México 1970: o tricampeonato mundial de futebol e o João “Sem Medo”

Virgílio NetoSetembro 12, 20183min0

México 1970: o tricampeonato mundial de futebol e o João “Sem Medo”

Virgílio NetoSetembro 12, 20183min0
Este é o primeiro de três textos que resgatam um bocado da trajetória da Canarinha para a conquista incontestável do mundial do México em 1970. Nesta parte, o início um bocado polémico.

1970. O Brasil ‘vivia’ um regime de excepção, em que vigorava o “AI-5” (Acto Institucional Número Cinco), emitido em Dezembro de 1968, com terríveis consequências no que diz respeito à liberdade para a sociedade brasileira. Todos aqueles que manifestavam-se publicamente contrários ao governo eram considerados subversivos e, consequentemente, perseguidos. Vigorava a censura e em alguns casos, o toque de recolher. 

Neste contexto a selecção do Brasil classifica-se no ano anterior para o nono campeonato mundial de futebol, a ser realizado no México. O treinador era João Saldanha. Sua carreira como futebolista fora curta e por isso dedicou-se ao jornalismo antes de tornar-se treinador, em 1957, com o Botafogo de Futebol e Regatas. Os adeptos brasileiros ainda estavam desconfiados e céticos com a equipa nacional, sobretudo após o péssimo desempenho no mundial de 1966. Mesmo sob rígido controle do governo e sabendo da sua militância no comunismo, mas com boa aprovação popular, no final de 1968 a CBD (Confederação Brasileira de Desportos) o nomeou como mister, tendo conduzido o Escrete para a Copa de 70 em campanha com 100% de aproveitamento. 

No fim de 1969, com o assassinato do seu amigo Carlos Marighella, militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro), João Saldanha começou a divulgar para a imprensa internacional sobre a ausência de Direitos Humanos no Brasil, quando das digressões da selecção canarinha para amigáveis de preparação. Por isso, ganhou do popular cronista Nelson Rodrigues, a alcunha de “João Sem Medo”. O movimento de Saldanha fez com que o governo brasileiro buscasse tirá-lo do comando do Escrete. Era preciso mais um mínimo deslize.

 

No início de 1970, quando perguntado sobre o que achava de o Presidente do Brasil (Genral Emílio Garrastazu Médici) haver sugerido a convocatória de Dario (popularmente conhecido como “Dadá Maravilha”) para o mundial do México, Saldanha – que não tinha planos de convocar o avançado do Atlético Mineiro – responde: “Ele [o presidente] escala o Ministério e eu escalo a selecção”. Semanas depois desta resposta, era o mister demitido do seu posto. Em seu lugar, a CBD (sob liderança de João Havelange, que anos mais tarde seria o presidente da FIFA) nomeou Mário Jorge Lobo Zagallo. Tudo isso a poucos meses antes do mundial do México.

Depois de tudo isso, Dario foi sim à Copa, convocado por Zagallo. Entretanto sequer disputou um jogo. O Brasil venceu o torneio (tema do próximo texto), Saldanha manteve discurso crítico contra o regime em vigor no Brasil à época, e seguiu seu trabalho como jornalista desportivo. Faleceu em 1990 durante a cobertura do mundial de futebol da Itália, enquanto era comentador de uma emissora de televisão.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter