10 momentos do Campeonato do Mundo de futebol pt.1

Fair PlayJunho 5, 20225min0

10 momentos do Campeonato do Mundo de futebol pt.1

Fair PlayJunho 5, 20225min0
Dos golos descalços de Leonidas ao encontro entre EUA e Irão, vamos contar algumas histórias marcantes de Campeonatos do Mundo do passado nesta colectânea

De Junho até Novembro, o Fair Play vai recordar alguns dos melhores momentos de Campeonatos do Mundo, oferecendo sempre duas histórias ao leitor, podendo ser divertidas, sérias, insólitas, educacionais, ou de outro género, e que ajudaram a escrever uma página na espectacular história do torneio de futebol mais aguardado a cada quatro anos.

PÁRA TUDO QUE O SHEIK É QUE MANDA

Esta história já foi contada no podcast do Fair Play dedicado ao passado “recente” (e não assim tão recente) do Desporto-Rei, Fut-Historiadores, mas não podia ficar de fora desta colecção de cinco artigos que contam alguns dos momentos mais importantes ou insólitos da maior competição da bola redonda a nível de selecções: a invasão do Sheik Al-Sabah no França-Kuwait de 1982. Num jogo que teria pouca história, para além de ter sido, à altura, o primeiro encontro entre a selecção francesa e a do médio-oriente, a França adiantou-se cedo no encontro e atingiu um 3-0 com golos de Bernard Genghini, Michel Platini (um dos melhores mundiais do antigo avançado, que viria ser presidente da UEFA) e Didier Six, mostrando o domínio avassalador de um dos candidatos ao título perante um estreante Kuwait nestas andanças.

Sem capacidade para lutarem contra a maior categoria dos jogadores e colectivo francês, o sonho do Kuwait em fazer a “gracinha” rapidamente esmoreceu até que aos 75′ surge o 2º golo desta selecção arábica, dando mote para uns últimos 15 minutos mais interessantes, apesar de saber que a França dificilmente iria perder o controle do jogo. Chegamos até ao minuto 81’… do nada, todos os jogadores kuwaitianos param de jogar, ficando paralisados no local onde estavam, enquanto os seus homólogos gauleses mantêm a bitola e acabam por desferir um 4º golo, pondo fim a uma possível “revolta” do seu adversário. Mas porque é que pararam?

Bem, pelos vistos os atletas do Kuwait ouviram um apito pensando se tratar de algo saído do árbitro, e sentiram que estavam a ser enganado por tudo e por todos, exigindo que o golo da França fosse anulado naquele momento, indo em direcção de Miroslav Stupar, o árbitro deste encontro da 1ª fase de grupos do Campeonato do Mundo, para que este revertesse a decisão. Impassível e inamovível, o árbitro parecia não querer ouvir os queixumes do Kuwait e, quando ia dar sequência ao jogo, eis que entra em campo a sua sumidade o sheik Al-Sabah, numa última tentativa de impedir que o 4-1 realmente se materializasse. Confusão instalada, os agentes da FIFA perdidos no relvado, e um monarca a forçar algo que nunca tinha acontecido na história do futebol profissional. Resultado? O árbitro decidiu anular o golo, para a incredulidade dos jogadores e staff da França, o Kuwait e os seus adeptos gritavam de alívio, e o escandâlo estava efectivamente lançado. Quis o destino que o 4º golo dos Les Bleus chegasse em definitivo aos 90′ por Maxime Bossis, pondo fim a esta momento incrível do Campeonato do Mundo de 1982.

Nota, o árbitro deste encontro nunca mais apitou jogos ao mais alto nível, tendo sido suspenso pela FIFA

O golo descalço no Mundial de 1938

A primeira campanha de relevo do “Escrete” foi no Campeonato do Mundo de 1938 (França), onde arrecadaram o terceiro lugar da prova. Se em 1930 e 1934 o Brasil havia caído na primeira fase dos torneios, na terceira edição do Mundial a seleção Brasileira apresentou se melhor preparada e mais bem apetrechada de atletas com o mítico Leônidas da Silva, o “Diamante Negro”, a ser a cabeça de cartaz do elenco canarinho.
Leonidas terminou a competição com 7 golos e, com a curiosidade, de um deles ter sido feito descalço.

Logo na estreia do Brasil frente a Polónia, Leonidas fez 3 golos num espetacular 6-5 em Estrasburgo. O golo que desatou a partida a favor dos brasileiros, ja no prolongamento, foi feito por Leonidas com o pé descalço.
O jogo foi disputado sob uma chuva torrencial e a chuteira do jogador foi se desgastando com a intensidade da partida. Durante o prolongamento, acabou mesmo por rasgar a frente ficando a parecer “uma boca de jacaré”. Face as dificuldades em arranjar outro par numero 36, Leonidas decidiu continuar a jogar, mas descalço.

Certamente que perguntar-se-ão: “Como é que o arbitro não viu?”. O próprio Leonidas respondeu a essa mesma pergunta numa entrevista em 1970,

“Ia ser cobrada uma falta contra a Polônia e eu fiquei . Chovia, o juiz não se apercebeu. Nós não tínhamos meias brancas, na época jogávamos de meias pretas. Então, com a lama, o juiz talvez não tenha observado. Eu fiquei na jogada, a bola bateu na barreira, voltou para mim e eu complementei o lance e fiz o gol.”


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter