As melhores mentiras feitas no Futebol: Ali Dia, o astro senegalês

Francisco IsaacNovembro 27, 20184min0

As melhores mentiras feitas no Futebol: Ali Dia, o astro senegalês

Francisco IsaacNovembro 27, 20184min0
Nova rubrica do Fair Play sobre as melhores mentiras de sempre contadas e feitas no futebol! Começamos com Ali Dia, suposto primo de Weah que enganou Graeme Souness em 1996!

Sabes de algumas maiores “tangas” prepetuadas no Desporto-Rei? Desde jogadores fictícios (Tó Madeira!), a selecções-fantasma a conversas paralelas enganadoras, fomos em busca de 5 das melhores mentiras do futebol! 

QUANDO AS CUNHAS DE FAMÍLIA (FALSA) ARRANJAM TRABALHO NA PREMIER LEAGUE

9 de Novembro de 1996, o Southampton FC contratava um novo-velho jogador africano que poderia vir a ser uma das novas-velhas grandes promessas do futebol mundial. Com sangue de Weah a correr-lhe nas veias via relação familiar como primos, 30 anos nas pernas e suposta experiência em Itália e Espanha, Ali Dia tinha chegado do Senegal com os seus pés mágicos e uma capacidade excepcional de rematar à baliza.

Era desta forma que Weah descreveu o seu primo a Graeme Souness, treinador com créditos firmados no campeonato inglês. Dia chega aos Saints, numa névoa de alguma dúvida mas com a ideia de que ninguém podia duvidar do que Weah tinha dito. Matt Le Tissier (quem senão o médio cerebral do Southampton) levantou a sobrancelha uma série de vezes perante a inaptidão de Dia em fazer um passe correcto durante os treinos, mas Souness estava decidido a demonstrar que tinha em mãos um diamante extraordinário.

Ali Dia tinha tentando convencer o Gillingham e Port Vale, mas chumbou nos treinos, para além de que Harry Redknapp recebeu a chamada do Weah mas agradeceu e disse que não. Contudo, Souness teve outra opinião…

Chega um Southampton-Leeds a 23 de Novembro e Dia jogou exactamente 53 minutos, se é que se pode chamar aquilo “jogar futebol”. A prestação foi tão fraca, mas tão fraca que as descrições feitas por alguns dos seus colegas de equipa são tão cómicas como de surpreendentes, veja-se esta de Le Tissier,

Parecia um bambi sob gelo. Foi uma vergonha só de ver. Eu acabei por me lesionar aos 20 e vi na linha lateral o Dia a aquecer… não me queria acreditar. O Souness, que na altura duvidei do que estava a fazer, tira-me e mete-o… ao fim de um pouco volta a tirá-lo. Foi completamente louco!

Souness defendeu-se a dizer que a recente onda de lesões forçou-o a lançar Dia,

“Eu meti-o a jogar sem sequer tê-lo visto a actuar antes. Tinha de pô-lo, não havia mais opções. Acham que me diverti? Para mim foi como um murro no estômago. É o estado actual do Southampton, não temos soluções e fui forçado a lançar um jogador que nunca tinha jogado na Premier League.”

O Southampton tinha perdido o jogo por 2-0, a pressão aumentava e o reforço experiente e que ia surpreender (palavras de um George Weah…) deixou muito a desejar, apesar do The Telegraph ter referenciado como um dos “5 jogadores a ter em atenção em 1997”.

No meio de voltas e reviravoltas, a trama foi aumentando de tom. Dia não apareceu mais no Southampton, acusando o agente de se ter feito passar por George Weah, que nunca tinha conversado com o jogador da Libéria (mas que até eram amigos) e que sentia que tinha sido mal-tratado pelos Saints. Dia afirmava ter jogado pelo Senegal a nível internacional, mas a Federação Senegalesa de Futebol nunca corroborou tal história.

Aos poucos veio-se a descobrir que Dia nunca tinha sido jogador de futebol em lado algum minimamente credível, apesar de ter arrancado um salário de 400 libras do Gateshead (divisões inferiores inglesas) onde marcou 2 golos em 8 jogos, ao mesmo tempo que tirava um curso de Gestão na Universidade de Northumbria.

Depois de terminar o curso… Dia desapareceu. Nunca mais se ouviu o seu nome, quer seja na Premier League, Championship, League One, Two, ou qualquer outra divisão de futebol em Inglaterra ou no Mundo. Graeme Souness continua hoje em dia a defender-se, dizendo que não foi enganado mas que estava tão desesperado por opções que colocou Dia em campo. George Weah, quando contactado pela imprensa inglesa, disse sempre que nunca tinha falado, ouvido ou visto Ali Dia na sua vida, que não era seu conhecido quanto mais primo.

Ali Dia até este dia nunca mais apareceu, fugindo ao seu passado, depois de descredibilizar Graeme Souness que logo uns meses depois foi despedido pela direcção do Southampton. Os jogadores riam-se compulsivamente do treinador, depois do caso Ali Dia, para depois ficarem completamente descredibilizados com os “conhecimentos” do técnico escocês.

Ainda hoje está para se descobrir quem fez a chamada a passar por Weah, como é que um treinador com tanta experiência acreditou e a permissão da direcção do Southampton para que chegasse a este ponto, numa das melhores mentiras inventadas no futebol moderno! Lembrem-se, sempre que enganarem alguém digam “(risos) fiz-te uma de Ali Dia”, isso ou quando caem no chão a jogar futebol!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter