A Invasão Corinthiana

Virgílio NetoDezembro 30, 20193min0

A Invasão Corinthiana

Virgílio NetoDezembro 30, 20193min0
Em 5 de Dezembro de 1976, aproximadamente 70 mil adeptos corinthianos deslocaram-se de São Paulo para o Rio de Janeiro para a meia-final do Campeonato Brasileiro, contra o Fluminense, em episódio que ficou conhecido como "A Invasão Corinthiana"

O futebol do Brasil tem alguns absurdos, muitos deles inacreditáveis. A invasão corinthiana, tema deste artigo, é um deles. Outrora um grande feito, actualmente o deslocamento em massa de adeptos para acompanhar uma partida não é tanta surpresa. Um parênteses: a expressão do português-brasileiro “torcida” tem origem no início do século XX, na torcida dos dedos das luvas das ansiosas senhoras que acompanhavam os jogos. Assim, “ficar na torcida” era a atividade dos adeptos que, ocupavam nas bancadas a “área da torcida”.

Os corinthianos são conhecidos como sendo “A Fiel Torcida”. É por isso que a principal claque do clube chama-se “Gaviões da Fiel” (torcida). Fiéis porque por mais de vinte anos o clube paulista não conquistou quaisquer títulos e, para terem ideia, ficou por mais de uma década sem vencer o Santos Futebol Clube.

Dizem especialistas renomados que é em tempos de sofrimento que se percebe quem ou não é fiel.

Em Dezembro de 1976 o Corinthians estava já há 22 anos em jejum de conquistas e alcançava a meia-finai do Brasileirão. Enfrentavam os cariocas do Fluminense Football Club, do Rio de Janeiro, no estádio do Maracanã. O “Flu” era o favorito, mas o Corinthians entusiasmava pela pelo espírito de luta da equipa. A fim de promover o jogo, os presidentes dos dois clubes (Francisco Horta, do Fluminense e Vicente Matheus, do Corinthians) falaram à imprensa, com declarações provocadoras, mas polidas, como esta do dirigente do “Flu”:

“Que os vivos saiam de casa e os mortos saiam das tumbas para torcer pelo Corinthians no Maracanã, porque o Fluminense vai ganhar a partida”.

Nesta atmosfera, na semana do jogo foram disponibilizados para venda aos corinthianos dezenas de milhares de bilhetes, que esgotaram-se rapidamente em São Paulo. Nas autoestradas, aeroportos e estações de comboio, o deslocamento em direcção ao Rio de Janeiro (aproximadamente 450km) ficou nitidamente muito mais intenso. Diante disso, somados aos alvi-negros que já estavam no Rio de Janeiro e os adeptos de outros clubes que lá estavam pelo Corinthians, estima-se que setenta mil (70.000) adeptos corinthianos estiveram naquela tarde de 5 de Dezembro de 1976, episódio que ficou conhecido como “A Invasão Corinthiana” e reforçou a imagem de “fiéis” que têm os adeptos deste clube paulista.

Após empate em 1 golo no tempo regulamentar, o Corinthians avançou à final após vencer a disputa das penalidades máximas. Na decisão, derrota por 2 a 0 para os gaúchos do Sport Club Internacional, de Caçapava, Valdomiro e Falcão e, assim, os corinthianos continuavam no jejum de títulos, que só teve fim no ano seguinte, 1977. Tema para um outro artigo.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter