Arquivo de Futebol - Página 2 de 139 - Fair Play

jj-resize.png?fit=1000%2C700&ssl=1
Bruno Costa JesuínoNovembro 28, 20198min0

Na última semana dois dos nomes mais badalados na imprensa têm vários pontos comuns. Ambos têm um personalidade muito própria. Ambos confiam muito nas suas capacidades. Ambos são dos melhores do mundo na sua função. E ambos fazem sonhar os adeptos de qualquer equipa equipa para a qual trabalhem (salvo uma ou outra excepção). Falamos, claro, da (re)aparição do ‘special one’ durante a consagração de Jorge ‘Alvares Cabral’ Jesus.

“Olé, olé-olé-olé, mister, mister” (Jesus)

Capa do Jornal Record

Jorge Jesus, tal como os (melhores) navegadores portugueses, depois de ‘descobrir’ um novo caminho caminho ‘comercial’ na Ásia, navegou, neste caso voou, rumo à conquista do continente sul americano, fazendo igualmente das terras de Vera Cruz a sua porta de entrada. Destaca-se desde já a primeira grande diferença: a recepção do ano 1500 a Pedro Álvares Cabral foi, pelo menos tendo em conta a documentação história, bem mais simpática do que a Jorge Jesus foi alvo (pela comunicação social, comentadores e treinadores brasileiros). Mas se o(s) primeiro(s) se impuseram pela ‘força’, o segundo foi convertendo os mais cépticos pela qualidade diferenciada do seu trabalho e até pela simpatia. Rapidamente se tornou um ídolo entre a nação rubro-negra, e alguns dos que mais o criticaram começaram a retratar-se.

E depois em 24 horas conquista dois títulos. Se o ‘brasileirão’ já era esperado pelo avanço pontual, a Taça dos Libertadores foi bem emocionante. A perder até perto do fim, aos 88 minutos (Oitchentcha e Otcho, como alguém diria) empatou o jogo. Mas a história mais bonita veio a seguir. Depois de perder duas finais continentais ao (outrora fatídico) minuto 92′ (já sem falar de uma Taça e uma liga portuguesa), Gabriel Barbosa bisa e dá o título ao Flamengo.

Ainda com o campeonato do mundo de clubes por disputar, já há quem peça um estátua de Jesus ao lado de Zico. Será caso para dizer: “Obrigado Jesus…”

‘(re)Special One’ está de volta

Depois de uma saída complicada há um ano do Manchester United, e quando os ‘profetas da desgraça’ já ditavam o seu ‘fim’, eis que José Mourinho regressa em grande para o mesmo campeonato e para um rival do. O ‘(re)Special One’ está de volta. E ‘(re)Special’ sem qualquer conotação negativa, mas sim porque depois de uma pausa sabática certamente que de alguma forma se ‘reciclou’, para mostrar o porquê de (continuar a) ser especial.

Habituado a fazer o que ‘há muito não é feito’ – liga dos campeões pelo Inter e pelo Porto e campeonato pelo Chelsea – Mourinho tem no Tottenham o desafio ideal para trazer os títulos que os adeptos ‘Spurs’ há muito almejam.

Sempre achei que estes 11 meses não seriam uma perda de tempo. Pude reflectir, analisar, preparar-me, antecipar cenários. Nunca perdemos a nossa identidade, somos o que somos, com as coisas boas e más. Não me perguntem quais foram os erros que cometi, mas apercebi-me de que cometi erros e não vou cometer os mesmos erros. Vou cometer erros novos, mas não os mesmos.

Por enquanto dois jogos, duas vitórias. Mas não é disso que vamos falar. Continua igual ao seu estilo e é também, por momentos como este (no vídeo abaixo) todos tínhamos saudades dele. Vá, talvez com excepção dos tais ‘profetas da desgraça’.

‘Muito mais é que os une que aquilo que os separa’?

Adaptando a letra canção de Rui Veloso na história do “Primeiro Beijo”, é ‘muito mais aquilo que os une que aquilo que os separa’.

O que os une…

Tanto Jesus como Mourinho são treinadores de autor. Isto é, ao longo da sua carreira sempre se diferenciaram pela forma como (quase) sempre tentaram trazer coisas novas ao futebol das equipas por onde passam. E devido a isso foram deixando, de certa forma, um legado. O ‘special one‘ foi totalmente disruptivo desde que se assumiu como treinador principal. A forma de ver um futebol como um todo – parte técnica, táctica e mental – e com um forma de liderança que retira o máximo de cada jogador do plantel. Jorge Jesus é de outra ‘escola’. Começou como treinador principal nas divisões inferiores, chegou bem mais tarde a clubes de topo, mas rapidamente impôs o seu futebol: dinâmico, a saber defender bem e com poucos, fazendo da sua transição ofensiva um autêntico ‘rolo compressor’ e, muitas vezes, com ‘nota artística’ (expressões que entraram no léxico do futebol desde a sua passagem pelo Benfica). Além disso, ficaram famosas algumas das adaptações de sucesso que fez com Enzo Pérez, Fábio Coentrão, João Mário e, mais recentemente, Willian Arão e Gerson.

Ambos quebraram também alguns ‘tabus’. Lembro-me, ainda na altura que Mourinho treinava o Porto, muito se falava sobre dois jogadores com características de número 10 jogarem ao mesmo tempo. Mourinho chegou a jogar com três jogadores com essas características ao mesmo tempo: Deco, Alenitchev e Carlos Alberto. Mostrou que com os posicionamentos certos, há sempre espaço para o talento. Jorge Jesus, anos antes de chegar o Benfica, começou a utilizar como sistema primordial o seu 442 muito dinâmico. Após o primeiro ano de muito sucesso nos ‘encarnados’, muitos foram os treinadores em Portugal que começaram a usar o mesmo sistema. Numa altura que em Portugal todos jogavam em 433 ou 4231, de há alguns anos para cá, o 442 é dos sistemas mais usados na nossa liga. Antes era visto como um sistema demasiado ofensivo, mas o ‘mestre da táctica’ provou que com as dinâmicas certas pode ser bastante equilibrado.

A vez número 3. Se para JJ a terceira (final de uma prova continental) foi de vez, para Mourinho é o terceiro clube inglês no seu currículo.

O que os separa… (ou não!?)

Apesar de ambos terem crescido no futebol têm ‘escolas diferentes’. Jorge Jesus, após boa carreira no futebol profissional (chegando a jogar no Sporting), rapidamente se tornou treinador. Aprendeu a criar os seus próprios métodos e foi aprimorando ao longo dos anos. Começou em divisões inferiores e foi subindo até ao topo. Já Mourinho, não tendo o mesmo sucesso como jogador, desde criança que acompanhou sempre de perto um guarda-redes (e depois treinador) de sucesso: Félix Mourinho, o seu pai. Sempre ligado ao futebol, nunca largou os estudos e teve também formação académica. Posteriormente lançou-se em clubes de topo, mas primeiro como treinador adjunto, passando por Porto e Barcelona.

Sendo ambos grandes entendidos no futebol, as competências de comunicação e liderança sempre foram duas grandes características associadas a José Mourinho… e criticadas em Jorge Jesus. Mas enquanto JJ tem sido elogiado na evolução dessas duas valências, principalmente nos últimos dois anos, Mourinho foi muito criticado, especialmente, na passagem pelo Manchester United.

Patrick Vieira, que foi treinado pelo ‘special one’ no Inter, abordou essa situação há dois anos.

Se calhar, os jogadores que tem agora não são tão receptivos à sua mensagem, são mais jovens e a geração mudou completamente. No Inter tínhamos um plantel mais velho e muito experiente e Mourinho soube lidar muito bem com isso. Os jogadores mais jovens talvez tenham medo de dizer aquilo que pensam e isso pode dificultar as coisas.

O próprio Mourinho, nos últimos tempos, também se referiu às diferenças comportamentais e sociais dos ‘jogadores do agora’ em relação aos ‘jogadores da geração anterior’. Dando a entender que a sua forma de gerir o balneário que tantos êxitos lhe trouxe poderá sofrer alterações. Admitindo ainda que durante este tempo de interregno aproveitou para fazer uma “análise profunda”.

Sou humilde o suficiente para analisar a minha carreira e todos os problemas que aconteceram. Fui muito longe na minha análise e percebi que não havia mais ninguém para culpar. Durante a minha carreira cometi vários erros. Não vou cometer os mesmos erros, vou cometer erros novos», atirou aos jornalistas.

O que esperar do futuro de Jorge e de José?

Não se sabe se Jorge chegará algum dia a um clube que lute pela Liga dos Campeões ou se Mourinho voltará a ganhar alguma, no entanto também existem certezas. Ambos foram (são) revolucionários, deixaram (deixam) seguidores, partilham a mesma sede de sucesso e nunca se deixarão adormecer à sombra do sucesso. Aproveitando a confissão de JJ a respeito da música que actualmente mais o inspira, podemos arriscar tanto um como outro não têm dúvidas que: ‘O melhor de mim está para chegar’

É preciso perder para depois se ganhar
E mesmo sem ver, acreditar
É a vida que segue e não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar
Creio que a noite sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre me iluminar.

 

SC-Freiburg-v-SV-Darmstadt-98-Bundesliga-1-1000x600-1000x563.jpg?fit=1000%2C563&ssl=1
Gonçalo MeloNovembro 26, 20197min0

O Friburgo é uma das equipas mais modestas da Bundesliga alemã, e os baixos orçamentos poderiam ser encarados como um problema. No entanto, os homens do sudoeste alemão vão fazendo o seu trabalho, estando neste momento num soberbo quarto lugar.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS