Benfica: Os próximos talentos a serem desperdiçados por Jorge Jesus

Gonçalo MeloNovembro 21, 20214min0

Benfica: Os próximos talentos a serem desperdiçados por Jorge Jesus

Gonçalo MeloNovembro 21, 20214min0
Artigo com alguns dos mais talentosos jogadores da atual equipa B do Benfica, que continuam à espera de uma oportunidade na primeira equipa.

Se há departamento onde o Sport Lisboa e Benfica é amplamente reconhecido, é naquele que se refere à forma como trabalha os seus jovens no centro de estágio do Seixal. Quase todas as geraçoes são dotadas de vários talentos com capacidade para chegar longe. Nos últimos anos, assistimos a uma aposta efetiva nestes jovens por parte de Rui Vitória e Bruno Lage, com Lindelof, Rúben Dias e João Félix a perfilarem-se como grandes bandeiras da qualidade com que se trabalha no Seixal.

No entanto, o atual treinador do Benfica já demonstrou a sua preferência por sul americanos com dificuldades de afirmação, sendo que neste momento apenas Gonçalo Ramos tem sido aposta na equipa principal do Benfica (vamos ver como será daqui para a frente com o regresso de Seferovic).

Quem são então os próximos talentos a ser postos de lado pelo timoneiro das águias?

Tomás Araújo, defesa central

O jovem de 19 anos tem tudo para se afirmar no clube da luz, muito devido à anormal maturidade que demonstra ter apesar da tenra idade. Já presença regular nas convocatórias da seleção sub 21, Tomás Araújo pode ter na lesão grave de Lucas Veríssimo a única oportunidade de ter chances na equipa principal das águias.

Muito forte taticamente, destaca-se pela forma como sai a jogar, pela qualidade no passe e pela sua velocidade, sendo o central ideal para jogar do lado direito numa defesa a 3.

Rafael Brito, médio defensivo

Um elemento da mesma geração de Tomás Araújo, Rafael Brito é um médio defensivo moderno, com muita qualidade na construção e grande visão de jogo. Não é ainda um monstro defensivo, mas com o treinador certo pode chegar a um patamar muito alto.

Titular absoluto na equipa B encarnada, é estranho que ainda não tenha tido uma oportunidade de pelo menos treinar com mais regularidade com a equipa A, principalmente devido à falta de impacto de Meité.

Ronaldo Camará, médio ofensivo

Desde muito cedo que se percebeu que Ronaldo Camará era um talento não visto muitas vezes. Muito dotado tecnicamente, criativo e habilidoso com a bola, Camará era um dos diamantes mais brilhantes da formação encarnada, mas parece estar a acusar a pressão a nível senior.

Ainda não foi titular em nenhum jogo da segunda liga esta época, muito devido à falta de rotinas que revela no 4-4-3 usado por Nélson Veríssimo. No entanto, com apenas 18 anos, ainda há muito tempo para Ronaldo Camará explodir e afirmar-se como todos esperam.

Úmaro Embaló, extremo

Aos 18 anos esteve com pé e meio no Leipzig, mas a revolta dos sócios com a possível venda levou o Benfica a abortar a missão.

O extremo nascido em Bissau desde muito cedo se começou a destacar, muito graças à sua velocidade e drible desconcertante com o pé esquerdo, o que levou a comparações com Angel Di María.

Nos últimos anos Embaló perdeu algum fulgor, devido às compactas defesas da nossa segunda liga, no entanto, esta época o canhoto de 20 anos parece estar de volta, com 4 assistência e dois golos na segunda divisão, e uma enorme capacidade de desequilibrar que permitem ao Benfica B estar nos lugares cimeiros.

Henrique Araújo, ponta de lança

Um goleador nato, que esta época já leva 6 golos em 11 jogos na segunda liga.

Com um instino que nem todos apresentam, Henrique Araújo já é presença assídua na seleção sub 21, mesmo com a enorme concorrência de Gonçalo Ramos, Fábio Silva ou Tiago Tomás. Com Gonçalo Ramos à sua frente na hierarquia, o espaço para os dois pode nunca chegar a existir, pelo que Henrique Araújo deve mais cedo ou mais tarde seguir carreira noutro sítio que não a Luz.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter