Copa do Brasil, 32 anos de idade e cada dia mais jovem

Marcial CortezFevereiro 28, 20217min0

Copa do Brasil, 32 anos de idade e cada dia mais jovem

Marcial CortezFevereiro 28, 20217min0
Palmeiras e Grêmio vão decidir a 32a final da Copa do Brasil, o campeonato mais democrático do país e que conseguiu o incrível feito de manter a mesma fórmula de disputa desde o seu início. Conheça um pouco mais da História desse fantástico certame que, entre outras coisas, leva o campeão à cobiçada fase de grupos da Copa Libertadores

O clássico nacional entre Palmeiras e Grêmio irá encerrar a época de 2020 no Brasil com o desfecho da 32a Copa do Brasil, o campeonato mais democrático do país.

Segundo campeonato mais importante da nação, a Copa do Brasil garante ao campeão uma vaga na cobiçada fase de grupos da Taça Libertadores. Nesta edição, apenas o Grêmio está de olho nesta vaga, pois o Palmeiras já garantiu sua participação ao conquistar “La Copa” em 2020 e, se o Grêmio não ganhar, terá que se garantir nos jogos eliminatórios pré fase de grupos, chamada erroneamente em terras tupiniquins de “pré-Libertadores”.

Siga a página do FairPlay no Facebook

Além do título e da vaga na principal competição do continente, a Copa do Brasil também oferece um polpudo prêmio em dinheiro, mais alto até que o prêmio do Brasileirão. Enquanto o principal torneio do país oferece ao campeão algo em torno de cinco milhões de euros (33 milhões de reais), a Copa do Brasil tem um prêmio de oito milhões de euros (54 milhões de reais). Como se tudo isso não bastasse, a CB também soma pontos no ranking de clubes da CBF, atualmente liderado pelo Palmeiras.

Mas como surgiu a Copa do Brasil nas terras canarinhas? Vamos conhecer um pouco da história deste simpático torneio, que conseguiu o incrível feito de ter sempre a mesma fórmula de disputa, apenas com pequenos ajustes entre uma edição e outra.

O início

Brasil, 1989. O país se preparava para voltar a eleger diretamente o Presidente da República, após um longo período de ditadura militar. Na TV, a estreia do programa “Domingão do Faustão” numa época em que não havia TV a cabo nem internet colocava milhares de famílias em frente aos tubos televisivos para acompanhar quadros variados de pranks, video cacetadas, mulheres seminuas e cantores consagrados misturados a outros de qualidade duvidosa.

No futebol, os principais clubes  tentavam se organizar no intuito de moralizar o futebol brasileiro. O Campeonato Brasileiro definhava em qualidade, a CBF tentava reatar o relacionamento com o recém criado “Clube dos Treze”, que não aceitava mais um Brasileirão inchado e desmoralizado.

Três anos antes, em 1986, o Brasileirão chegou a ter inacreditáveis 80 equipas a disputar o título. Isso fez com que o “Clube dos Treze” rompesse com a CBF e organizasse seu próprio campeonato em 1987. Em 1988, CBF e Clube dos Treze entraram em acordo e o Brasileirão teve “apenas” 24 equipas a disputar a Taça.

Mas isso despertou a ira das federações e a CBF estava pressionada. De um lado, o Clube dos Treze não aceitava mais o inchaço no campeonato. De outro, as federações estaduais reclamavam que suas equipas não teriam mais representatividade no cenário nacional e que o Clube dos Treze queria elitizar o futebol e iria acabar com o desporto rei no país.

E por incrível que pareça, a CBF acertou em cheio ao criar a “Copa do Brasil”, um campeonato paralelo ao Brasileirão, com a participação de todas as federações, em sistema de jogos eliminatórios de duas mãos em todas as fases. E como na época o Brasil tinha apenas duas vagas na Libertadores, decidiu-se que uma vaga seria do Campeão Brasileiro e outra seria do Campeão da Copa do Brasil.

A decisão agradou ao Clube dos Treze, às federações estaduais e, principalmente, aos adeptos. A Copa do Brasil foi um sucesso desde o início. Disputada por 32 equipas em jogos eliminatórios de duas mãos, trouxe uma novidade: a regra do gol qualificado, que durou até o ano de 2017. Na época atual, felizmente não se utiliza mais esta regra. O primeiro campeão do certame foi o Grêmio, que venceu o Sport nas finais.

Grêmio, o primeiro campeão em 1989. Foto: Duvulgação / Grêmio

A consolidação

Nos anos seguintes, a Copa do Brasil manteve a mesma fórmula, mas com alguns ajustes. O número de participantes aumentou consideravelmente, apesar dos critérios de classificação seguirem a mesma lógica – a posição nos Estaduais é o principal parâmetro a definir a participação de um clube no torneio. A edição atual teve 91 equipas participantes.

Mas mesmo mantendo a fórmula de jogos eliminatórios, algumas mudanças ocorreram ao longo do tempo. Por exemplo, a eliminação nas primeiras fases agora ocorre em jogo único, realizado na casa da “menor” equipa. Outra regra que mudou foi o número de golos na primeira partida: a depender da fase, se uma equipa “grande” vencer uma “pequena” na casa do pequeno por mais de dois golos, a classificação é direta e não há jogo de segunda mão.

Nos anos de 2001 a 2012, as equipas que disputavam a Libertadores não jogavam a CB, por problemas de calendário. Isso fez com que o campeonato perdesse força e interesse, além de permitir que equipas de menor expressão conquistassem o título. Santo André e Paulista de Jundiaí se beneficiaram desse regulamento quando conquistaram seus títulos em 2004 e 2005, respectivamente. Também por esse motivo, os adeptos do São Paulo justificam o fato do Tricolor nunca ter ganho a CB, por não ter disputado o certame durante os anos em que conquistaram suas glórias eternas no início do século XXI.

Acompanhe o Webcast Ginga Canarinha

A solução para “reviver” a CB foi recolocar no certame as principais equipas, que desde 2013 entram somente nas oitavas de final. Nada mais justo pra quem investiu e conseguiu atingir posição suficiente pra disputar a Liberta. Porém, nem tudo está certo com relação à Copa do Brasil. Nas atuais edições, as oitavas de final são formadas por cinco equipas que participam desde o início do torneio, e mais 11 equipas que entram direto, a saber:

  • As equipas que disputam a Libertadores
  • Os melhores classificados no Brasileirão
  • O campeão da Copa Nordeste
  • O campeão da Copa Verde
  • O campeão da Série B

A Copa Nordeste e a Copa Verde são torneios regionais que envolvem equipas das regiões norte, nordeste e centro-oeste. Assim, nada mais justo que essas equipas entrem nas oitavas pra decidir a CB. Porém, o campeão da Série B entrar direto nas fases decisivas é um verdadeiro absurdo. Ora, o campeão da Série B já levou a vantagem de subir pra Série A no ano seguinte, então não podemos premiá-lo além disso. Não dá pra colocar no mesmo cesto o campeão da Libertadores e o campeão da Série B. Outro absurdo é o sorteio livre das oitavas de final, como ocorreu essa época. Até 2019, o sorteio das oitavas tinha potes separados entre as equipas da Libertadores e os demais, o que garantiu jogos melhores e mais equilibrados. Esses critérios precisam ser revistos com urgência.

Desta maneira, entre erros e acertos, chegamos à 32a final. O Cruzeiro é o maior campeão, com seis títulos, seguido pelo Grêmio, que busca a sexta Taça. O Palmeiras briga pelo tetracampeonato, o que o deixaria na condição de melhor equipa paulista a vencer a CB. E o São Paulo continua sonhando com sua primeira Taça, ao lado de Botafogo e Coritiba, outros dois campeões brasileiros que nunca conquistaram a CB.

Que vença o melhor…

O guarda redes do Palmeiras, Fernando Prass, levanta a Taça de Campeão em 2015 Foto: Cesar Greco / Palmeiras

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter