Qual Flamengo Jorge Jesus recebeu ao chegar no Brasil?

Rafael RibeiroJunho 30, 20194min0

Qual Flamengo Jorge Jesus recebeu ao chegar no Brasil?

Rafael RibeiroJunho 30, 20194min0
Desde que chegou ao Brasil, Jorge Jesus é notícia. Com um dos elencos mais caros do Brasil, e ainda recebendo mais reforços de peso, se por um lado terá nomes a disposição para alavancar a performance da equipa, por outro terá muitos desafios. O Fair Play conta quais!

Jorge Jesus é a principal novidade, tanto durante a parada para a Copa América, quanto assim que o Brasileirão voltar a ter jornadas a partir de Julho. Dos famosos “memes” da internet até mesmo a funk dos adeptos rubro-negros, Jesus chega em alta para tentar encaixar as peças do plantel flamenguista, e transformar nomes de peso em uma equipa que apresente melhores resultados (e exibições) ao longo da época. O Fair Play conta como está o Flamengo que Jorge Jesus terá em mãos de agora em diante, e quais obstáculos o treinador enfrentará.

Apoio dos adeptos

Se há um fator positivo que pode determinar paz nos primeiros meses de trabalho do treinador é a sintonia com seus adeptos. Já há algum tempo os adeptos pressionavam por uma mudança no comando técnico, grande parte exigindo a saída de seu antecessor, Abel Braga. Anunciado no dia 1 de Junho, Jorge Jesus também recebeu um bom presente: a pausa do Brasileirão para a Copa América 2019 (que acontece no Brasil até 15 de Julho). Com isso, ele está tendo tempo necessário para aplicar seu método de trabalho, sem que seja necessário apresentar resultados imediatistas normalmente cobrados pelos adeptos. Para se ter ideia, apenas um jogo de exibição feito até agora foi suficiente para que os holofotes se mantivessem em Jesus, na vitória por 3×1 do Flamengo contra o Madureira (equipe da 1ª divisão carioca, 4ª divisão nacional).

Reforços para o plantel

Se já existem nomes de peso no plantel rubro-negro, Jorge Jesus contará com a chegada de dois laterais e ainda aguarda contratações de nomes sugeridos por ele. Sobre os laterais, o primeiro é Rafinha, ex Bayern de Munique, para a direita. A vontade do jogador de retornar ao Brasil e o constante contato da direção flamenguista desde o começo de 2019 fizeram com que o jogador desembarcasse no Rio logo depois de Jesus para já pegar os treinos com o novo treinador. Na esquerda, os alvos são Filipe Luís e Guilherme Arana. O primeiro está na Copa América com o Brasil e está demorando a responder o Flamengo, tanto pela competição em andamento quanto na espera por alguma proposta ainda da Europa. Já que não quer esperar, o Flamengo avança na contratação de Arana, ex Corinthians que foi a Sevilla mas nunca conseguiu se firmar no futebol espanhol. Ainda que não tenha tido sucesso, é sempre um bom nome para o futebol brasileiro.

Desorganização tática

Mas nem tudo são flores na sequência de trabalho do português. Problemas de ordem técnica e tática são claros na equipa, e este será o principal desafio de Jorge ao chegar no Brasil. Isto porque, com Abel Braga, a equipa acabava dependendo de brilhos individuais, como os de Diego, Éverton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabigol. Para o Campeonato Carioca, foi o suficiente para vencer a competição e garantir a permanência de Abel Braga por mais um tempo. Porém para o Brasileirão (8 pontos atrás do líder Palmeiras) e Libertadores (2 derrotas na fase de grupos e sofrendo para se classificar) houve um clamor por mais. Principalmente no que se refere ao rendimento coletivo da equipa, algo que certamente Jorge Jesus terá que trabalhar para mostrar já nas primeiras jornadas.

Interferência dos dirigentes

Com problemas dentro do relvado, algo que poderá atrapalhar o trabalho inicial é a interferência que Jorge Jesus poderá sofrer do comando administrativo do Flamengo. São recentes e comuns os problemas em que a direção da equipa não consegue se sair bem, seja desde o triste episódio do incêndio no alojamento dos meninos da base flamenguista, ou mesmo nas decisões tomadas em bastidores. Como é costumeiro no Brasil, é difícil que a diretoria dê tempo suficiente para que o treinador comece a apresentar resultados, e mesmo que proteja e garanta a permanência dos treinadores, qualquer pressão já é motivo para considerar uma mudança de treinadores, como ocorreu justamente com seu antecessor, Abel. Mesmo garantindo sua permanência, inclusive para a mídia brasileira, com um comunicado mal feito vangloriando conquistas menores como o Carioca e até mesmo a Florida Cup para justificar a confiança em Abel, bastaram apenas mais algumas exibições abaixo do esperado para que o próprio treinador não aguentasse e pedisse para sair.

Certamente, nos treinos e nos jogos, veremos várias novidades no estilo de Jorge Jesus. Muito elogiado pela intensidade nos primeiros comandos e até no jogo amistoso, como citado por Diego Alves e o central Rodrigo Caio: “Ataque ganha jogo, mas defesa ganha campeonatos. Já ouvi [Juan Carlos] Osório falando isso no São Paulo, e é algo que levo sempre”, é de se esperar que pelo menos nas primeiras jornadas do Brasileirão, todos os olhos estarão voltados ao treinador e como sua equipa se portará em campo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter