Como a Seleção Brasileira olímpica defenderá a medalha de ouro?

Rafael RibeiroJunho 23, 20215min0

Como a Seleção Brasileira olímpica defenderá a medalha de ouro?

Rafael RibeiroJunho 23, 20215min0
Será que o treinador da Seleção Brasileira Olímpica, André Jardine, acertou na convocação dos 18 nomes para a delegação de Tóquio?

A Seleção Brasileira Olímpica deu o passo final rumo aos Jogos Olímpicos de Tóquio agora em 2021. Com 18 jogadores escolhidos pelo treinador André Jardine, a equipa tentará defender o ouro olímpico vencido em 2016, no Rio de Janeiro. Com algumas mudanças de direção, muitos nomes vetados por seus clubes, e algumas escolhas dúbias, o Fair Play aponta como o Brasil chegará para disputar os jogos dessa Olimpíada.

Os 18 convocados

Guarda redes:

Santos (Athletico-PR)
Brenno (Grêmio)

Laterais:

Daniel Alves (São Paulo)
Gabriel Menino (Palmeiras)
Guilherme Arana (Atlético-MG)

Centrais:

Gabriel Magalhães (Arsenal)
Nino (Fluminense)
Diego Carlos (Sevilla)

Médios defensivos e ofensivos:

Douglas Luiz (Aston Villa)
Bruno Guimarães (Lyon)
Gerson (Flamengo)
Claudinho (Red Bull Bragantino)
Matheus Henrique (Grêmio)

Avançados e extremos:

Matheus Cunha (Hertha Berlim)
Malcom (Zenit)
Antony (Ajax)
Paulinho (Bayer Leverkusen)
Pedro (Flamengo)

Os vetos das equipas

Diferentemente da edição de 2016, que contou na época com nomes como Neymar Jr. e Rafinha (Barcelona), Marquinhos (PSG), Douglas Costa (Bayern) e Felipe Anderson (Lazio), dessa vez as equipas européias não foram tão acessíveis. Jogadores que constavam na pré-lista de 50 nomes, como Alisson (Liverpool), Marquinhos (PSG), Militão (Real Madrid), Fernandinho (Manchester City), Neymar (PSG) e Rodrygo (Real Madrid) não foram liberados, usando como base o argumento de que essas não são consideradas “Data FIFA”, o que não torna obrigatória a liberação dos jogadores.

Jogadores que também atuam no Brasil não foram liberados. Weverton, em alta no Palmeiras, Rodrigo Caio e Gabigol no Flamengo. Este último time ainda tem imbróglio importante a resolver, já que o nome de Pedro apareceu como convocado, o jogador se manifestou publicamente agradecendo a convocação e desejando ir à Tóquio, porém o Flamengo insistirá em não liberar. Na lista de jogadores relevantes liberados, o Brasil conta com Gerson (recentemente negociado com o Olympique de Marseille), Bruno Guimarães (Lyon), Douglas Luiz (Aston Villa – o único presente também na seleção principal para a disputa da Copa América) e Gabriel Magalhães do Arsenal.

Os jogadores acima de 23 (24) anos

Sem poder escolher os nomes desejados (Alisson ou Weverton para o gol, Marquinho para a defesa e Neymar para o ataque), Jardine surpreendeu nos nomes veteranos, e gerou dúvidas nos adeptos. Será que os nomes escolhidos fazem jus à convocação? Santos (guarda redes do Athletico Paranaense) abre a lista. Sem a dupla ideal, houve a opção por outro jogador veterano na posição. Junto com Brenno (Grêmio) essa é a posição mais dúbia da convocação, que não levou Cleiton (Red Bull Bragantino – nome certo durante a preparação olímpica), ou Daniel Fuzato (Roma).

Daniel Alves foi a maior surpresa. Mesmo conquistando o título paulista com o São Paulo, e voltando a jogar bem pela ala direita, o lateral de 38 anos está muito questionado. O nome certamente causa um impacto positivo de liderança, servindo como guia para os jovens atletas, porém sua performance técnica não é a mesma de outrora. E por fim, Diego Carlos, 28 anos, defesa do Sevilla, que não teve costume de jogar durante a preparação de Jardine para as Olimpíadas. Desconsiderando nomes como Ibañez (Roma), Felipe (Atlético de Madrid), Veríssimo (Benfica) ou mesmo Robson Bambu (Nice).

Dani Alves, eleito o melhor jogador da Copa América 2019, volta a Seleção depois de não poder estar na Copa América de agora por lesão (Foto: Getty Images)

Outras escolhas de Jardine

A lista, que tinha potencial para ser ainda melhor do que a de 2016, mesmo considerando os nomes que não foram liberados por suas equipas, pode não ter atingido seu nível máximo. Além dos jogadores que citamos acima não lembrados por Jardine para o gol e a defesa, na lateral, Guga (Atlético Mineiro), Emerson (Barcelona) e Dodô (Shakhtar) deveriam ser considerados (até onde se sabe não foram revelados vetos ou mesmo intenção de convocação, apesar dos nomes estarem na pré-lista).

Já para o meio campo, a posição é uma das mais fortes da convocação, mas ainda assim Matheus Henrique (Grêmio) poderia dar lugar a uma série de bons nomes. Casos de Maycon (Shakhtar), Reinier (Borussia Dortmund) e até mesmo Patrick de Paula (Palmeiras). E por fim no ataque, que também está forte, mas tinha potencial para ser a melhor posição na convocação, não teve lugar para Martinelli (Arsenal), David Neres (Ajax), Evanílson (Porto) e Richarlison (Everton – que serve constantemente a seleção principal).

Matheus Cunha (Hertha Berlim) e Paulinho (Bayer Leverkusen) quase não participaram da jornada de Jardine para Tóquio. Dos dois, Matheus Cunha tem potencial para estar na lista, mas considerando que Paulinho não fez boa época na Alemanha e voltou recentemente de grave lesão, outro nome poderia ser considerado. Resta ver como a equipa irá lidar com a competição, que ocorre em menos de 30 dias. Antes da viagem, a seleção perdeu para a seleção principal de Cabo Verde por 2-1 e venceu a Sérvia sub-23 por 3-0 nos últimos amistosos preparatórios.

A Seleção Olímpica está preparada para defender o ouro em Tóquio (Foto: Reprodução/CBF)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter