27 Abr, 2018

5 reforços de Inverno que estão a dar cartas (internacional)

Fair PlayAbril 16, 20187min0

5 reforços de Inverno que estão a dar cartas (internacional)

Fair PlayAbril 16, 20187min0
O Mercado de Janeiro é sempre um momento importante da época e o Fair Play escolhe 5 jogadores que estão a dar cartas e a conquistar os adeptos!

Se por vezes os reforços de Inverno podem fracassar na sua missão de dar uma “vitamina” extra ao clube e falhar nos seus novos clubes. Contudo, há uma boa parte dos reforços que dão cartas mal chegam ao clube com golos, assistências, cortes ou recuperações de bola!

O Fair Play escolhe 5 jogadores que chegaram como verdadeiros reforços de Janeiro!

MICHY BATSHUAYI (BORUSSIA DORTMUND)

Posição: Avançado
Idade: 24
País: Bélgica
Clube de onde veio: Chelsea FC
Clube para onde foi: Borussia Dortmund
Tipo de contrato: Empréstimo
Nº jogos/golos: 14 jogos e 9 golos (1170 minutos)

O Dortmund ficou órfão do seu principal atacante e um dos mais mediáticos avançados, como era o caso de Aubameyang, e o clube tinha razões para se preocupar com o seu ataque. Mas tal não se tem justificado, porque para o lugar do gabonês entrou um Batshuayi motivadíssimo.

A motivação comprova-se pela sua vontade de conseguir provar que merecia mais no Chelsea, o jogador sempre mereceu ser mais vezes aposta do que aquelas que era. Neste âmbito, e em ano de Mundial, o belga arregaçou as mangas e a experiência na Alemanha dificilmente poderia estar a correr melhor.

O jogador tem encaixado bastante bem, tal é a sua rapidez e capacidade física, pena é que a equipa do Dortmund tem sido bastante irregular ao longo do tempo, prova é o seu quarto lugar no campeonato e a ida à Champions em risco. O calcanhar de Aquiles tem sido os jogos frente a adversários do topo da tabela, jogos em que a equipa tem sido inferior e não tem potenciado os seus atacantes, sendo esses os jogos em que Batshuayi não marcou.

Logo quando foi contratado, o belga marcou dois golos e, desde aí, tem dez participações em jogos a contar para a Bundesliga e sete golos marcados, uma excelente estatística que lhe permite estar praticamente certa uma transferência em definitivo para a Westfália.

CENK TOSUN (EVERTON FC)

Posição: Avançado
Idade: 26
País: Turquia
Clube de onde veio: Besiktas JK
Clube para onde foi: Everton FC
Tipo de contrato: Contratado por 22M€ com contrato de 3 anos
Nº jogos/golos: 10 jogos e 4 golos (683 minutos)

Cenk Tosun deu o salto para Inglaterra em janeiro. O Everton contratou-o por 22 milhões de euros para discutir a titularidade com Calvert-Lewin e Niassé e parece que o turco não tem estado mal.

Apesar dos seus 26 anos de idade, mudou poucas vezes de clube. Ora vejamos, o avançado fez toda a sua formação no Eintracht Frankfurt tendo sido vendido ao Gaziantepspor por 500 mil euros, na sua 1ª época como sénior.

4 anos depois foi vendido ao Besiktas a custo-zero. Muda-se agora para a parte mais ocidental da Europa, com uma cultura bastante diferente da sua, assim como a língua e clube. Começou a meio-gás, conseguindo exibições abaixo da média, chegando até a não ser utilizado, devido a não estar a corresponder às expectativas.

Contudo, no seu 5º jogo pelos toffees marca o seu 1º golo e nos 2 jogos seguintes marca mais 3, totalizando 4 golos em 10 jogos pela equipa de Liverpool. Não podemos dizer que foi um reforço de ouro e que está a carregar a equipa às costas, nesta 2ª metade da época, mas também não está a ser um flop.

Nos últimos jogos tem agarrado a titularidade e tem-se destacado pela força e luta na frente de ataque. O turco promete, principalmente pelo seu poderoso remate, se conseguir ganhar confiança e mais entrosamento com os colegas.

JONATHAN VIERA (BJ SINOBO GUOAN)

Posição: Médio ofensivo
Idade: 28
País: Espanha
Clube de onde veio: Las Palmas
Clube para onde foi: BJ Sinobo Guoan
Tipo de contrato: Contratado por 11M€ com contrato de 3 anos
Nº jogos/golos: 5 jogos e 1 golos (521 minutos)

Face à época conturbada do Las Palmas na LaLiga, Jonathan Viera, perante o assédio constante do Beijing Sinobo Guoan, viveu alguns momentos de tensão com a direção do clube canário de modo a forçar a sua saída para a Superliga Chinesa.

O facto de envergar a braçadeira de capitão e de ser o elemento mais importante da equipa dificultou imenso uma operação que apenas ficou consumada a 19 de fevereiro do presente ano por um valor a rondar os 11 milhões de euros.

O conjunto chinês, decidido a regressar aos seus tempos áureos, apostou na contratação do playmaker espanhol assim como na de Cédric Bakambu, ex-Villarreal, e, com a ajuda do técnico alemão Roger Schmidt e do treinador-adjunto português Rui Mota, a capital do país poderia, nas próximas épocas, festejar a conquista de novos títulos que fogem desde 2009. E, na verdade, o arranque de Viera tem sido sensacional.

Cinco jogos, um golo e três assistências é o registo do médio formado no Las Palmas, atuando nas costas de Bakambu e/ou do seu compatriota Jonathan Soriano.

A técnica, visão de jogo e qualidade de passe, algumas das suas maiores valias, têm sido preponderantes para os Guardas Imperiais neste pontapé de saída, tanto que são donos e senhores da quarta posição da tabela classificativa.

NEVEN SUBOTIC E MATHIEU DEBUCHY (SAINT-ÉTIENNE)

Posição: Centrais
Idade: 29 / 32
País: Sérvia / França
Clube de onde veio: Borussia Dortmund / Arsenal FC
Clube para onde foi: Saint-Étienne
Tipo de contrato: Custo zero
Nº jogos/golos: 10 jogos e 2 golos (900 minutos) / 9 jogos e 3 golos (795 minutos)

O Saint-Etienne estava na 16ª posição, um ponto acima do playoff de despromoção e a três pontos dos lugares de descida.

Com a manutenção como objetivo principal em janeiro, a contratação de um lateral direito e de um defesa central foi prioritária, com os experientes e afastados das suas antigas equipas, Debuchy e Subotic a serem os escolhidos para a tarefa.

O sérvio chegou primeiro e fez o seu primeiro jogo a 27 de janeiro e conta já com 10 jogos na equipa principal onde a equipa não perdeu nenhum jogo, ganhou 5 e o sérvio marcou dois golos.

Debuchy chegou só no início de Fevereiro contando portanto com 9 jogos, 4 vitórias e já com 3 golos marcados, números excepcionais para um lateral.

No entanto é na análise ao coletivo que mais impressiona. Se recuarmos até à 22ª jornada o Sain-Etienne ocupava a 16ª posição e tinha uma média de 1,68 golos sofridos por jogo, tendo como derrota metade dos seus jogos, a que se somavam 5 empates.

Com a chegada da dupla e nas 10 jornadas já realizadas, o principal destaque vai para as 0 derrotas e para uma subida até ao nono lugar na classificação (na 32ª jornada). Se olharmos para a tarefa defensiva da equipa vemos que a média de golos sofridos baixou para os 0,8/jogo que se traduziu numa descida global de 1,8 para 1,4 golos sofridos por jogo em apenas 10 jornadas.

Caso para dizer que a experiência veio ajudar muito a equipa gaulesa.

Artigo redigido por José Nuno Queirós, Ricardo Lestre, João Negreira e Pedro Couñago


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter