Borussia de Dortmund a apostar forte no mercado, estará mais próximo do Bayern?

Pedro CouñagoJunho 20, 20198min0

Borussia de Dortmund a apostar forte no mercado, estará mais próximo do Bayern?

Pedro CouñagoJunho 20, 20198min0
O Borussia de Dortmund está a jogar na antecipação e a contratar soluções em conta e seguras que que lhe permitem sonhar com um melhor desempenho em 19/20, um que traga um fim à hegemonia do Bayern de Munique.

Depois de uma época em que a luta foi taco a taco entre o Bayern de Munique e o Borussia de Dortmund, ficou o amargo de boca para a equipa que veste de amarelo e preto, na medida em que teve o pássaro na mão e deixou-o voar perante uma equipa bávara que esteve, em muitas partes da época, abaixo daquilo que sabe e pode fazer.

Ainda assim, foi uma grande melhoria em relação às últimas épocas, em que o Bayern praticamente não teve oposição. Como resposta imediata, o Borussia já fez várias movimentações no sentido de retocar o seu plantel, e definitivamente já o melhorou dada a qualidade/valor gasto.

As contratações já garantidas e para que lugares chegam

Já foram adquiridos Thorgan Hazard, Julian Brandt, Nico Schulz e Mats Hummels, todos com tremenda experiência de equipas da metade superior da Bundesliga, muitos do Top 5 inclusive, muitos jogos realizados no principal campeonato alemão, todos com imensa qualidade e todos estarão, certamente, entre o onze titular e a sua utilização enquanto décimo segundo jogador.

Julian Brandt traz juventude e irreverência ao ataque dos amarelos, sendo uma autêntica pechincha por 25 milhões de euros a sua contratação, retirando uma das principais armas ao Bayer Leverkusen na luta pelos lugares de topo. Mats Hummels traz a experiência e qualidade que a defesa tão nitidamente precisava, visto que Manuel Akanji e Abdou Diallo são boas opções, mas jovens e ainda propensos a cometer muitos erros individuais. Hummels regressa assim a uma casa que bem conhece para ter ainda duas/três épocas ao mais alto nível e, tendo conhecimento por dentro do Bayern, poderá ter algum conhecimento útil para o balneário do Dortmund contrariar a superioridade bávara. Foi a última contratação confirmada e vejamos se fica por aqui, o que é pouco provável. 

Mats Hummels é um dos grandes destaques até ao momento do mercado, retornando a um clube onde já foi muito feliz como capitão de equipa (Foto: Trivela)

Nico Schulz é também um upgrade a Marcel Schmelzer, que parece estar já no sentido descendente da carreira, e Raphaël Guerreiro tem bastantes problemas físicos, além de nem serem tão raros os jogos em que o português joga noutras posições dada a sua qualidade de passe e capacidade de trabalho. Há ainda a forte possibilidade de Guerreiro rumar a outras paragens. Schulz é o jogador certinho, que não arrisca muito mas não compromete, sendo essencialmente consistente, atributo que poucos jogadores vão tendo nos dias de hoje, ainda por cima lateral esquerdino, alemão, ganhando destaque na Maanschaft.

Thorgan Hazard será, possivelmente, o backup de Marco Reus enquanto organizador de jogo, dando outro perfume à circulação de bola e chegando muito bem perto da área para finalizar. Dê-se todo o mérito a Thorgan pela carreira estável que tem vindo a conseguir construir, mesmo tendo o irmão Eden que está nas bocas do mundo e que, naturalmente, desperta muitas comparações.

Marco Reus é aquele jogador que será sempre sinónimo de Borussia Dortmund, permanecendo sempre quando as principais estrelas abandonaram o clube, é já uma lenda no ‎Westfalenstadion, sendo até curioso perceber se alguma vez o alemão vai abandonar as hostes de um clube que o salvou e que teve confiança nele após tantas lesões, um clube onde é uma lenda e capitão de equipa.

As vendas e o confirmar da contratação definitiva de Paco

O maior mérito do Borussia passa por ter conseguido contratar, em valores estimados, os quatro jogadores mencionados por valores entre os 100 e os 110 milhões de euros, algo fantástico perante o valor que os mesmos oferecem e a inflação do mercado nos dias de hoje. Além disso, o Borussia, em net spend, apenas terá de despender cerca de 30 a 35 milhões de euros com estas contratações, dada a fantástica venda de Christian Pulisic, um elemento que nem era indiscutível, ao Chelsea por valores a rondar os 65 milhões de euros e ainda a venda de Alexander Isak, prodígio sueco de 19 anos, à Real Sociedad por 6,5 milhões de euros. Esta última poderá ter sido um erro mas a verdade é que o jovem ponta de lança ainda pouco provou e teria poucas oportunidades em Dortmund, mesmo perante uma segunda boa metade de temporada no Willem II, da Eredivisie. Em Espanha, poderá fazer estragos e, ainda assim, deu lucro aos cofres do Borussia.

O Borussia optou ainda por acionar a cláusula de Paco Alcácer, fixada em 21 milhões de euros, opção acertada face ao tremendo impacto que o espanhol teve esta época, no entanto uma opção arriscada porque resta perceber que o ponta de lança mantém o nível exibicional, mesmo sabendo que partirá do banco de suplentes várias vezes. Um golo a cada 86 minutos em todas as competições e um golo a cada 67(!) na Bundesliga é quase uma média à la Ronaldo ou à la Messi, e a verdade é que Alcácer fez uma primeira metade de temporada soberba, na qual quebrou o recorde de golos apontados em jogos consecutivos a partir do banco na Bundesliga e apontou 12 golos na primeira volta, apontando mais  seis na segunda metade de 18/19.

Paco Alcácer foi uma espécie de arma secreta apontada aos adversários do Borussia, a expectativa é a mesma para a próxima temporada (Foto: saudigazette)

Dezanove golos foram, definitivamente, uma boa forma de o espanhol reavivar a sua carreira, que estagnou drasticamente em Barcelona, e veremos se será mais utilizado como titular ou a opção continuará a recair muitas vezes em Mario Götze ou até Marco Reus como homem mais adiantado. Não descartar também a hipótese de um transferência para a posição.

A dúvida: Ficará Jadon Sancho no Borussia de Dortmund?

Jadon Sancho é já um caso aparte daquilo que é a generalidade dos jogadores ingleses, que nem sempre se dão muito em fora do Reino Unido. Neste caso, Sancho é já uma absoluta estrela aos 19 anos, em apenas uma época e meia tornou-se o jogador mais valioso da Bundesliga e já é presença habitual na seleção A inglesa.

O céu é o limite para um extremo com uma impressionante qualidade de drible, uma explosão que está ao nível de poucos e ainda provou que é capaz de juntar números astronómicos no campo dos golos e das assistências (13 golos e 19 assistências) esta época.

Jadon Sancho tem a mítica 7 nas suas costas e está a carregar o manto de uma forma fantástica até ao momento. Teremos jogador para o top dos melhores na próxima década? (Foto: Getty Images)

Quem sabe o que poderia ter feito no Manchester City de Guardiola? A verdade é que, agora, Sancho é a principal coqueluche do Dortmund e interesse no jovem não falta, principalmente de equipas do seu país natal (Manchester United à cabeça). Nesta altura, se Sancho fosse vendido, seria um negócio absolutamente assombroso para os lados de Dortmund, mas a melhor opção para o extremo é mesmo continuar numa equipa competitiva, que luta por títulos e onde poderá ser a estrela e crescer ainda mais, visto que apenas ainda tem uma época e meia ao mais alto nível.. Certamente que vai ser um jogador na discussão dos melhores do mundo a médio/longo prazo.

19/20 será o ano do Borussia?

Nota-se claramente o dedo de Lucien Favre neste Borussia renovado, sendo que o técnico já recebeu um aumento de confiança ao renovar pelo clube. Cada vez mais as opções são à sua imagem, proporcionam uma renovação no plantel e uma implementação segura de um futebol positivo e recheado de golos, o investimento neste mercado de transferências tem sido forte. Na temporada passada, ficou muito perto de garantir a reconquista do título que escapa há sete anos para o sul da Alemanha. Perante um Bayern com muitos jogadores em fim de ciclo e em renovação, quem sabe se não poderá ser 19/20 o ano do Dortmund? 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter