“Jogar Bonito”, uma Escolha ou Obrigação?

João NegreiraJunho 17, 20193min0

“Jogar Bonito”, uma Escolha ou Obrigação?

João NegreiraJunho 17, 20193min0
Artigo de opinião, onde se discute os modelos de jogo no futebol e as opções dos treinadores. Será que todos podem estar na moda e "jogar bonito"?

O presente artigo pretende expor a opinião do autor, em relação aos modelos de jogo no futebol. Dito por outras palavras, discutir a maneira de jogar dos diferentes treinadores.

No futebol atual, estudos destacam que o Ataque Posicional é o mais utilizado pelas equipas mais bem sucedidas. Por outro lado, outros estudos afirmam que o Ataque Rápido e o Contra-Ataque são os métodos mais eficientes, no sentido em que são os que mais causam perigo às equipas adversárias.

Não obstante, há que mencionar que as equipas de topo têm que dominar todos os métodos de jogo, a fim de saberem comportar-se em todos os momentos da partida.

A Discussão

A questão que se pretende colocar com este artigo é o facto de que certo método de jogo, pode ser mais bem visto, mas nem sempre pode trazer resultados.

Por influências estrangeiras, os adeptos querem ver um futebol bem jogado. Caracterizado por uma boa dinâmica ofensiva, a sair a jogar com passes curtos e a chegar a zonas de finalização com a bola controlada. As conquistas de Pep Guardiola no Barcelona e, mais recentemente, no Manchester City, levam a grande parte dos aficionados a pensar que essa é a maneira correta de se praticar o futebol.

A partir daí, os comentadores criticam os treinadores que não têm um futebol não tão “bonito”. Normalmente, utilizando um futebol mais direto o timoneiro é logo criticado. Essa é a questão fundamental à qual é preciso alertar o leitor. Pois muitas vezes critica-se sem se saber o contexto e perceber a realidade que o clube vive.

Não querendo ser mal interpretado, é importante referir que como adepto, também me agrada ver um bom espetáculo. E são essas equipas que, na maior parte das vezes, conseguem trazer esse futebol mais atrativo.

Porém, é contra esta “onda” de que o futebol só pode ser feito desta maneira, que este artigo é escrito.

Porque “jogar bonito” nunca pode ser uma obrigação! Será sempre uma escolha a ter que ser tomada, em função do plantel, dos objetivos, das condições e do contexto competitivo.

No fundo, aquilo que este artigo vem expor é que: se um treinador tem à sua disposição um plantel que é forte no jogo aéreo, tem uma boa média de altura, tem bons índices de velocidade e explosão e, não está confortável com a bola nos pés, porque razão iria jogar em Ataque Posicional?

É necessário alertar o adepto que o Ataque Rápido e o Contra-Ataque também são métodos utilizáveis. Se o seu plantel tiver características que possam potenciar esse método, é natural que o treinador opte por isso.

Nesta luta contra aqueles que pensam que o futebol só se joga de uma maneira, é preciso diferenciar as equipas que fazem o “anti-jogo” (e essas, sim praticam um mau futebol), daquelas que têm um modelo de jogo bem montado e adaptado às suas condições.

É necessário haver uma melhor cultura futebolística. É necessário que o futebol comece a ser bem falado!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter