Marcial Cortez, Author at Fair Play

Cruzeiro.jpg?fit=720%2C1280&ssl=1
Marcial CortezOutubro 5, 20206min0

O Cruzeiro foi o primeiro Campeão Brasileiro após a reorganização do futebol brasileiro em 2003, com um esquadrão histórico sob o comando do técnico Vanderley Luxemburgo. Naquela época, implantou-se o campeonato de pontos corridos e regras claras de acesso e descenso entre as séries. No entanto, somente a partir de 2006 é que os formatos das Series A e B do Brasileirão foram alinhados com 20 clubes, dos quais 4 sobem e 4 descem.

Durante todo esse período, 8 equipas consideradas grandes passaram uma ou mais épocas no calvário da Série B. O Vasco lá esteve por três oportunidades – em 2009, 2014 e 2016; Palmeiras e Botafogo participaram duas vezes – o primeiro em 2003 e 2013, o segundo também em 2003 e 2015. Além destes, disputaram a Série B as equipas do Corinthians (2007), Grêmio (2005), Atlético Mineiro (2006) e Internacional (2017).

Na época atual, o Cruzeiro está a enfrentar o desafio maior de retornar à elite do futebol brasileiro. Porém, ao contrário de seus co-irmãos, o Palestra Itália de Minas Gerais não faz uma boa campanha, e nesse momento ocupa a 17ª colocação do certame, a primeira vaga à despromoção para a Série C de 2021.

Os motivos que levaram o alviceleste de Minas Gerais a essa situação já são bastante conhecidos do público brasileiro: má gestão, troca constante de técnicos, erro nas contratações, pressão dos adeptos. Os ingredientes são sempre os mesmos, e os resultados na relva refletem a bagunça nos bastidores.

O Cruzeiro iniciou sua jornada no purgatório da Série B em 2020 em condições de desigualdade: punido pela FIFA, o Palestra de Minas entrou na competição com um débito de 6 pontos devido ao não cumprimento da ordem de pagamento referente à dívida pelo empréstimo do volante Denilson junto ao Al Wahda. Como se isso não bastasse, uma nova punição da entidade máxima do futebol mundial impediu o Cruzeiro de registrar novos jogadores, por um imbróglio judicial que envolveu a transferência do jogador Willian Bigode, hoje um ídolo do Palmeiras.

Os adeptos do Cruzeiro sofrem a cada rodada, ao ver o desespero instalado no escrete alviceleste, que não consegue reagir mesmo ao enfrentar adversários de qualidade inferior. Pra piorar a situação, a claque cruzeirense é obrigada a ver o seu maior rival, o Atlético Mineiro, num momento de graça: o Galo lidera a Série A com folga, além de contar com apoios administrativo e financeiro de parceiros endinheirados, que prometeram até a construção de uma arena moderna, prevista para inaugurar em 2022.

Claque cruzeirense no derradeiro dia da despromoção à Série B, em dez/2019 Foto: Felipe Correia/Photo Premium/Folhapress

A situação é tão caótica que, mesmo que contasse com os seis pontos que foram retirados pela punição da FIFA, a Raposa (apelido carinhoso do Cruzeiro) ocuparia apenas a décima posição no campeonato (curiosamente a mesma colocação ocupada pelo Galo após 13 rodadas na Série B em 2006 – vide quadro abaixo), uma colocação que não agrada a ninguém: nem aos dirigentes, nem aos adeptos, e muito menos aos jogadores. E aí fica a pergunta – o que dever ser feito pra salvar o Cruzeiro?

A resposta não é simples. Para Gabriela Martins, adepta fanática do Cruzeiro, “a primeira atitude a ser tomada é rapidez nas investigações (muitos ex-dirigentes da Raposa, entre eles o ex-presidente Itair Machado, estão envolvidos em denúncias de corrupção e desvios de recursos) e punição dos culpados. Além disso, é preciso fazer uma reformulação de todo o estatuto do clube, pois o atual só serve para manter o status quo, o que não muda a  situação de hoje e continua a favorecer sempre os mesmos nomes. Por fim, organizar as contas do clube e reformular o elenco. Os medalhões como Henrique e Moreno não podem mais continuar a vestir a camisa celeste.”

Organizar as contas do clube é talvez a tarefa mais difícil da atual diretoria do Cruzeiro. Sem recursos e sem poder contar com as altas cotas das transmissões televisivas (as cotas da Série B são muito inferiores às cotas pagas na Primeira Divisão), o clube recorre aos seus adeptos para buscar ajuda. Recentemente foi criado o programa “Operação FIFA”, uma espécie de crowdfunding para saldar as dívidas junto à entidade máxima do futebol e salvar a vida financeira do clube.

Operação FIFA: medida desesperada para salvar o clube. Foto: Divulgação – Cruzeiro

Para Júlio Silva, adepto que tem um podcast famoso sobre o Cruzeiro, “o clube está num buraco sem tamanho, pois o despreparo da atual diretoria é tal que até blogueiros e twitteiros estão a interferir na política.” Para ele, “o Cruzeiro precisa renascer e isso só vai acontecer com a profissionalização da gestão do clube, estratégias financeiras e afastamento dos dirigentes que utilizam o Cruzeiro como plataforma política”. Vale lembrar que este ano teremos eleições para prefeitos e vereadores nas cidades brasileiras e alguns adeptos acusam dirigentes e ex-dirigentes do Cruzeiro de usarem o nome do clube para obter vantagens de ordem política.

Essa bagunça total reflete no relvado. Para efeito de comparação, veja na tabela abaixo a classificação das equipas consideradas grandes na 13ª jornada do Brasileirão Série B em suas respectivas épocas:

Tabela comparativa situação do Cruzeiro x outros grandes na Série B após 13 jornadas
*Palmeiras 2003 e Grêmio 2005 jogaram a Série B com outra fórmula de disputa
Arte: Adalberto Antunes

Enquanto os rivais já estavam todos bem encaminhados em suas respectivas participações, com exceção do Galo em 2006, que ocupava a décima colocação, todos os outros grandes ocupavam a zona de acesso ao final de 13 rodadas. O Cruzeiro está na contra mão das equipas grandes.

Ainda teremos 25 jornadas pela frente. Há tempo hábil para a mudança. Pelo bem do futebol tupiniquim, torcemos para os dirigentes criarem vergonha e tomarem as decisões que precisam ser tomadas, para que possamos contar com a participação cruzeirense nos grandes clássicos locais e regionais em 2021. Caso contrário, o Palestra de Minas pode seguir o triste caminho percorrido pela Portuguesa de Desportos, que praticamente sumiu do cenário futebolístico brasileiro.

SBT-Libertadores-RD1.png?fit=940%2C637&ssl=1
Marcial CortezSetembro 25, 20207min0

Na Mitologia Grega, os deuses do Olimpo decidiam o futuro dos mortais aqui na Terra. Atualmente, os dirigentes da Conmebol e das emissoras de TV decidem o futuro dos mortais adeptos dos clubes brasileiros, Negociações, blefes, influências políticas, decisões obscuras, Confira aqui o sofrimento da torcida na difícil tarefa de acompanhar seus clubes do coração na principal competição da América do Sul.

Jorge-Jesus-Flamengo-Divulgação.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Marcial CortezAgosto 20, 20206min0

Com a excelente performance obtida por Jorge Jesus na jornada passada, criou-se no Brasil uma ¨cultura do técnico estrangeiro¨. No entanto, os resultados negativos de outros forasteiros parecem mostrar que o ¨Mister¨ é a exceção, e não a regra, no quesito sucesso em terras tupiniquins. Confira na matéria cinco casos de técnicos de fora que não se deram tão bem por aqui...

Campeao2020.jpeg?fit=1200%2C800&ssl=1
Marcial CortezAgosto 10, 20206min0

Sabe aqueles jogos em que tudo acontece? Teve gol nos últimos cinco segundos, teve disputa de pênaltis, teve decisão nos pés de um garoto de apenas 20 anos. O Palmeiras venceu o Corinthians na final do Paulista 2020 e conquistou mais uma vez o título máximo no Estado de São Paulo. Confira aqui todos os detalhes desse jogo, que certamente lotou os consultórios cardiológicos pelo Brasil...

Arte-dérbi.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Marcial CortezJulho 18, 20205min0

Corinthians e Palmeiras vivem momentos distintos no Campeonato Paulista, que será reiniciado na próxima quarta-feira. Enquanto o Alvinegro luta contra seus demônios internos e briga pra fugir do rebaixamento, o Verdão busca o primeiro lugar na competição e a retomada da confiança de seus adeptos. Confira os detalhes deste dérbi sensacional!

Bolsonaro.jpeg?fit=1200%2C900&ssl=1
Marcial CortezJunho 20, 20208min0

Quem acompanha o podcast ¨Ginga Canarinha¨ sabe que futebol e política andam sempre lado a lado no Brasil. Pois bem, o presidente Jair Bolsonaro alterou na última quinta feira a Lei 9615/98, conhecida como ¨Lei Pelé¨, num ato que pode mudar radicalmente o futuro do futebol no país.

O assunto é complexo e tem múltiplos aspectos. Vamos tentar destrinçar todos estes pontos e entender os impactos políticos e esportivos desta medida.

Vamos começar pela explicação da legislação no Brasil. O presidente assinou uma Medida Provisória (MP). A MP, como o próprio nome diz, é provisória e tem validade a partir de sua assinatura até o prazo máximo de 60 dias, prorrogável por mais 60 dias. Para virar Lei, a MP precisa ser votada pelas Casas Legislativas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). Caso isso não ocorra, ela perde a validade e deixa de existir. Pois bem, na própria quinta feira, alguns minutos depois da assinatura da MP, o Presidente da Câmara, Deputado Rodrigo Maia, já sinalizou que colocará o assunto em pauta. Ou seja, essa MP tem tudo para realmente se tornar Lei.

Agora vamos ao cenário. No Brasil, a Rede Globo é a maior e mais importante emissora do país e detém os direitos de transmissão de todos os jogos dos principais campeonatos. Existe uma ¨guerra não declarada¨ entre a Globo e o presidente Jair Bolsonaro. A equipa do Flamengo, atual campeã brasileira e detentora da maior torcida do país, também não morre de amores pela emissora.

Jair Bolsonaro e os presidentes do Flamengo e do Vasco. Foto: Reprodução Instagram

Na última quarta feira, um dia antes da assinatura da MP, Bolsonaro convidou o presidente do Flamengo para a posse do novo Ministro das Comunicações, o Deputado Fábio Faria. Ocorre que Fábio Faria é casado com Patrícia Abravanel, que por sua vez é filha de Sílvio Santos, empresário e dono de uma emissora de televisão – o SBT – um dos principais concorrentes da Rede Globo na briga pela audiência. Em outras palavras, o presidente nomeou como Ministro das Comunicações o genro do dono da principal concorrente da Globo.

Mas afinal, o que diz a MP 984 que pode mudar o futuro do futebol no país? São duas as principais mudanças. A primeira delas é pontual: altera o tempo mínimo de contrato dos jogadores com suas equipas. Com a pandemia e a paralisação dos campeonatos regionais, muitos jogadores tiveram seus contratos encerrados. A Lei antiga não permitia contratos com validades inferiores a 90 dias. A mudança reduz o tempo mínimo para 30 dias. Quando o futebol retornar, muitas equipas ainda terão duas ou três rodadas a cumprir, e um contrato de 90 dias seria muito prejudicial a esses times. A alteração beneficia então as pequenas equipas e praticamente não afeta as grandes.

É a segunda alteração que causa mais polêmica e tem um ¨efeito bomba¨ sobre o futebol brasileiro: ela trata dos direitos de arena (transmissão) dos jogos dos campeonatos regionais e nacionais. Antes da publicação da MP, a emissora só poderia transmitir uma partida se tivesse contratos assinados com as duas equipas da disputa. A MP determina que para um jogo ser transmitido, basta contratar a equipa mandante da partida. Com isso, cada equipa pode vender seus direitos de transmissão pra quem ela bem entender, não dependendo do contrato do adversário. Na prática, é o fim do monopólio da Globo no futebol brasileiro.

Porém, não se quebra um monopólio de mais de 20 anos da noite para o dia. A maioria das equipas tem contratos assinados com a Globo, e pela legislação brasileira estes contratos são considerados negócios jurídicos perfeitos, ou seja, tem validade até o seu final, independente da legislação ser alterada durante a vigência do contrato. Na prática, isso significa que os próximos campeonatos brasileiros terão pouca ou nenhuma alteração com relação às transmissões. Na média, os contratos das equipas da Série A do Brasileirão com a Globo vão até 2024. Isso não se aplica aos campeonatos regionais, que tem contratos específicos.

Bangu 0 x 3 Flamengo: retomada do Carioca não teve transmissão pela TV. Foto: Flickr Flamengo

Apesar disso, o imbróglio já se instala: na retomada do campeonato carioca na data de ontem, por exemplo, na partida entre Bangu e Flamengo, a Globo possuía os direitos de transmissão do Bangu, mas não assinara com o Flamengo. Assim, pela lei antes da MP, não poderia transmitir o jogo. Mas após a MP não teria problemas, tendo em vista que o Bangu foi o mandante. A Globo decidiu não transmitir, visando não abrir precedentes e obter uma proteção jurídica frente a futuros problemas.

Não demorará muito para as coisas se complicarem. Em breve, teremos as finais do campeonato carioca e tudo indica que o Flamengo vai disputá-las. Como não houve acordo entre a equipa e a Globo, o time de Jorge Jesus não terá seus jogos transmitidos. A Globo ofereceu cerca de três milhões de euros pelos direitos de transmissão. O Flamengo queria 17 milhões. Em seguida, o Flamengo baixou a pedida para 13,5 milhões. A Globo não aceitou. Todas as demais equipas do Rio de Janeiro assinaram seus direitos de arena com a Globo. Em outras palavras, uma meia final ou final entre Flamengo e Botafogo, por exemplo, não poderia ser transmitida pela lei antes da MP, mas pode ser transmitida pela lei atual. Porém, já existe um contrato assinado pelo Botafogo com a Globo, e assim a partida não poderá ser transmitida. É claro, líquido e certo que essas decisões extrapolarão o relvado e irão para os tribunais.

No Brasileirão a situação é um pouco mais calma. Como a maioria das equipas já assinaram com a Globo, não teremos problemas a curto prazo. Mas existem três equipas, Athletico, Coritiba e RB Bragantino, que não acertaram com a emissora. Sendo assim, nas partidas que envolverem as três, vale a regra nova. Nas demais, prevalece a regra antiga.

Flamengo x Globo: quem ganhará essa guerra?

Vale lembrar que toda essa alteração ocorreu sem consulta prévia a nenhuma equipa e muito menos à CBF, que é a entidade máxima do futebol brasileiro. O renomado Gustavo Binenbojm, Professor Titular da Faculdade de Direito da UERJ, comentou sobre o tema para o portal Globo Esporte:

“A Medida Provisória editada sem observância dos requisitos constitucionais de relevância e urgência, sem que tenha sido antecedida por qualquer debate público e com objetivo aparente de beneficiar específicas e determinadas entidades privadas, na verdade configura um caso de típico desvio de finalidade legislativa. E pode até caracterizar ato de improbidade contra a administração, levando à configuração de crime de responsabilidade passível de punição com a perda do mandato por impeachment”.

Com toda essa situação, a pergunta que fica é – quem ganha e quem perde com a mudança? A resposta pode parecer simples, mas não é. Equipas grandes com certeza irão se beneficiar, pois terão mais liberdade e poderão leiloar seus direitos, obtendo melhores contratos. Quanto às equipas menores, o resultado é uma incógnita. Elas poderão optar pela segurança de um contrato longevo com valor mais baixo, ou arriscarão na negociação jogo a jogo, obtendo valores superiores e se expondo ao risco. É como um investimento, vai depender do perfil dos seus dirigentes.

Por fim, a última mudança da MP – emissoras e programas de TV poderão patrocinar as camisolas das equipas. Assim, o que se viu na final da Copa João Havelange no início do século pode se repetir: a Globo transmitir um jogo entre duas equipas patrocinadas por emissoras ou programas de TV concorrentes.

O lado bom de tudo isso é que teremos mais motivos para os amigos do podcast ¨Ginga Canarinha¨ comentarem sobre a bagunça do futebol brasileiro. Como se diz por aqui, ¨o Brasil não é para amadores¨.

 

Peladão.jpg?fit=1200%2C1200&ssl=1
Marcial CortezJunho 8, 20206min0

Com edições anuais desde 1973, o Estado do Amazonas realiza o “Peladão”: um campeonato de futebol surreal, no qual um concurso de beleza pode decidir o resultado. Conheça um pouco mais sobre este sensacional torneio.

O Dicionário da Língua Portuguesa define pelada como “partida de futebol praticada por amadores num campo improvisado”. Guardem essa informação. Agora imagine um campeonato gigantesco, que na última edição envolveu 700 equipas, mas já chegou a contar com mais de 1200 times. Este é o Campeonato de Peladas do Amazonas, nome oficial do popular Peladão, o maior torneio de futebol amador do país, que extrapolou todas as fronteiras do esporte-rei.

Organizar um certame com 700 ou mais equipas não é uma tarefa fácil. Então vamos explicar melhor como tudo isso funciona. O Peladão é dividido em categorias, a saber:

  • Principal, subdividido em masculino, indígena, feminino e homossexual;
  • Master, para atletas acima de 40 anos (masculino);
  • Peladinho, para garotos de 12 a 14 anos (masculino);
  • Rainhas, subdividido em mulheres e transgêneros. O Peladão costuma ditar as tendências, pois o seu torneio feminino já teve mais atletas inscritas do que a própria Copa do Brasil, torneio profissional oficial da CBF. O Concurso das Rainhas trans e a categoria Principal Homossexual também é uma inovação do Peladão a favor da diversidade.

Cada equipa do Principal Masculino, para participar do torneio, tem que apresentar uma candidata a rainha, que pelas regras precisa ser uma rapariga acima de 18 anos. E cada equipa do Principal Homossexual também deve registrar a sua rainha, que neste caso tem que ser um transgênero acima de 18 anos. Esse detalhe pode parecer estranho, mas por incrível que pareça, isso pode definir o campeonato.

Candidatas ao título de Rainha do Peladão, que leva sua equipa às eliminatórias finais Foto: Márcio Azevedo

As equipas são divididas em grupos e subgrupos com fases variáveis de classificação. Ao final, classificam-se 15 equipas para as disputas finais. Enquanto a bola rola no relvado, o Concurso de Beleza das Rainhas corre em paralelo, com fases eliminatórias semelhantes às dos concursos de Miss Universo. Selecionam-se as 16 raparigas mais bonitas, e inicia-se então um reality show, o Peladão a Bordo – programa no estilo Big Brother gravado num barco a navegar pelo Rio Negro, para definir a Campeã, que ganha o título de Rainha do Peladão.

A Rainha do Peladão leva sua equipa para a fase final da competição, independente do resultado no relvado. Ou seja, uma equipa pode ser previamente eliminada na bola, mas a Rainha pode salvá-la e levá-la para a fase final. Em várias edições do torneio, a equipa campeã chegou às finais pelo salvamento da Rainha.

Os concursos de beleza são válidos somente para as categorias Principal Masculino e Principal Homossexual, no qual concorrem os transgêneros. Em edições passadas, também ocorreram concursos na categoria Indígena, mas atualmente eles não são mais realizados.

Além disso, o Peladão conta com um Código Disciplinar próprio para definir questões jurídicas entre as equipas. Há um Livro Negro (em tempo – o colunista não concorda com este nome, mas é a forma como o Regulamento da Competição o define, infelizmente), que praticamente resolve todas as questões jurídicas envolvidas no Campeonato. E o Livro Negro não define apenas os problemas futebolísticos, mas também as regras relacionadas ao Concurso das Rainhas. Por exemplo, uma rapariga não pode encontrar o namorado ou mesmo seus familiares durante a competição. Se isso acontecer, o nome dela vai para o Livro Negro e a equipa é eliminada no futebol. A inclusão do nome no Livro Negro é uma penalidade temida por todos no Peladão, porque impede a participação do atleta  e/ou da candidata a Rainha nas edições futuras.

Definidas então as 16 equipas (15 jogando bola e uma levada pela Rainha), o Peladão entra na Fase Final, com chaveamento clássico de oitavas, quartas, meias finais e finais, até sair o Campeão, que leva como prêmio a Taça e um carro zero quilômetro. A Rainha ganha um prêmio no valor de 30 mil reais (cerca de 5.300 Euros).

Como se tudo isso não bastasse, o Peladão tem página no Facebook (https://www.facebook.com/peladaoacritica) e  cobertura completa da TV. A emissora A Crítica é quem organiza o futebol, o concurso da rainha, o reality show e tudo o que envolve o torneio. A TV A Crítica é a principal emissora de TV do Amazonas, e tornou-se nacionalmente conhecida por conta de um de seus âncoras jornalísticos, o folclórico Sikêra Junior, que graças ao grande sucesso assinou com a Rede TV! para ter seu jornal sensacionalista em abrangência nacional.

Os números impressionam e as regras são rígidas: são mais de 20 mil atletas inscritos, cerca de 3 mil partidas, 500 a 1000 equipas na disputa. O número de participantes só é conhecido no dia da abertura do Torneio. O Regulamento da Comissão Disciplinar elimina a equipa que não apresentar sua candidata à Rainha na festa de abertura da competição. Na última edição, 102 equipas foram eliminadas nesse quesito. Os jogos tem duração de 50 minutos, divididos em dois tempos de 25 minutos, e não existe impedimento!

O sucesso do certame inspirou Estados vizinhos a fazer o mesmo. Mato Grosso também tem o seu Peladão, porém não com a mesma força e fama que o pioneiro amazonense, apesar dos prêmios serem mais volumosos. O Peladão mato-grossense paga 180 mil reais para o campeão (cerca de 32 mil euros).

Manaus, capital do Amazonas, tem pouco mais de um milhão e meio de habitantes. O Peladão movimenta bastante a população e a economia do local. O Estado tem equipas profissionais de pouca expressão, como o Nacional, o Rio Negro e o Fast, que disputam (quando disputam) as séries inferiores do Campeonato Brasileiro. Assim, as equipas amadoras fazem  mais sucesso que as profissionais. A última final do Peladão contou com um público de cerca de 40 mil pessoas, maior que a soma de todos os públicos de todos os jogos das equipas profissionais na época. As finais de todas as categorias do Peladão ocorrem no mesmo dia.

Na finalíssima da época 17/18, por exemplo, a decisão foi para os pênaltis. O Cidade Nova venceu o Alvorada pelo placar de 17 a 16, numa sequência interminável de cobranças:

Agora repare bem na imagem acima e compare com o que diz o dicionário: “partida de futebol praticada por amadores num campo improvisado”. Isso é parcialmente verdade quando nos referimos ao Peladão: as finais são realizadas na Arena Amazônia, estádio padrão FIFA construído para a Copa do Mundo de 2014. O mesmo ocorre com seu homônimo no Mato Grosso, cujas finais ocorrem na Arena Pantanal, outro local que foi usado na Copa.

Como se vê, a definição do Dicionário precisa ser revista. É o Peladão a ditar as tendências novamente…

 

 

 

 

 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS