsável pela reconstrução tática da equipa.

(Foto by Dolores Ochoa / POOL / AFP) via Getty Images)

1. Alexi Stival (Cuca)

Ele chegou em meio a caos político, transformou a bagunça deixada por Jesualdo e leva time sem grandes estrelas a uma final de Libertadores. Cuca mostra que tem muitas qualidades! Qualidades essas como adaptação ao contexto, resposta rápida, capacidade de gerir elencos e unir pessoas que Cuca tem de sobra. Não apenas algo pessoal ou divino, mas também o jeito que Cuca encontrou de sobreviver e trabalhar no contexto.

Afinal, a maioria dos clubes brasileiros está em crise. Seja financeira, institucional ou de gestão, a regra no Brasil é o amadorismo, termo que vem de “amador”, aquele que ama. O futebol brasileiro é gerido pelo passional, pelos fatos novos, pela busca do resultado a qualquer custo. Quando a punição da FIFA veio, Cuca não reclamou, nem pediu demissão. Buscou soluções. Porque é assim: todo dia uma crise, todo dia uma solução nova. O técnico olhou para a base e efetivou Kaio Jorge, Lucas Braga e Sandry. Deu confiança a dois novos goleiros. Sempre sendo o escudo que é mais experiente e blinda os jovens de problemas que podem pesar mais a quem não tem tanta experiência assim.

Lembre-se que tudo isso foi feito em poucos dias. O clube brasileiro em crise geralmente não tem ciência da própria bagunça. Acha que aquele ano é pra título, que time grande tem que vencer mesmo. Então o técnico precisa arrumar a casa também na tática em campo. Aí entra aquela ideia mais brasileira impossível, que Cuca domina tão bem: os encaixes de marcação.

Foto: Divulgação Santos

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter