Stranger Rules: Dwight Howard e o tempo infinito para lançar a bola

Rui MesquitaAgosto 31, 20204min0

Stranger Rules: Dwight Howard e o tempo infinito para lançar a bola

Rui MesquitaAgosto 31, 20204min0
Dwight Howard é conhecido pela sua dificuldade nos lances livres, mas sabias que isso já lhe custou um jogo de suspensão? Descobre tudo aqui!

Para um fã (ainda que casual) de basquetebol, o nome Dwight Howard soa familiar. Poste que ainda joga na NBA mas obteve fama no início da sua carreira pela sua qualidade. Jogador enorme, forte, dominador e draftado pelos Orlando Magic. A história era muito semelhante à de Shaquille O’Neal e Dwight até acabou por se mudar para os Lakers como Shaq, mas o sucesso não foi idêntico ao seu antecessor.

Apesar de ter uma carreira que defraudou o seu potencial quando chegou à NBA, Diwight Howard teve uma carreira muito boa. 8 vezes all-star, 8 all-NBA team, 5 all-defensive team e 3 vezes melhor defensor do ano (DPOY). Durante a sua estadia em Orlando estabeleceu recordes e dominou a NBA, chegando em 2009 às Finais, perdendo para os Los Angeles Lakers.

O leitor estará a perguntar, por que raio estamos a falar da carreira de Dwight Howard num artigo sobre regras estranhas? Fácil, Howard foi o jogador que mais foi alvo desta regra, levando a que, indiretamente, fosse suspenso por um jogo.

Dwight Howard era a estrela de uma incrível equipa dos Orlandos Magic (Foto: Los Angeles Times)

O contexto e a regra

Para além da sua capacidade física e talento, Dwight Howard é conhecido pela sua maior fraqueza: os lances livres. É algo comum à maioria dos postes grandes e fortes. Com mãos gigantes vem um controlo mais difícil da trajetória e com mais força vem um menor controlo desta força. Dwight tem uma percentagem de acerto de lances livres de 56,6% em toda a carreira. Para o leitor ter uma noção, a média de toda a NBA anda sempre à volta dos 75%.

Jogadores com uma maior dificuldade da linha de lance livre tendem a criar rotinas elaboradas para o lançamento correr melhor. Driblar 3 vezes a bola, rodá-la nas mãos, mais 2 dribles, fletir os joelhos 2 vezes, simulação de lançamento, olhar o cesto durante 3 segundos, mais 1 drible e lançamento. O tempo que demoram não interessa muito porque nestes momentos o relógio está sempre parado, certo? Certo e errado. O tempo está parado, mas há um tempo limite para um jogador lançar a bola: 10 segundos.

Pode parecer estranho contar 10 segundos ou até achar-se que é demasiado tempo. A verdade é que Dwight já foi por várias vezes advertido por exceder este tempo, perdendo o lance livre. A história deste artigo remonta à temporada de 2010/2011 onde Howard atingiu o pico de demora a lançar a bola. Num jogo contra os Celtics os árbitros marcaram falta na violação de 10 segundos e, frustrado, Dwight atirou a bola para a linha de fundo em vez de a entregar ao árbitro. O juiz marcou falta técnica ao poste dos Magic por comportamento antidesportivo.

A repetição e a suspensão

Dwight não aprendeu a lição e repetiu a violação dias depois. Esta falta aconteceu uma terceira vez noutro jogo e Howard voltou a atirar a bola para longe do árbitro levando outra falta técnica. O problema é que o poste tinha entrado para este jogo com 17 faltas técnicas e, mais uma dava-lhe um jogo de suspensão. O árbitro voltou a marcar esta falta e Dwight falhou o jogo seguinte.

Não é claro quando esta regra entrou em funcionamento, mas foi antes da entrada de Howard na NBA. No primeiro jogo em que isto aconteceu com o posto dos Magic, Paul Pierce (adversário nesse jogo) estava a fazer contagem dos segundos com os dedos, mostrando ao árbitro a infração. Esse momento e a frustração de Howard podem ser vistas no vídeo abaixo.

No segundo jogo em que esta infração foi marcada, o treinador adversário (Scott Skiles dos Milwaukee Bucks) começou a contar os segundos que Dwight demorava a lançar em voz alta. Uma atitude que pode ser considerada falta de respeito, mas resultou brilhantemente. Afetou mentalmente Howard e fez com que o árbitro marcasse esta infração uma vez.

 

Não houve muitos outros casos em que esta regra tivesse sido aplicada, mas ela existe. O conselho que a maioria dos treinadores daria e que eu subscrevo é, não vale a pena pensar demasiado. 2 dribles e lançamento. O importante é criar rotina e muscle memory (os músculos lembrarem o movimento correto do lançamento). Apesar destes conselhos, só há realmente duas coisas que interessam: que a bola entre no cesto e que não demores mais de 10 segundos a lançar a laranja!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter