Basketball Champions League 2021 – o ano do bi do Burgos

José AndradeJunho 6, 20214min0

Basketball Champions League 2021 – o ano do bi do Burgos

José AndradeJunho 6, 20214min0
O San Pablo Burgos levantou o título pela 2ª vez consecutiva, mantendo o controlo da Basketball Champions League e contamos o que se passou na final

Regresso para falar da terceira maior competição de clubes de basquetebol da Europa, que tal como nas duas anteriores teve uma conquista histórica, neste caso porque, pela primeira vez, uma equipa conseguiu se sagrar bicampeã na Basketball Champions League.

Pinar Karsiyaka 59 – 64 San Pablo Burgos 

Nesta final desta competição, que foi disputada em Novgorod na Rússia, os espanhóis do San Pablo Burgos sentiram mais problemas do que no ano anterior, mas acabaram por vencer, mesmo que tenha sido de forma mais apertada, oferecendo assim uma final intensa e fisicamente bem disputada, coroando assim uma grande época da Basketball Champions League 2020/2021 – lembrar que o Sporting CP disputou a entrada na prova, sem tê-lo conseguido, infelizmente.

A final começou da melhor maneira… frenética! As duas equipas entraram na quadra em busca de fazer história, com os turcos do Pinar Karsiyaka a quererem conquistar o seu primeiro troféu internacional (foram à final da FIBA Eurochallenge em 2013), enquanto os jogadores de Burgos sonhavam em conquistar a revalidação do troféu, algo nunca antes feito na muito jovem história da Basketball Champions League. Mas bem, nenhuma das equipas foi capaz de conquistar uma vantagem superior a 7 pontos, apesar do Burgos ter estado melhor desde o 1º minuto, conseguindo estar sempre por cima no jogo, mesmo que a liderança tenha mudado de mãos em algumas ocasiões – o Pinar Karsiyaka quando esteve na frente nunca materializou qualquer superioridade.

Este jogo confirmou o que se sabia, o Burgos havia sido a melhor defesa da fase regular e voltou a sê-lo nesta última partida, não permitindo que os seus adversários da Turquia chegassem aos 60 pontos. Um duelo muito intenso e acalorado, com muitas disputas e tal como nas finais que aqui falei já antes anteriormente, tendo sido as defesas a se sobressair mais neste duelo.

O encontro foi pautado sempre com uma pontuação baixa. O Burgos abriu uma vantagem inaugural de sete pontos, que na verdade parecia maior tal era a forma como os espanhóis conseguiam dominar a partida, assentando uma capacidade mental calma e paciente. O Pinar conseguiu reentrar na partida, muito pela qualidade de Amath M’Baye, DJ Kennedy e Raymar Morgan que foram os principais responsáveis pela recuperação turca, conseguindo mesmo que a equipa de İzmir empatasse e até passasse para a frente do marcador, que acabariam por perdê-la já nos últimos minutos do 1º período quando o Burgos foi mais forte, tendo os turcos desperdiçado três lançamentos seguidos.

A seguir tivemos dois períodos muito iguais, sempre com muito equilíbrio, com algumas trocas nas lideranças, mas sempre a defesa espanhola em evidência, apresentando uma muralha quase impassível em diferentes momentos. O último quarto foi o melhor do Pinar Karsiyaka, já que conseguiram estar em vantagem por mais tempo, mostrando nesse período melhor basquetebol, que chegou a quebrar, parcialmente, a defesa do Burgos. As penetrações e ataques mais rápidos fizeram a diferença, mas depois nos momentos decisivos os jogadores da equipa de Karşıyaka acabaram por perder discernimento e falharam quando não podiam falhar. A pressão fez-se notar do lado do Pinar e os jogadores acabaram por tremer.

Os turcos estavam na frente a dois minutos do fim, só que aí entrou a defesa do Burgos em jogo, negando dois ataques e a equipa do Pinar ressentiu-se, somando erros. Esta queda ofereceu espaço para uma reviravolta emocionante, com Alex Renfroe a ser o herói dos minutos finais, isto quando recolocou o Burgos na liderança, algo que a equipa espanhola não mais perdeu. 35 segundos para o jogo terminar, vantagem do Burgos e o Pinar com dificuldades, com dois ataques falhados a serem prova desse elemento. Vitor Benite foi para a linha de lances livres, depois de uma falta da equipa turca no desespero, e converteu os dois, deixando assim o Burgos com a vantagem que viria a ser o resultado final.

Jogo marcado pela grande luta das tabelas, nem sempre o jogo mais bem jogado e para quem gosta de basquetebol espetáculo ou mais ofensivo este não foi o melhor jogo, mas em termos defensivos foi um grande embate e mais uma demonstração da força do Burgos. Benite foi o MVP da final, com o brasileiro a conseguir 15 pontos e voltou assim a ser o MVP pelo segundo ano consecutivo, o que é mais um feito histórico.

MVP da competição

Para mim o MVP da competição foi Bonzie Colson, o extremo dos franceses do Strasbourg, que já jogou na NBA, foi o líder por pontos desta competição e foi uma dos jogadores mais regulares, liderou os franceses numa caminha onde além do bom basquetebol conseguiram chegar longe terminando mesmo na terceira posição.

Bonzie Colson Strasbourg

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter