Stranger Rules: Quando os fãs influenciam uma corrida

Rui MesquitaMarço 24, 20205min0

Stranger Rules: Quando os fãs influenciam uma corrida

Rui MesquitaMarço 24, 20205min0
O papel dos fãs no desporto é, normalmente, de mero observador, mas não na Formula E! Aqui os fãs têm um papel influente na corrida, tudo graças a uma regra estranha! Descobre tudo aqui!

Como em Hawkings de Stranger Things, coisas e regras estranhas existem em todos os desportos e aqui vamos abordar as mais estranhas, confusas e surpreendentes de todas! Não percas nenhuma e diz-nos qual a mais estranha (o verdadeiro Demogorgon) de todas!


Todos nós, fãs de desporto, sempre sonhamos, como adeptos, influenciar um jogo ou uma corrida. Quem nunca pensou dar aquele empurrãozinho extra a um atleta nos Jogos Olímpicos para chegarmos a uma medalha? Quem nunca pensou pôr mais efeito numa bola a meio de um livre para ajudar no golo da vitória? Muitos de nós, certamente. Mas não é possível, ou é?

Bem, há pelo menos um desporto em que é possível. Há um desporto automóvel em que os fãs têm um papel na corrida. Qual? Formula E. a versão eletrónica da Formula 1. Só carros movidos a bateria elétrica, mas de resto muito semelhante à equivalente a combustível.

A regra e como funciona

A regra estranha desta Formula E permite aos fãs interferir na corrida, algo inédito no mundo do desporto. Chama-se “Fan Boost” e pode ser traduzido como “Empurrão dos Fãs”. Como funciona? Antes de cada corrida, é feita uma votação online e os fãs votam no seu corredor favorito. Aos 5 mais votados é dado o Fan Boost, um botão no carro que, durante 5 segundos faz a bateria fornecer energia extra ao carro.

Ou seja, os fãs escolhem que corredor querem beneficiar na corrida. É um concurso de popularidade com repercussões reais na competição. Ser o menino bonito dos fãs aqui compensa. Cabe depois à perícia do piloto usar o boost no melhor momento para potenciar a “arma” que os fãs lhe deram.

Os fãs alteram a performance do carro (Foto: Forbes)

É uma forma de puxar pessoas para a modalidade dando-lhes a sensação de que fazem parte do desporto. A ideia é, maioritariamente, atrair público jovem, mais ligado às redes sociais e para quem esta sensação de interferir no desporto tem um grande peso.

A ideia de interferência é até um pouco falsa já que o boost não é muito significativo, nem em potência nem em tempo. Em raras ocasiões este boost auxiliou o piloto a conseguir uma ultrapassagem ou a ganhar na reta final. Claro, uma vantagem é sempre uma vantagem, mas esta parece ser maior do que realmente é. Isso cumpre o objetivo de dar aos fãs a sensação de poder sem interferir muito na corrida.

Problemas e a mudança para o futuro

Apesar de ser uma ajuda pequena para os corredores, há muita gente contra ela. Mesmo fãs que acham este concurso de popularidade ridículo. Banaliza um pouco o desporto e dá importância a outras coisas que não o que se passa dentro de pista. Um piloto pode facilmente ganhar este “Fan Boost” sem mostrar grande coisa nas corridas, mas simplesmente mantendo uma presença forte nas redes sociais.

Uma regra estranha num desporto em crescimento (Foto: Formula E)

Apesar disso, a FIA (federação que gere a Formula E e a Formula 1) não parece desistir da ideia. A razão disso é a aposta no futuro. A Formula E é, toda ela, uma competição de futuro. A aposta em carros elétricos é cada vez mais uma realidade e a competição automóvel tem que seguir essa tendência. Trazer os jovens para este desporto (já que muitos perderam ou nunca ganharam o encanto pela Formula 1) é, também, essencial.

A aposta nas redes sociais, tornando-se viral com estes concursos é um passo lógico. A aposta parece estar a funcionar, mesmo que para isso se percam alguns fãs mais conservadores.

E esta regra noutros desportos?

Depois da explicação e de mostrar a implicações desta regra, resta-nos imaginar como seria passar algo do género para outros desportos. Nos restantes desportos de corrida é fácil ver como seria, apesar de em corridas sem motores ser mais complicado de aplicar algo deste género. Usain Bolt com um pequeno boost nas sapatilhas? Geraint Thomas a subir no Tour com empurrãozinho (literalmente) nas costas?

Stoffel Vandoorne é um dos mais votados no Fan Boost (Foto: Top Gear)

E nos desportos que não são de corrida? No futebol, imaginemos como seria uma vantagem destas. Se fosse bem utilizada, uma velocidade superior ao adversário durante 5 segundos podia dar um golo. Bola nas costas do defesa e com um pequeno boost o avançado fica na cara do guarda-redes. Ou podia salvar um golo! Chapéu ao guarda-redes e a bola e entrar lentamente na baliza até que o central usa o seu boost e corta a bola em cima da linha.

Aos fãs de outros desportos resta sonhar ter um poder destes sobre o jogo que tanto gostam. Aos amantes de Formula E é dado esse privilégio por isso usem-no de forma sábia, um dia podem mesmo decidir um campeonato, um pequeno boost de cada vez!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter