Após cinco anos, Dudu deixa o Palmeiras como principal jogador do século

Fair PlayAgosto 2, 20205min0

Após cinco anos, Dudu deixa o Palmeiras como principal jogador do século

Fair PlayAgosto 2, 20205min0
O mágico palmeirense diz adeus ao Brasil e parte em direcção ao Qatar, deixando para trás golos, assistências e uma série de honras feitas ao serviço do Palmeiras. Dudu vai fazer falta ao emblema brasileiro?

Artigo por João Sundfeld

O ano de 2015 marca a reconstrução do Palmeiras, um dos maiores clubes brasileiros. O clube sofria com problemas económicos e de gestão, sendo estes os motivos que o levaram ao rebaixamento à Série B, em 2012. Paulo Nobre, presidente palestrino, buscou, em seu segundo mandato, mudar esta situação. Nobre anunciou, então, a contratação de Alexandre Mattos, diretor de futebol bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro, e este se tornaria um dos principais nomes da diretoria alviverde e um grande responsável pelas glórias que estavam por vir.

O novo diretor entendeu que havia a necessidade de uma enorme reformulação na equipa. Apenas um jogador que estava presente na pífia temporada de 2014 se manteve, sendo este o guarda redes Fernando Prass. A quantidade de contratações foi algo sem precedentes – 25 novos nomes passaram a compor o plantel comandado pelo, também recém contratado, treinador Oswaldo de Oliveira. Destes diversos nomes, um se destacou: Dudu. O futebolista de 23 anos era disputado entre São Paulo, Palmeiras e Corinthians e, em apenas uma ligação telefónica, Mattos o convenceu a vestir verde.

O início do novo camisa 7 foi cheio de expectativas e desilusões. Se tornou, rapidamente, titular da equipa e um dos principais jogadores. Conduziu o Palmeiras a mais uma final do Paulistão em sua história, algo que não acontecia desde 2008, com cinco assistências e três golos em 17 jogos. A sua importância para a equipe era evidente e, com isso, os adeptos o apoiavam cada vez mais. Na final, porém, tudo mudou.

O primeiro jogo da decisão foi disputado no Allianz Parque e, em uma partida equilibrada e marcada por uma arbitragem polêmica, o Palmeiras levou a melhor. Dudu porém, teve uma de suas piores noites vestindo o manto alviverde, pois saiu dos pés dele a cobrança de pênalti que, caprichosamente, atingiu o travessão da baliza defendida por Vladimir. O segundo jogo, no entanto, seria ainda mais desastroso.

A equipa do Santos precisava do resultado. A derrota por um golo na partida de ida deixava a decisão em aberto. A equipa comandada por Marcelo Fernandes foi pra cima e conseguiu dominar o adversário, marcando dois golos e criando inúmeras oportunidades. No fim da primeira etapa, Dudu cometeu o maior erro de sua carreira. O jogador, após ser expulso no momento em que o time mais precisava de seu principal jogador, empurrou o árbitro e, posteriormente, foi suspenso por 6 jogos. A indisciplina do jogador custou o título Paulista e o seu futuro no clube se tornava incerto. Era a hora de dar a volta por cima.

Ao voltar para a equipe, ele era outro jogador. A indisciplina pela qual ficou marcado havia, praticamente, desaparecido. Com isso, as críticas da imprensa e dos adeptos também se esvaíram e ele pôde provar no campo o porquê de ser considerado a melhor contratação do Palmeiras no ano. Em 2015, seu primeiro ano, foram dezesseis golos e treze assistências. Conduziu o time a final da Copa do Brasil, contra o mesmo Santos que, meses antes, havia sido seu algoz. No Allianz Parque, precisando do resultado, Dudu marcou seu nome na história do clube, com dois golos e o título mais importante do século.

Nos anos seguintes, o jogador se desenvolveu e melhorou a cada dia. Foi um dos destaques do título brasileiro, sob o comando de Cuca, sendo considerado por muitos o melhor do campeonato. Foi o grande responsável pelas boas campanhas da equipa em 2017 (vice-campeão brasileiro) e 2019 (terceiro colocado no campeonato nacional), pois, quando seus companheiros iam mal, ele resolvia as partidas com atuações excelentes, golos, assistências e, acima de tudo, vontade de vencer. Com isso, ele conseguiu estar entre os onze melhores do Brasileirão em todos esses anos. Em 2018, ele atingiu o seu auge sendo, novamente, campeão brasileiro e vencendo a bola de ouro, prêmio dado ao melhor jogador do campeonato. Na equipa comandada, dessa vez, por Felipão, ele foi um dos artilheiros e o principal assistente, sendo considerado, por isso, o principal jogador alviverde no século.

Em 2020, porém, o ciclo se encerra. Foram 5 anos de muitas glórias com a camisa do Palmeiras, mas, mesmo com o carinho incondicional dos adeptos e com a sua identificação com o clube, ele entendeu que sua ida ao Qatar era necessária. Dudu, então, deixa o clube no qual se tornou ídolo e promete voltar em breve, afirmando que sua história não está acabada. O ciclo atual se encerrou com 305 jogos, 75 assistências (sendo ele o jogador com mais assistências no século vestindo a camisa do Palmeiras), 70 golos (assumindo o posto de artilheiro do Palmeiras no século), três títulos nacionais, entre diversos outros grandes feitos.

A equipa paulista tem, agora, de provar que não era “Dudu mais dez” e, para isso, vai em busca da conquista do Campeonato Paulista. O título, porém, a cada dia parece ser mais difícil, devido a falta de uma referência técnica em campo. Com isso, Luxemburgo deve ter dificuldades para fazer o Palmeiras jogar como deveria e, desse modo, conquistar títulos. A falta que o ex-camisa 7 faz para a equipa é notória, mas deve ser superada. A torcida, porém, enxerga a saída do jogador como uma perda irreparável e pressiona, cada vez mais, a diretoria por resultados. Se os esperados títulos virão, ninguém pode saber, mas é entendido por todos que sem um jogador como Dudu, o plantel palestrino joga um futebol medíocre e que, hoje, não demonstra evolução e nem capacidade de conquistar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter