4 reforços dos “Grandes” que não jogaram 1 minuto na Primeira Liga

Francisco IsaacDezembro 30, 20185min0

4 reforços dos “Grandes” que não jogaram 1 minuto na Primeira Liga

Francisco IsaacDezembro 30, 20185min0
FC Porto, SL Benfica e Sporting CP são reconhecidamente os clubes com maior orçamento em Portugal e por vezes esbanjam milhões em jogadores. Vê estes 4 reforços que nunca jogaram na Liga NOS

Más contratações e idas ao mercado deficitárias é algo que afecta todos os clubes a certa altura da sua existência. Neste lista exploramos 4 jogadores que foram contratados tanto no Mercado de Verão ou Inverno e que não jogaram 1 único minuto na Primeira Liga, não contando as prestações na Taça da Liga e Taça de Portugal. 

Houve algum jogador que nos esquecemos? Nota que só entraram nesta equação atletas que foram comprados (e não chegaram a custo-zero) e que permaneceram nos clubes no mínimo 5/6 meses (Ewerton, Salvador Agra, Patrick, são exemplos de atletas que não entram neste artigo por terem sido imediatamente vendidos ou emprestados).

VIVIANO (SPORTING CP)

Preço de custo: 2M€
Clube anterior: UC Sampdoria
Internacional A: Itália (6 ocasiões)

Foi a última contratação da Era Bruno de Carvalho e nem com José Peseiro ou Marcel Keizer somou qualquer minuto, preterido sempre em favor de Salin e Renan Ribeiro. Internacional italiano, nome forte da Sampdoria durante largas épocas, Viviano veio para Alvalade rubricar um contrato milionário com o claro objectivo de suprimir a vaga deixada por Rui Patrício.

Nem os 2M€ pagos foram/são um factor por optar pela sua escolha e os 0 minutos realizado em todas as competições são demonstrativo que o estatuto não compra lugar num onze.

Ironicamente, foi o guardião escalonado para a titularidade no 1º jogo oficial da época frente ao Moreirense FC, mas uma súbita lesão no aquecimento ditou a sua substituição e possível estreia pelo Sporting Clube de Portugal.

SEBASTIAN PREDIGER (FC PORTO)

Preço de custo: 3M€
Clube anterior: CA Colón
Internacional A: Argentina (1 ocasião)

Um reforço que chegou algo badalado pela imprensa sul-americana, devido a aquele tipo de características que vingam na maioria dos trincos daquelas paragens: agressivo na luta pelo controlo do meio-campo defensivo, passe curto de qualidade, raçudo no combate físico e munido de um pé canhão intenso (mas mal colocado). Conhecimento táctico básico e mais alguns pormenores na mistura, fizeram-no de um dos jogadores mais importantes do Colón que em 2008/2009 atingiu um 4º lugar de prestígio e histórico.

As grandes exibições do trinco argentino possibilitaram-lhe uma chamada à selecção nas Pampas, ante o Panamá (45 minutos) e aguçaram o interesse de algumas equipas europeias e sul-americanas na contratação de Prediger, sendo que seria o FC Porto a adquiri-lo por 3M€. Chega ao plantel tetracampeão liderado por Jesualdo Ferreira, e acaba por não singrar. Porquê?

Fernando, Freddy Guarín moravam na posição de médios-defensivos, com Raúl Meireles a poder baixar para essa secção caso existisse necessidade de tal. Ou seja, Prediger chegou ao Dragão com o destino traçado sem que tivesse alguma hipótese de sobrevivência.

Ao jeito de outros reforços-flops do FC Porto, Prediger entrou numa roda-viva de empréstimos jogando no Boca Juniors (mal suou no emblema de Buenos Aires), Cruzeiro e Colón. Chegado a 2012, fim do contrato e rumou de volta ao Colón.

Alinhou em 140 minutos pelo clube, 90 na Taça de Portugal e o restante na Taça da Liga… 3M€ que hoje em dia dariam muito jeito ao emblema da Invicta.

SIMEON SLAVCHEV (SPORTING CP)

Preço de custo: 2,5M€
Clube anterior: Litex Lovetch
Internacional A: Bulgária (17 ocasiões)

O búlgaro chegou durante a época de 2014/2015 como reforço da equipa de Marco Silva e… não somou qualquer minuto na equipa principal. O médio-centro que pode também jogar a trinco nunca convenceu o treinador dos leões, não só por existir um William Carvalho em grande forma, mas também pela pouca qualidade evidenciada no controlo de bola e no aguentar da intensidade de jogo.

Jogador que apostava mais no aspecto físico para se afirmar no “miolo”, acabou relegado para a Ledman LigaPro ao serviço da equipa secundária dos leões e somou uns 155 minutos até Janeiro, seguindo para o Bolton Wanderers por empréstimo até ao final da época (também só somou 44 minutos pela formação inglesa).

Depois de uma série de empréstimos, acabou por rescindir com o emblema lisboeta e seguiu a vida no Qarabag… ironicamente jogou contra o Sporting CP na Liga Europa 2018/2019 e acabou goleado nos dois encontros.

STEFAN MITROVIC (SL BENFICA)

Preço de custo: 1M€
Clube anterior: KV Kortrijk
Internacional A: Sérvia (13 ocasiões)

A temporada de 2013/2014 é relembrada com grande felicidade para os adeptos do SL Benfica, com a conquista do título depois de três épocas de domínio do FC Porto. Jorge Jesus mereceu confiança redobrada por parte de Luís Filipe Vieira (Rui Vitória não foi o único a receber tamanho carinho pelo presidente dos encarnados) e no mercado de Verão de 2013 teve direito a reforços

Nomes como Pizzi (13M€), Lazar Markovic (9M€), Ljubomir Fejsa (4M€), Lisandro Lopez (3,5M€), Guilherme Siqueira (1M€) entre outros. Depois chegaram atletas mais desconhecidos como Stefan Mitrovic, que actuava na Jupiler League da Bélgica.

O central sérvio não só não convenceu Jorge Jesus, como foi relegado para a segunda liga, servindo o SL Benfica “B” até Janeiro de 2014, altura em que recebeu guia de marcha e cedido ao Real Valladolid. O que correu mal?

Bem, Mitrovic tinha problemas no saber em como e quando aproximar-se ao adversário, para além de colocar uma agressividade exagerada na abordagem dos lances. Nos 8 jogos que realizou pela equipa secundária das “águias” foi amarelado e expulso por uma ocasião, revelando sempre uma falta de aptidão para jogar em Portugal.

Mitrovic um dos reforços flops do SL Benfica (Foto: Lusa)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter