Arquivo de presidente - Fair Play

PMC.jpg?fit=1024%2C439&ssl=1
Francisco CabritaMarço 6, 201710min1

Patrick Morais de Carvalho fez três grandes promessas, quando assumiu o cargo de Presidente do Clube de Futebol “Os Belenenses”, em 2014: o regresso às Salésias, duplicação do número de sócios e um título nas modalidades. A esta acrescenta-se uma posterior: a recompra da SAD. E esse é o seu maior desafio.

Como tudo começou

Patrick Morais de Carvalho, advogado de profissão, anunciou a sua candidatura a presidente do Clube de Futebol “Os Belenenses” no dia 24 de Julho de 2014, na altura prometia, nas palavras do próprio, “entregar aos sócios um clube maior, mais vivido e mais participado”.

Em 2011, Patrick Morais de Carvalho já tinha pertencido à lista de João Barbosa como candidato para a mesa da assembleia geral.

Em Outubro de 2014, votaram 1.470 sócios do Belenenses, cujos votos deram a Patrick Morais de Carvalho uma vitória por 52,4% sobre o antigo presidente, António Soares.

Patrick Morais de Carvalho traçou, na altura, como três grandes objetivos fazer o Belenenses regressar às Salésias, duplicar o número de sócios e ganhar um título para o clube.

O caminho traçado para duplicar o número de sócios

Para realizar o objetivo de duplicar o número de sócios, a direção do Clube de Futebol “Os Belenenses” anunciou o novo cartão de sócio, que vem dentro de uma caixa – a bluebox.

A Bluebox começou a ser comercializada no dia 1 de Setembro de 2015 e inclui informação comercial dos parceiros do Clube com todas as vantagens protocoladas, cartão Repsol, o novo cartão de sócio e um Cachecol. Tem um custo de 10€ para sócios, de 20€ para antigos sócios que solicitem a sua readmissão (com duas quotas incluídas) e de 30€ para novos sócios (com três quotas incluídas). Nos dois últimos casos, aplica-se um desconto de 50% para estudantes e reformados. Todos os associados do clube poderão optar pelo pagamento através de débito direto.

Com o lançamento da bluebox, a Direção aproveitou a ocasião para proceder à renumeração de sócios , que não era feita há mais de 20 anos. Na altura, Patrick Morais de Carvalho disse , justificando a recontagem do número de sócios, que “em termos de marketing, um dos principais argumentos que faz com que os sócios não deixem de pagar as suas quotas é manter a sua antiguidade, vendo o seu número de sócio descer, pelo que se decidiu que pela oportunidade e pela estratégia de marketing que uma ação destas incorpora, era este o momento de atuar nesta área”.

A atual direção do Clube de Futebol “Os Belenenses” chegou ao Clube com 2700 sócios contribuintes, querendo aumentar, pelo menos para o dobro, até ao final do seu mandato.

Se irá conseguir, ou não, atingir esses valores, ninguém sabe. Ter-se-á de esperar até outubro de 2017, data de fim de mandato, mas, seguramente, ninguém pode tirar o mérito a esta direção de ter lançado um novo e revolucionário cartão de sócio, mais virado para o século XXI e o primeiro no Clube a utilizar tecnologia RFID – Identificação por Rádio Frequência.

Entre outras iniciativas para aproximar os adeptos do clube destaca-se a criação, a par da bluebox, do cartão das modalidades, uma espécie de passe de época para as quatro modalidades desportivas realizadas no pavilhão Acácio Rosa (andebol, basquetebol,voleibol e futsal). Este cartão veio contribuir muito para as bancadas bem compostas que se têm visto, este ano, no pavilhão.

Foto: Jornal “Abola”.

O regresso às Salésias

Para compreender a importância das Salésias para o Clube de Futebol “Os Belenenses” é importante recuar ao passado, a um dos capítulos mais tristes da história do clube.

O Campo das Salésias foi inaugurado no dia 29 de Janeiro de 1928. Ao longo de muitos anos reconhecido como o melhor estádio de Portugal, com uma lotação que ultrapassava as 20.000 pessoas. Foi o primeiro recinto desportivo português a dispor de bancada coberta e também, a partir de 1937, o primeiro a proporcionar um campo relvado. Era lá que a Seleção Nacional disputava os seus compromissos internacionais, que ali se mantiveram até à inauguração do Estádio Nacional em 1944, tendo o recinto recebido igualmente o 1º jogo internacional de Andebol realizado em Portugal.

Em 1956, o Clube de Futebol “Os Belenenses” foi forçado pelos poderes públicos a abandonar aquele espaço para o qual alegadamente existiam grandes projetos, tendo sido a partir daí votado ao mais profundo abandono.

Há quem diga que o Clube de Futebol “Os Belenenses” nunca mais foi o mesmo.

A 26 de Maio de 2016 o Clube de Futebol “Os Belenenses” regressou às Salésias. Para o grande objetivo ser possível, o parceiro escolhido foi a EDP e, depois de um investimento ligeiramente acima dos 200 mil euros, o sonho transformou-se em realidade.

Possibilitar o regresso às Salésias a um adepto azul é como pagar uma viagem a Jerusalém a um católico praticante, é voltar a um lugar sagrado, onde as histórias contadas pelos mais velhos ganham vida.

Foto: C.M.L.

Dar um título ao Clube

Em termos desportivos, como é conhecimento público, a gestão do futebol profissional do clube azul está entregue à SAD, mas as camadas jovens são responsabilidade do Clube. 

No escalão visto como mais importante no futebol de formação, os Juniores A, o Clube de Futebol “Os Belenenses” encontra-se na fase de apuramento de campeão como segundo classificado em igualdade pontual com o primeiro classificado, o Sporting CP, contabilizando, ambas as equipas, 3 vitórias e 1 empate nesta fase da prova.

Em futsal feminino, o Clube de Futebol “Os Belenenses” segue imparável, contabilizando em 13 jogos… 13 vitórias. Tudo indica que a subida de divisão é um sonho tornado realidade.

Em futsal masculino, está-se a assistir ao ressurgimento do grande Clube de Futebol “Os Belenenses” de outrora, depois de campeonatos tremidos, onde a descida de divisão pairava, eis que a equipa segue em quarto lugar no campeonato, tendo assinado lugar na já disputada final da taça da liga.

Em voleibol feminino o clube segue em quinto lugar, em rugby em sexto.

No cômputo geral das principais modalidades, o panorama é bastante animador. Patrick Morais de Carvalho conseguiu, outra vez, incutir a mentalidade ganhadora dos rapazes da praia que abandonara o clube.

E não é loucura nenhuma afirmar que, no escalão de Juniores A de futebol, o título é uma realidade bem presente. 

Foto: Site Clube de Futebol “Os Belenenses”.

Um novo objetivo: A recompra da SAD

A direção do Belenenses anunciou publicamente, a 22 de Julho de 2016, ter apresentado um requerimento para a criação de um tribunal arbitral para ver restituído e reconhecido o direito do clube em exercer a recompra da SAD, que tem a gestão do futebol profissional.

“No dia 18 de junho de 2016, fizemos um requerimento no Tribunal do Comércio de Lisboa, para que seja constituído um tribunal arbitral, para ver restituída e reconhecida a opção de compra da SAD e a fixação do preço“, afirmou o presidente Patrick Morais de Carvalho, reforçando, desta forma, o que já tinha antecipado em abril de 2016.

O líder do clube do Restelo, criticou a resolução unilateral do acordo parassocial por parte da Codecity Sports Management, de Rui Pedro Soares, considerando que se tratou de um ato “ilegal, com o objetivo de impedir o clube de acionar a opção de compra“.

“A opção de compra era condição essencial para assinar o contrato de compra e venda entre clube e Codecity [em 2012]. Não temos dúvidas de que a razão está do nosso lado. O próximo campeonato será o último em que este acionista estará à frente do nosso futebol profissional“, referiu.

À data, Patrick Morais de Carvalho referiu ainda que a SAD devia 45 meses de pagamento de eletricidade, água e gás ao Clube.

Recuperar a gestão do Futebol profissional do Clube de Futebol “Os Belenenses” é o grande desafio de Patrick Morais de Carvalho, que prometeu fazê-lo entre outubro de 2017 e Janeiro de 2018.

Recuperar a SAD mais do que uma imposição feita por grande parte dos sócios é , sem dúvida , recuperar o próprio clube, dando um grande sinal de vitalidade.

Foto: Jornal “A Bola”

Patrick Morais de Carvalho prometeu o regresso às Salésias: cumpriu; prometeu um kit de sócio mais virado para o século XXI: cumpriu; prometeu um título nas modalidades, mais cedo ou mais tarde, acabará por cumprir a promessa; quanto à recompra da SAD? Temos de esperar por outubro de 2017, mas o compromisso de Patrick Morais de Carvalho com a promessa cumprida faz-nos antever um desfecho bonito para o clube.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS