Palmeiras conquista o Paulista em batalha histórica contra indicada para cardíacos

Marcial CortezAgosto 10, 20206min0

Palmeiras conquista o Paulista em batalha histórica contra indicada para cardíacos

Marcial CortezAgosto 10, 20206min0
Sabe aqueles jogos em que tudo acontece? Teve gol nos últimos cinco segundos, teve disputa de pênaltis, teve decisão nos pés de um garoto de apenas 20 anos. O Palmeiras venceu o Corinthians na final do Paulista 2020 e conquistou mais uma vez o título máximo no Estado de São Paulo. Confira aqui todos os detalhes desse jogo, que certamente lotou os consultórios cardiológicos pelo Brasil...

No último sábado, o Palmeiras conquistou seu vigésimo terceiro título paulista, num dérbi histórico contra indicado para cardíacos. O clássico contou com a inusitada marcação correta de um pênalti no último segundo dos acréscimos do jogo, que levou a decisão para a disputa de pênaltis. Mas vamos contar a história de um jeito diferente…

A frequência cardíaca (FC) de um indivíduo adulto, em condições normais de repouso, gira em torno de 60 a 100 batimentos por minuto (bpm), a depender das características e condições físicas de cada um. O clássico que decidiu o Campeonato Paulista 2020 foi um jogo de duas mãos. Na primeira delas, um jogo modorrento e sem emoção não alterou a FC de nenhum adepto de nenhum dos dois clubes. Mas o jogo da segunda mão… foi pra travar o eletrocardiograma e deixar o cardiologista desesperado.

No primeiro tempo de jogo, algumas poucas chances a favor do Palmeiras não foram suficientes para criar arritmias em palmeirenses ou corintianos. Mas já no início da segunda etapa, aos 3 minutos de jogo (ou aos 48, para os europeus), Luiz Adriano subiu mais que o zagueiro e colocou o Palmeiras em vantagem, numa cabeçada perfeita. Palmeiras 1 x 0 Corinthians. A taquicardia começou…

Nos minutos seguintes, o Palmeiras encurralou o Corinthians em seu campo de defesa e criou mais duas oportunidades claras de gol. A sensação era de um boxeador abatido por um golpe forte, que poderia facilmente ser derrubado com uma sequência. Mas não foi o que aconteceu. O Alvinegro soube se defender e segurou o ímpeto palmeirense. A taquicardia diminuiu mas se manteve em alta enquanto o jogo seguia com amplo domínio Alviverde.

Quando o crepúsculo do jogo já se anunciava, o jogador Gustavo Scarpa perdeu duas excelentes oportunidades para garantir o título ao Verdão. Na primeira delas, num contra ataque em que o Corinthians estava sem goleiro, pois Cássio tinha ido para a área do Palmeiras para tentar um gol após cobrança de escanteio, Scarpa tocou pra ninguém, quando poderia claramente tentar o chute ao gol enquanto Cássio ainda corria para voltar à meta. Na segunda oportunidade, a poucos segundos do final da partida, não soube segurar a posse de bola por alguns momentos, deixar o relógio correr e garantir a vitória. O técnico Vanderlei Luxemburgo deu uma sonora bronca no jogador pelo erro.

E o Palmeiras pagou por ele. No derradeiro ataque do Corinthians em desespero, faltando apenas um segundo para o final da partida, o atacante Jô foi derrubado pelo zagueiro Gustavo Gomes. Era o último lance do jogo, e o árbitro marcou corretamente uma penalidade máxima para o Corinthians.

Foi nessa hora que os eletrocardiogramas de palmeirenses e corintianos definitivamente saíram do prumo. A FC subiu pra mais de 200 bpm em milhões de corações que acompanhavam a final. Jô bateu rasteiro e fez o gol. O guarda redes Weverton chegou a tocar na bola, mas não conseguiu impedir o empate corintiano. Não dava tempo pra mais nada. A decisão do título no maior clássico do Brasil foi para os pênaltis.

Patrick de Paula, o novo heroi palmeirense

Patrick de Paula comemora o gol no pênalti derradeiro e o título paulista pelo Palmeiras. Foto: César Greco

Ao empatar nas condições em que empatou, dez entre dez corintianos apostavam no Timão como campeão. Aos palmeirenses, restou controlar o coração e tentar se recompor psicologicamente após sentir o título escorrer pelos dedos no último segundo da partida.

Nas cobranças de pênaltis, o Corinthians bateu primeiro. Michel Macedo bateu e o goleiro Weverton pegou. A FC e a esperança palmeirense voltaram a subir. Mas na sequência, o palmeirense Bruno Henrique bateu e Cássio defendeu. Tudo igual novamente. O segundo a bater, Danilo Avelar, colocou o Corinthians na frente. Em seguida, Raphael Veiga empatou para o Palmeiras. Logo depois, Cantillo chutou e a estrela olímpica do guarda redes Weverton brilhou novamente. Gustavo Scarpa fez o gol e colocou o Palmeiras em vantagem. O corintiano Sidclei empatou mais uma vez a disputa, e Lucas Lima também garantiu a vantagem para o Palmeiras. Jô bateu o último penalti para o Corinthians e empatou de novo. Sobrou para o garoto Patrick de Paula, 20 anos, bater o último pênalti que poderia decidir o jogo.

E ele decidiu. Uma cobrança bem feita, a meia altura do canto esquerdo do goleiro Cássio, Patrick de Paula (os adeptos do Palmeiras já o chamam de “Patrick Pogba”) garantiu o título ao Palmeiras e tirou um peso enorme da equipe alviverde, que perdera o título em casa dois anos antes, para o mesmo Corinthians e também na disputa de pênaltis, num jogo extremamente polêmico que contou com interferência externa na anulação de uma penalidade.

Patrick de Paula veio para a base do Palmeiras a partir de um torneio de futebol amador famoso no Brasil, chamado “Taça das Favelas”. Seu futebol brilhante rapidamente o levou à equipe principal, de acordo com a estratégia implantada pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, que quer mesclar os garotos com jogadores mais experientes para montar equipas vencedoras.

Vanderlei Luxemburgo, o recordista

Campeões paulistas comemoram o título com Vanderlei Luxemburgo. Foto: Nelson Almeida /AFP

Com o título conquistado ontem, Vanderlei Luxemburgo obteve dois recordes: é o treinador com mais títulos paulistas no currículo, com nove taças conquistadas. Destas nove, cinco foram com a equipe alviverde, seu outro recorde. Todos os últimos cinco títulos paulistas do Verdão foram sob o comando de Luxa: 93, 94, 96, 08 e 20. A última conquista paulista do Palmeiras sem Luxemburgo foi no longínquo ano de 1976! Por essas e por outras, o “Pofexô” (apelido carinhoso de Luxa) é idolatrado nas alamedas alviverdes.

Os campeões fizeram muita festa com o treinador, que também é bastante querido pelos guerreiros do Verdão. A tradicional água gelada e o ato de jogar o treinador pro ar foi seguido à risca durante a festa do título. Os batimentos cardíacos se acalmaram, os memes invadiram as redes e a História foi desenhada mais uma vez. A campanha do Palmeiras foi irreparável: foram 8 vitórias, 6 empates e apenas duas derrotas, com o melhor ataque e a melhor defesa do certame. Parabéns ao Palmeiras, Campeão Paulista de 2020

Em tempo: destaque negativo para a festa da torcida, que invadiu as ruas na noite de São Paulo, sem respeitar as regras de segurança e isolamento social, no dia em que o Brasil atingiu a infeliz marca de cem mil óbitos pela Covid19.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter